Tag: andar

20 minutos de caminhada rápida já reduzem inflamação no corpo

Conteúdo original Boa Forma

run-1290022_960_720

A ciência já conhece os efeitos benéficos da atividade física sobre processos inflamatórios no organismo – que, em excesso, geram males como diabetes, obesidade, doença celíaca e fibromialgia. Mas um novo estudo, publicado recentemente na revista científica Brain, Behavior and Immunity, desvendou os mecanismos celulares por trás dessa ação. Mais: a pesquisa demonstra que 20 minutos de exercício são suficientes para reduzir a inflamação no corpo.

Para chegar a esses achados, o time de cientistas que conduziu o trabalho – todos da Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos – investigou se seria possível ativar, com apenas 20 minutos de atividade física, o sistema nervoso simpático do cérebro, responsável por acelerar os batimentos cardíacos, elevar a pressão arterial e intensificar o ritmo respiratório. Os pesquisadores tinham a hipótese de que, ao acionar esse sistema, o organismo dispararia, a nível celular, uma resposta anti-inflamatória. E eles estavam certos.

walking-1448852_960_720

Os experts americanos testaram a teoria em um grupo de 47 homens e mulheres, que caminharam na esteira durante 20 minutos numa intensidade moderada. Antes e depois do exercício, os estudiosos coletaram amostras de sangue dos participantes. Os resultados apontaram uma redução de 5% no número de células imunológicas ligadas a processos inflamatórios.

Para os autores do trabalho, conhecer esses mecanismos é importante para o desenvolvimento de novos tratamentos anti-inflamatórios. Além disso, a descoberta mostra que não é preciso se matar na academia para colher os frutos de uma vida ativa. “20 a 30 minutos de exercício moderado, incluindo caminhada rápida, parece já ser suficiente. A ideia de que o treino precisa ser exaustivo e longo intimida aqueles que sofrem com doenças inflamatórias crônicas e poderiam se beneficiar da atividade física”, comenta Suzi Hong, líder do estudo.

silhouette-1159234_960_7202626

Portanto, se você sofre com algum desses problemas, nada de usar isso como desculpa para não se exercitar. Converse com o seu médico e procure um profissional de educação física para saber como incluir a atividade física na sua rotina para tirar apenas benefícios – e não colocar o seu bem-estar em risco.

Você sabe se está pisando corretamente?

Conteúdo original Mais Equilíbrio

running-shoes-49580_640

Você sabia que ter o hábito de pisar errado pode levar a sérios problemas de saúde? Sim, apesar de parecer inofensiva, a pisada torta pode causar alterações no quadril, nos joelhos ou na estrutura musculoesquelética de toda a parte inferior do corpo, acredita?

O que nem todo mundo sabe, é que por meio da análise da pisada é possível identificar quadros de alterações na postura e na mecânica da marcha, movimento realizado durante a caminhada e a corrida.

steps-388914_640

“A avaliação da pisada analisa duas características: o tipo de pisada e o tipo de aterrissagem dos pés no solo. O conhecimento do tipo de pisada permite elaborar estratégias para corrigir desvios no movimento dos pés e limitar a sobrecarga nas articulações do pé e tornozelo, enquanto que a análise do tipo de aterrissagem permite atuar no controle do impacto que o exercício provoca sobre o corpo”, explica o médico do esporte do Lavoisier Medicina Diagnóstica, Dr. Luiz Augusto Riani Costa.

Cada pisada tem um tipo. Qual é a sua?

Os principais tipos de pisadas são a pisada pronada (rotação excessiva para dentro forçando a porção medial do pé), a supinada (rotação insuficiente para dentro ou até rotação para fora forçando a porção lateral do pé) e a neutra (ligeira rotação para dentro – ação normal que promove distribuição equilibrada das forças pelo pé). Já em relação à aterrissagem, o retorno ao solo pode acontecer pela parte anterior ou posterior do pé.

slipons-522424_640

Em casa, uma das formas de identificar qual é o tipo da sua pisada é observar a sola do calçado depois de bastante usado. Ela estará mais gasta no local onde o pé faz mais pressão ao pisar.

Tratamento para pisada torta

Para as pessoas que já apresentam queixas específicas em relação à movimentação dos pés, o acompanhamento por um especialista para tratar das lesões é fundamental. Caso não seja feito o tratamento adequado, pode ocorrer degeneração do aparelho muscular e esquelético, além de desgastes nas articulações, fraturas por estresse e tendinites. Vale lembrar que a análise da pisada deve fazer parte de uma avaliação mais ampla do comportamento musculoesquelético do organismo, e o trabalho para prevenção de lesões também envolve exercícios de fortalecimento, flexibilidade e equilíbrio.

Qual é o melhor calçado?

lacoste-926858_640

Infelizmente, você só vai poder saber a resposta desta pergunta na prática. “Apenas o uso contínuo do calçado pode confirmar se a escolha foi correta. Além da discussão sobre o tipo de pisada, outras questões devem ser consideradas como as variações no sistema de amortecimento dos calçados e de estabilização da pisada, sendo que mais recentemente surgiu uma onda em direção ao uso de tênis minimalistas, mas essa indicação deve ser avaliada com muito cuidado”, alerta o especialista.

Se você desconfia da maneira em que você pisa o indicado é procurar um médico especializado e iniciar o tratamento. Saúde em primeiro lugar, sempre!

 

Cinco passos para sair do sedentarismo e começar a se exercitar

Por Vivian Carrer Elias em Veja Saúde

lonely-273629_640

O sedentarismo está entre os dez principais fatores de risco que ameaçam a saúde, segundo uma pesquisa sobre a carga global de doenças feita em 2010. Outro extenso estudo, feito na Austrália e publicado em 2012, provou que o sedentarismo não só provoca doenças, como encurta a vida. A pesquisa avaliou mais de 200 000 pessoas acima de 45 anos e descobriu que as mais sedentárias tinham duas vezes maiores chances de morrer em um período de três anos do que os sedentários que se exercitavam mais.

belly-811388_640

Os potenciais prejuízos do sedentarismo e os efeitos benéficos da prática de atividade física são bons motivos para começar a se exercitar. Mas é comum que pessoas desacostumadas à prática de exercícios se sintam desmotivadas pouco depois de iniciar alguma atividade – e voltem para o sofá.

Em muitos casos, isso acontece por um mau planejamento. São armadilhas comuns escolher uma modalidade com a qual não se identifique, não adaptar os horários dos exercícios à rotina ou traçar metas impossíveis de serem alcançadas. Conheça as melhores estratégias para sair do sedentarismo de vez.

Cinco passos para sair do sedentarismo

1. Avalie o seu físico

medical-563427_640

Passar por uma avaliação de flexibilidade, fôlego, força muscular e composição corporal é importante para medir o progresso que virá com a prática de exercícios. Esse teste pode ser feito por um profissional de educação física. Já pessoas sedentárias com mais de 40 anos ou que tenham algum fator de risco, como sobrepeso e hipertensão, devem agendar uma consulta com um médico antes de iniciar uma atividade física.

“Há recursos que traçam o perfil do indivíduo e permitem dizer se ele pode fazer exercícios mais intensos ou se deve optar pelos moderados”, diz o fisiologista Turíbio Leite de Barros. Trata-se de testes como o cardiopulmonar, que mede a aptidão cardiorrespiratória, e o ergométrico, que avalia o coração em situação de stress, geralmente com o paciente se movimentando em uma esteira ou bicicleta estacionária.

2. Estabeleça metas realistas

0010816796O-565x849

Ter objetivos ao iniciar uma atividade física é motivador – desde que eles sejam realistas. “Uma pessoa que decidir perder 10 quilos em dois meses dificilmente vai conseguir alcançar a meta e, de certo, vai desistir do compromisso”, diz Renato Dutra. O ideal, segundo o educador físico, é estabelecer objetivos de curto (um a três meses), médio (quatro a seis meses) e longo prazo (um a dois anos). “Metas possíveis para um sedentário são, por exemplo, emagrecer 1 quilo em dois meses ou, em um mês, correr 10 minutos ou subir um lance de escada sem se sentir tão cansado.” Um dos melhores estímulos é enxergar os resultados.

3. Escolha um exercício prazeroso

É comum que corrida e musculação, pela difusão e pela praticidade, sejam as primeiras opções na hora de escolher um exercício. Mas isso não quer dizer que elas sejam prazerosas para todo mundo.

0009485916X-849x565

A regra é experimentar diferentes modalidades até encontrar a mais agradável. “Para sair do sedentarismo, a pessoa deverá buscar um exercício com o qual se identifique”, diz Renato Dutra. “Só assim ela descobrirá que, em vez de musculação, prefere pilates, ou que se sai melhor na dança do que na corrida.” 

4. Comece devagar

Pessoas que não estão acostumadas a se exercitar devem começar uma atividade física aos poucos, com uma intensidade leve e respeitando os limites do corpo. Isso vai ajudar a evitar lesões e diminuirá as chances de o indivíduo se sentir desestimulado com o exercício. Variar as modalidades também é uma medida que ajuda a espantar o desânimo. “Faça, por exemplo, musculação em um dia, um exercício aeróbico no outro e uma aula de alongamento no dia seguinte”, diz o educador físico Renato Dutra.

5. Persista nos novos hábitos

0010761346J-849x565

É normal que uma pessoa decida se exercitar duas vezes por semana, mas, logo no início, um imprevisto a impeça de cumprir esse objetivo. “Ela não pode desanimar por causa disso. Se não deu, deve tentar de novo na outra semana. Para criar um hábito, é preciso investir nele, reforçando determinados comportamentos. Uma pessoa que sempre foi sedentária não pode ser tão exigente consigo mesma”, afirma Dutra.

Praticar atividades físicas melhora a capacidade cognitiva

Artigo do Dr. Ricardo Munir Nahas, médico de esportes, CRM 34914/SP
Especialista do Minha Vida

Quando temos uma importante tarefa intelectual a cumprir, um concurso, vestibular, teses a serem defendidas, que demandam tempo de pesquisa e estudo além do habitual, outras atividades serão sacrificadas e a primeira delas geralmente são os exercícios semanais.

glasses-272399_640

Tempo e a energia serão dedicados à nova tarefa e horas sentadas se somarão a tantas outras já dedicadas ao trabalho, condução, convívio familiar. O produto final, o aumento do sedentarismo, é o que transformará a ladeira a ser subida, da nova tarefa, em escalada de paredão da Pedra da Gávea.

A atividade física regular semanal traz ao organismo uma dose de energia a mais para vencer todas as tarefas. Não só as tarefas que dependem da atividade muscular voluntária, mas também as cognitivas são melhor executadas por aqueles que mantém um treino regular.

gym-455164_640

No início, parar com os exercícios pode parecer uma boa solução, mesmo porque a perda do condicionamento se fará lenta e gradualmente, quase imperceptível. O mesmo ritmo para as atividades será mantido, sem que você se dê conta de que a perda de rendimento físico e intelectual já começou.

Sua percepção de mudança de disposição no cotidiano estará encoberta pelo aumento de horas de trabalho no dia a dia. O primeiro sinal de que tudo será diferente: transtornos no sono, passará despercebido e será atribuído ao novo projeto e a preocupação por ele gerada.

sports-731506_640

Notando que o cansaço já é desproporcional, você irá se culpar por não conseguir se concentrar, irá gradativamente se privando de outras atividades para vencer a nova atribuição. É a ladeira transformando-se em escalada.

Atribuir o aumento de sensação de cansaço e noites mal dormidas à maior carga de trabalho é mais fácil. Verdade, mas sua capacidade de enfrentá-la também já está diminuindo pois você vem perdendo capacidade de produção e seu cérebro é o primeiro a dar o alerta para a transformação.

team-771474_640

Sem considerar o sinal amarelo que se acendeu, você mergulha na disciplina rígida daqueles que tem prazo a cumprir. Aí é o momento de perceber que sua concentração já não é mais a mesma. Naquele tempo sentado em frente ao computador, começam a aparecer lacunas inúteis de falta de inspiração, por vezes trocadas por chocolate e outros quitutes. Você trocou a satisfação do exercício pela da comida e ganhará quilinhos a mais com isso.

Por fim, as noites de sono são trocadas por dias sonolentos e preguiçosos. Você perde a hora, dorme durante qualquer folga do dia e no entanto, ao se deitar, tem o teto como companheiro para uma longa, improdutiva e insone vigília. Dia seguinte, tudo se repete e o cansaço se torna cada vez mais presente e a capacidade física e intelectual cada vez mais ausente. Chegou na hora da famosa frase: “Preciso tirar férias para dormir o dia inteiro”.

swimmer-625561_640

Olhando ao redor, você certamente encontrará alguém sorridente, ativo e alegre, prestativo com as demais pessoas, sempre disposto a ajudar, rápido nas respostas, rápido nas decisões, incansável, que conta ter aproveitado o fim de semana no futebol com os filhos e amigos, e que, note bem, tem a mesma carga de trabalho que você, e a mesma carga extra exigida por uma faculdade ou pós graduação. A ladeira do vizinho parece ser muito mais suave.

É a hora que você descobre que aquela ginástica que fazia, com trabalho aeróbio, três vezes por semana, exercícios de musculação e aulas de alongamento, faz a diferença entre vocês dois.

Jamais abandone seu exercício. Correr, andar, pedalar, nadar e outras combinações de trabalho aeróbio não podem ser suspensas, por maior que seja a tarefa intelectual a ser cumprida e o tempo que ela exija. São a fonte da endorfina e da disposição que ela traz para o cotidiano, do bom sono, reparador e que descansa. A atividade física regular é a melhor maneira de combater a fadiga física e intelectual.

bicycle-384566_640

Músculos rígidos, resistentes, articulações flexíveis, tornam a ingrata tarefa de permanecer horas sentado mais agradável e indolor. Vão também auxiliar o cérebro na tarefa de nos manter equilibrados e coordenados, transformando os movimentos do dia a dia em simples e automatizados, poupando a energia que será utilizada no cumprimento de outras tarefa, mesmo intelectuais.

Se você também está habituado à pratica de esportes, não a dispense. Ela mantém o aspecto competitivo da personalidade, ajuda na integração social e na função cerebral, intelectual de raciocínio, independente do esporte que for.

Assim, transforme sua ladeira em uma subidinha, não em escalada, mantendo-se ativo fisicamente sempre.

Caminhada seca-barriga

por Christina Biltoveni em M de Mulher

belly-2473_640

Estudos realizados em centros de pesquisa do mundo todo comprovam que a mais simples de todas as atividades físicas – andar – é uma forma eficaz, fácil e barata de emagrecer, ganhar fôlego e proteger o coração. A novidade é que especialistas americanos descobriram que caminhar é tiro e queda para acabar com a gordura abdominal. Eles analisaram a relação entre esse tipo de exercício e os excessos que insistem em se alojar na barriga e provaram que uma média de duas horas e meia de caminhada por semana pode exterminar as sobras nessa região e diminuir até 2,5 centímetros em quatro semanas.

Mas por que caminhar funciona tão bem para declarar guerra aos pneuzinhos? Segundo Tim Church, da Louisiana State University, nos Estados Unidos, esse tipo de atividade ajuda a reduzir a gordura abdominal profunda, chamada gordura visceral. Se você se exercitar o suficiente para perder 10% da sua gordura corporal, pode, na verdade, diminuir a gordura visceral em até 30%, diz Church. Porém, é preciso deixar claro que a caminhada só traz esse tipo de resultado se aliada a uma dieta saudável.

person-731281_640

Outro fator importante: quando a intensidade é variada durante o exercício, há uma maior metabolização da gordura como fonte de energia. Desse modo, andar se torna uma atividade mais eficiente e é possível conseguir resultados em menor tempo, defende Claudio Pavanelli, fisiologista da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Por isso, os professores Emerson Bisan, da assessoria esportiva Nova Equipe, e Mickey Ferrari, da academia Reebok, ambas em São Paulo, montaram um programa em que você vai caminhar menos de uma hora por dia, cinco vezes por semana, e intercalar a intensidade durante o treino. Quando se faz o mesmo exercício todos os dias, não demora a atingir o que a gente chama de zona de conforto. O organismo acostuma, não é mais desafiado, e os benefícios ficam comprometidos, explica Mickey. Vamos lá!

Escolha o plano que mais se ajusta ao seu estilo de vida: há um programa para fazer na esteira ou na rua e o outro para quem gosta de andar na praia. Aposte no seu preferido e tire o máximo proveito dessa malhação com cara de passeio. Afinal, depois de tudo isso que você leu, sua caminhada nunca mais será a mesma.

A postura certa

running-573762_640

Enquanto você caminha, preste atenção em alguns itens importantes:

  • Cabeça: deve ficar alinhada com a coluna, mantendo o queixo paralelo ao chão, para evitar dores no pescoço.
  • Ombros: coloque-os para trás e não deixe com que tensionem a musculatura do pescoço.
  • Braços: eles acompanham o movimento, de preferência com os cotovelos flexionados a 90 graus, para evitar que as mãos inchem.
  • Barriga: contraia bem os músculos do abdômen enquanto caminha, como se levasse o umbigo em direção às costas. Além de trabalhar a região, você melhora a postura.
  • Pés: sempre que pisar, apóie primeiro o calcanhar no chão e então desenrole o pé. O tamanho da passada não deve ser nem muito curto nem muito longo. Dê passos macios, para não machucar os ossos da canela.

Pequenos cuidados para uma caminhada mais eficiente

girl-489113_640

  • Use roupas leves e escolha um tênis confortável, com sistema de amortecimento. Prefira modelos indicados para caminhada, cuja sola não é tão alta como nos de corrida.
  • Evite caminhar sob sol forte. Use chapéu ou boné e passe filtro solar no corpo todo, mesmo em dias nublados.
  • Nunca caminhe em jejum: se andar logo cedo, tome um suco, coma uma fruta ou uma barra de cereais e deixe o café completo para a volta.
  • Beba água antes, durante e depois da caminhada. É recomendável tomar um copo a cada 20 minutos.
  • A respiração deve ser a mais natural possível, de preferência nasal. O nariz aquece, filtra e umedece o ar. Ao respirarmos pela boca, isso não acontece.
  • Quando estiver adaptada à caminhada, não se acomode: você pode intensificar o trabalho apertando um pouquinho o passo, crescendo a inclinação da esteira, incluindo mais ladeiras no trajeto ou aumentando a duração do exercício.

Para o exercício render mais

Areia fofa = exercício turbinado
Nesse tipo de terreno, tudo bem caminhar descalça, porque o impacto é reduzido. De acordo com a fisiologista americana Therese Ikonian, na areia fofa você consume o dobro de calorias do que numa superfície dura. Além disso, como exige muito mais dos músculos, é um ótimo exercício para modelar as pernas.

girl-648937_640

Como calcular a frequência cardíaca máxima (FCM)

O que vai determinar a intensidade da caminhada é a sua frequência cardíaca. É importante monitorá-la e mantê-la dentro da faixa indicada no treino. Para isso, o primeiro passo é calcular a frequência cardíaca máxima (FCM), subtraindo a sua idade de 220.

Se tem 20 anos, FCM: 220 – 20 = 200. Para andar entre 60% e 70% da FCM, faça o cálculo: se a sua FCM for 200, a conta é 200 x 0,6 (120) e 200 x 0,7 (140). Isso significa que terá que manter o batimento cardíaco entre 120 e 140 vezes por minuto. Se tiver frequencímetro, melhor. Caso não tenha, pode utilizar também a tabela de percepção de esforço abaixo.

Entre no ritmo

Conseguir falar durante o exercício normalmente é um dos sinais que indica que você está mantendo a faixa ideal de batimentos cardíacos.

tabela moderado

Plano para caminhar na praia

Quem vai passar as férias no litoral ou mora em uma cidade praiana pode apostar no treino à beira-mar. Intercalar areia dura com areia fofa e andar na água são as variáveis que deixam esse programa mais forte. Você se exercitará por menos tempo, mas os terrenos exigem mais esforço.

legs-326550_640
Não esqueça de realizar o aquecimento antes (ande 5 minutos em ritmo lento, como se estivesse passeando) e o alongamento depois, para prevenir lesões.

semana1

semana2

semana3

semana4

Plano para caminhar na rua ou na esteira

Este programa dá para fazer ao ar livre ou usando o equipamento da academia ou de casa. As ladeiras nas ruas e a inclinação na esteira vão fazer a diferença e intensificar o treino.

corridor-749475_640
Não esqueça de realizar o aquecimento antes (ande 5 minutos em ritmo lento, como se estivesse passeando) e o alongamento depois, para prevenir lesões.

1

2

3

4

De olho no cardápio

Qualquer mudança no corpo requer atenção especial à alimentação. Ou seja: não adianta adotar um programa de caminhada para secar a barriga e continuar comendo de maneira errada. Os especialistas costumam dizer que mais de 50% do resultado de um plano de emagrecimento ou de definição muscular depende do que você coloca no prato. Portanto, antes de aderir à malhação, é necessário checar se você precisa mexer no cardápio.Nada de apostar em regimes radicais, basta optar por um menu balanceado e saudável.

10 dicas para uma vida com mais movimento no trabalho

Artigo original de Minha Vida

blogging-336376_640

Passamos a maior parte do nosso dia no trabalho, e muitas pessoas ficam durante horas seguidas sentadas. Isso, ao longo dos anos, traz malefícios para a saúde, como problemas posturais, ganho de peso, problemas circulatórios, surgimento de dislipidemias (doenças relacionadas a distúrbios no sangue, como colesterol, aterosclerose) e doenças hipocinéticas (doenças relacionadas ao homem moderno, todas as doenças que o sedentarismo provoca por falta de movimento).

Incluir mais movimento o fará mais saudável, feliz e disposto no seu dia a dia, sendo possível adequar o seu trabalho a um estilo de vida mais saudável.

1-Use a escada, inicie subindo um andar de escadas, e aumente um andar a cada semana, até ir ao seu departamento sempre de escadas.

stairwell-690870_640

2-Visite mais seus colegas de trabalho na empresa, vá até eles em intervalos onde os compromissos diminuem para resolver algo que resolveria por email ou para desejar um simples bom dia, isso fará com que você ative a sua circulação, gaste calorias e melhore a sua comunicação com seus colegas.

3-Procure se levantar a cada hora, aproveite para ir ao banheiro, beba mais água, ir até a copiadora ou fique em pé ao falar no telefone.

4-Faça exercícios de alongamentos ou mesmo de fortalecimento sentado ou em pé, quando estiver ao telefone exercite suas panturrilhas elevando os pés simultaneamente, permaneça na ponta dos pés por três segundos e desça, você fortalecerá a musculatura e melhorará o seu retorno venoso.

0003092438MM-565x849

5-Desça alguns pontos, estações ou estacione mais distante do seu trabalho, assim aumentará o número de passos diários, lembre-se 10.000 passos é o ideal para sair do sedentarismo.

6-Aproveite as ciclovias, ir até o trabalho de bike é um excelente exercício para o coração, coxas, glúteos, abdome, para o corpo e mente.

7-Use o banheiro do andar superior ao seu departamento e vá de escadas.

startup-593304_640

8-Almoce mais distante, assim fará uma caminhada até o restaurante.

9-Faça as aulas de ginástica laboral, se a sua empresa oferecer. Nas aulas você aprenderá muitos exercícios de alongamento, exercícios para a postura e poderá tirar as dúvidas sobre saúde, atividade física e como sair do sedentarismo com o profissional responsável pela atividade.

10-Você poderá mesmo sentado, fazer alongamentos, espreguiçar-se o que ajuda muito na circulação e na saúde da sua coluna, fazer exercícios de respiração para relaxar e trazer mais concentração.

startup-849804_640

Importante ficar atento para as questões ergonômicas do seu ambiente de trabalho, a cadeira não pode ser nem alta nem baixa. O ideal é que os pés da pessoa fiquem acomodados no chão. O encosto precisa dar apoio para que o corpo do funcionário forme um ângulo de 90°. Para quem trabalha em frente ao computador, a tela precisa estar na linha dos olhos.

Tire suas dúvidas com o Profissional de ergonomia, o professor de Ginástica Laboral ou no departamento médico sobre a sua postura durante o trabalho. Incluir mais movimento trará muitos benefícios a sua vida, no trabalho, lazer e em sua casa.

Cinco formas de fortalecer seus pés

walking-690734_640

A força dos seus pés afeta o corpo inteiro: tornozelos, quadris, parte inferior das costas, abdômen, postura, a maneira de andar e até mesmo o espaço em seu peito, onde ficam os pulmões. Por isso, vamos lhe mostrar algumas sugestões de como mantê-los fortes e bem cuidados, afinal, preocupar-se com os pés também faz parte da manutenção da saúde.

O problema com a maioria dos sapatos

Mesmo que a maioria dos sapatos sejam projetados para desempenho, proteção, limitar o excesso de pronação (curvatura côncova) e, claro, moda, eles não levam em conta alguns fatores de saúde muito importantes.

feet-717507_640

Um desses fatores é o dedo do pé. Os sapatos muitas vezes pressionam os dedos dos pés uns contra os outros, o que pode enfraquecer os músculos e afetar a saúde do nervo.

Outro problema são as solas grossas com abundância de amortecimento. Embora muito confortáveis, elas podem reduzir a entrada dos nervos sensoriais nos pés, afetando seu equilíbrio e sua “sensação” das superfícies em que está andando.

baby-718146_640

Na maioria dos sapatos comuns, ter os calcanhares elevados torna mais difícil manter uma gama adequada de movimentos dos tornozelos. Isso coloca mais pressão sobre seus quadris, joelhos e região lombar (os saltos altos são os causadores de grande parte dos problemas nessas regiões).

E, por último, os modelos arqueados criam uma situação em que o apoio frontal do sapato faz todo o trabalho de equilíbrio, ao invés dos músculos, ligamentos e arco natural dos pés. O resultado disso é: se você quiser, por exemplo, caminhar na praia com os pés descalços, praticar um esporte que exige saltos e aterrissagens ou correr por um longo tempo, os seus músculos e arcos não estarão preparados para tanto e você sentirá dores no pé.

Então, para evitar todo esse drama, aqui estão cinco dicas rápidas de práticas que você aplicar para manter seus pés mais fortes:

Dica 1: Andar em superfícies irregulares

barefoot-504140_640

Olhando para o nosso ambiente natural, vemos rochas, montanhas, terra suave e batida, aclives­­, declives e uma variedade de outras ondulações de terreno. São situações que desafiam os ângulos articulares dos tornozelos, joelhos, quadris, pequenos ossos, ligamentos e músculos dos seus pés.

Mesmo não usando um sapato adequado, nem andando descalço, experimentar uma caminhada por terrenos irregulares já é um passo inicial para se aventurar em superfícies naturais, fora do concreto e pavimento.

Por exemplo, opte por realizar uma corrida ou caminhada pelo cascalho, terra ou areia ao invés de manter-se pelo caminho pavimentado.

Dica 2: Esticar os dedos do pé

feet-684682_640

Já que os dedos do seu pé ficam constantemente comprimidos dentro de um sapato (e, muitas vezes, tem sido assim por anos), você precisa estica-los em direção aos espaços entre eles. Para isso, você pode usar as mãos para esticar cada um, entrelaçar os dedos das mãos e dos pés ou você pode comprar separadores de manicure ou meias com encaixes especiais para os dedos (aquelas meias de dedinhos), para que ela faça esse trabalho de separação enquanto você está parado ou dormindo.

Dica 3: Fortalecer seus pés

Há várias maneiras de deixar os pés mais fortes, mas este método é bastante simples e direto: fique sobre uma perna só em toda oportunidade que puder (no trabalho, escovando os dentes, cozinhando etc.).

Com o tempo de prática, vá buscando o progresso, dificultando o exercício ficando em uma perna em superfícies irregulares, como um pequeno rolo de meias, depois em uma toalha enrolada, depois uma toalha, um travesseiro ou um tapete de espuma densa, tipo um tatame.

Dica 4: Rolar os pés

wooden-ball-214396_640
Use uma bola de tênis, de madeira ou de fisioterapia para rolar em círculos sob cada pé, em intervalos aleatórios durante o dia. Isso ajuda a relaxar e ativar todas as partes dos seus pés.

Quando acontecer de você ficar estar sentado por longos períodos de tempo, como em voos ou viagens de carro, de vez em quando, tire os sapatos e faça uma massagem rápida de 5 minutos nos pés.

tennis-ball-71119_640

Pressione profundamente seus pés, entrelace os dedos com os das mãos e empurre seus dedos para cima a fim de esticar bem os músculos e tendões. Em outras palavras, seja seu próprio massagista!

Dica 5: Ter sapatos minimalistas

Procure ter algumas opções de sapatos minimalistas, que permitem que seus pés sintam as diferenças de texturas entre os terrenos e também os proteja de corrosões.

Se possível, tente trocar toda a sua sapateira de convencionais para esses modelos menos invasivos, fazendo uma transição lenta e gradual para que você não sofra lesões musculares ou fraturas por estresse de um pé “destreinado”.

Fonte Quick and Dirty Tips
Tradução livre de autoria do blog.