Tag: detalhes

Observar-se é essencial para a prevenção

Observar-se é essencial para a prevenção

Com o final do ano se aproximando e após dois meses seguidos de campanhas super-relevantes na prevenção contra o câncer em homens e mulheres, Novembro Azul e Outubro Rosa, vale refletir e analisar sobre cuidados que podemos adotar no dia-a-dia com relação à saúde e bem-estar.

Você tem se olhado no espelho? Quanto tempo faz que você não para, de fato, por alguns minutos e se observa? Procurando por alterações no corpo, manchas, dores, áreas mais sensíveis e texturas diferentes na pele, por exemplo. A velocidade com que a vida caminha, muitas vezes, nos domina e não nos permite perceber o quão importante é autocuidado.

Quem nunca acordou numa manhã com o tempo cronometrado para tomar um banho rápido, se arrumar correndo, tomar um gole de café e partir para o trabalho?! Sem falar naquelas pessoas que saem de casa em jejum mesmo. É ou não é?!

Alimentar-se bem, consciente do que está consumindo e não apenas comendo o que é mais rápido, também é essencial para a manutenção ideal do corpo e da saúde, assim como diminuir e consumo de sal e de açúcar, de bebidas alcoólicas e manter uma rotina de atividades físicas.

Que tal incluir o desafio de cuidar-se mais, e melhor, nas suas resoluções de ano novo? Esses pequenos detalhes são tão importantes e podem prevenir doenças, menos e mais severas, como o câncer, e outros males que podem ser resolvidos se descobertos no início.

Pense nisso e, se for preciso, renove seus hábitos e atitudes.

Esquecer das coisas melhora nossa capacidade de tomar decisões

Conteúdo original Super Interessante

Deixar o que passou para trás e focar em coisas mais recentes é um exercício constante para nosso cérebro. Por conta dessa postura desapegada da central de comando é que você não se lembra do momento em que começou a andar – mas não esquece nenhum caractere da senha da conta bancária e se lembra de entregar um relatório para o dia seguinte.

O que pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, queriam descobrir era a influência disso em nossa capacidade de fazer escolhas e focar no que realmente importa. Segundo o estudo, publicado no jornal Neuron, nossa memória funciona não para que guardemos mais coisas durante o tempo, mas sim para tomarmos decisões mais inteligentes.

“Se seu cérebro se manter constantemente trazendo memórias conflitantes, isso torna mais difícil para você fazer uma decisão mais racional”, explica Blake Richards, um dos líderes do estudo.

Se nos lembrássemos com detalhes de todos os momentos da vida, teríamos de carregar memórias muito complexas. A tarefa do cérebro é simplificar essas memórias, fazendo com que fique apenas o necessário. Isso nos torna mais eficientes em fazer previsões e lidar com novas experiências.

Isso é vital para nossa adaptação em diferentes ambientes. Lugares que estão sempre em mudança fazem que precisamos nos lembrar menos. Para alguém que trabalha como caixa de supermercado, por exemplo, lembrar dos nomes dos clientes por alguns dias já está de bom tamanho. No entanto, um designer que está fechando um projeto com um grupo de clientes que encontra todo dia, tem a obrigação de levar seus nomes na ponta da língua.

A partir disso, os pesquisadores acreditam que coisas pontuais são esquecidas de forma mais rápida do que informações que temos de recorrer diariamente. Ou seja: se você não usa, você perde. E isso não é nem um pouco ruim – pelo menos no que diz respeito àquilo que você escolhe guardar.

Beleza gera mais beleza? Quando olhamos para o belo do cotidiano trazemos o melhor para dentro de nós

Texto de Rosane Queiroz

roses-56702_640

“Fui assaltada. Pela beleza. Era uma terça-feira luminosa, por volta de 11h. Parei o carro no farol vermelho, com o vidro aberto. Um homem, segurando quatro buquês de rosas na mesma mão se aproximou e, como quem aponta uma arma, ostentou aquele mar de rosas, bem diante do meu nariz. Deu para sentir o perfume. “São lindas!”, comentei.
O farol abriu e segui em frente, com um sorriso. Senti que o vendedor quase me ofereceu um ramalhete de presente, pelo encanto que as flores despertaram em mim. A beleza de algo ou alguém talvez possa ser medida assim, pelo tamanho do impacto e deleite que provoca. A imagem daquelas flores robustas, envoltas em celofane, me acompanhou até em casa.
roses-194110_640
Ao chegar, o encanto se quebrou. Abri o laptop e, no meu feed de notícias, uma amiga dizia: “Eu não quero ver um homem sendo queimado vivo!”, referindo-se a mais um vídeo-barbárie dos terroristas islâmicos, exibido nas redes sociais naquela semana. Entre o horror e as rosas, lembrei do que tinha ouvido há poucos minutos: “Ver o belo é um treino e uma escolha”, disse o professor Basilio Pawlowicz, filósofo e cofundador da Associação Palas Athena, organização sem fins lucrativos que tem como missão aprimorar a convivência humana por meio da articulação  de culturas e de saberes diferentes. Bonito, não?
Professor Basilio, um doce senhor de olhos azuis, sotaque argentino e fala suave, confessa que todos os dias pela manhã se deprime “un poquito” ao ler os jornais. “As feiuras do mundo são mais do que evidentes. Resgatar o belo é uma necessidade imperiosa. Mas onde ele está?”, o filósofo mesmo se pergunta.
Bem-humorado, se declara compadecido com minha dura tarefa de buscar o significado da beleza e traduzi-la em palavras. “A clareza do jornalista é uma gentileza para o leitor. Sem beleza, ninguém lê nada”, ele desafia. “Pergunte a um sapo o que é belo e ele dirá que é sua fêmea. Pergunte a mesma coisa a um filósofo e ele responderá com um imbróglio”, brinca, citando Voltaire. Para sair do “imbróglio”, três parágrafos depois, vamos à beleza que mora na filosofia. Não há como fugir do feio, concordamos eu e o sábio Basilio.
 rose-600598_640
Somos produtos desse tempo, portanto, possuímos as virtudes e defeitos dele. Reconhecer a existência da feiura, e, no entanto, optar bela harmonia (sem se alienar), é um caminho possível. Imagine: “Se alguém lhe oferece um prato de comida estragada, com mau cheiro, o que faz? Vai comer? Você é o resultado daquilo com o que se alimenta. Da qualidade dos pensamentos depende a qualidade da nossa vida. Se nos comprometemos apenas com as fealdades do mundo, enxergando apenas o que há de ruim, também nos tornamos feios, deprimidos, cúmplices dos horrores”, diz o professor. (…)”
water-180116_640
Pense nisso e cerque-se do que é belo. Aguce seus sentidos para enxergar aquilo que realmente pode ser capaz de preencher a sua alma e o seu espírito!
Boa semana!