Publicado em Saúde e Bem-estar

Testado: Minha experiência com a Desodalina

Muito raramente me utilizo de textos em primeira pessoa para postagens por aqui, mas neste caso é essencial, pois vim contar uma experiência. Há alguns meses (e até recentemente tive o estoque renovado), recebi uma remessa do termogênico Desodalina, da Sanibras, em parceria com a loja Bom Suplemento.

A postagem apresentando o produto e benefícios está disponível aqui.

Fiz o uso durante alguns meses, consumindo em diferentes condições e dosagens, para conseguir perceber o resultado e efeitos no meu corpo. A conclusão é: funcionou sim para mim, principalmente quando aliado à alimentação equilibrada e prática de atividade física.

Estou agora em um protocolo de perda de gordura, com dieta bem balanceada, sem açúcares e baixo carboidrato, treinando de cinco a seis vezes por semana e a Desodalina tem me ajudado na aceleração do metabolismo e no controle da ansiedade. Mesmo quando não estava na rotina regrada de alimentação e exercícios, senti que o suplemento reduziu bastante aquela sensação de querer comer o tempo todo, sabe?! Eu diminui a frequência de beliscos, em especial no período da tarde.

A realidade é aquilo que a gente já sabe, mas fica procurando soluções alternativas para não encarar: não existe milagre! Nenhum suplemento vai funcionar sozinho e “fazer” você emagrecer, se não houver empenho e redução de ingestão de calorias. Para emagrecer é preciso gastar mais do que estoca, não tem jeito! E para isso, mexer-se com regularidade e comer comida de verdade (frutas, verduras, legumes, cereais e beber água) é primordial.

A Desodalina não terá efeito considerável se você comer desordenadamente. Ela vai agir queimando ‘x’ quantidade de gordura e se você ingerir ‘2x’ mais gordura, o efeito acabará sendo vencido, entende?! Assim como qualquer outro suplemento, que tem a função real de auxiliar e não de trabalhar sozinho.

Em geral estou muito satisfeita com o resultado, ainda mais agora que estou entrando firme na terceira semana do meu protocolo e já percebo resultados visíveis em redução de medidas e aumento de resistência física. Não senti qualquer efeito colateral ou alteração negativa durante o teste, mas recomendo a consulta com um profissional da área médica e/ou nutricional.

É um produto que funciona para mim e realmente se tornou um aliado no meu trabalho diário por um objetivo específico. Pode ser que funcione para você também, ou não, e daí a importância da orientação profissional. Se você achar que vale a pena, busque auxílio, leve a embalagem do produto, trace uma meta e siga firme, que o resultado vem!

Quem já experimentou e/ou faz uso, tem dúvidas ou considerações a fazer, deixa seu comentário, compartilhe sua opinião! 😉

Anúncios

Receita: “Queijo” vegano de mandioca

Receita de Cozinha Fit e Fat

  • 200g de mandioca cozida
  • 2 colheres (sopa) de água mineral
  • 1 xícara de polvilho doce
  • 1 xícara de polvilho azedo
  • 1 colher (chá) de fermento biológico (para pão)
  • ½ colher (café) de açafrão ou cúrcuma
  • Sal rosa e pimenta preta a gosto
  • 3 colheres (sopa) de azeite de oliva
  • 1 colher (sobremesa) de orégano
  • ½ suco de limão
Reprodução Cozinha Fit e Fat

Preparo:

  1. Em uma tigela, prepare o purê da mandioca, amassando-a e adicionando a primeira quantidade de água.
  2. Em uma tigela grande, despeje todos os ingredientes (inclusive o purê) e misture.
  3. Vá adicionando a água para dar o ponto do queijo, pouco a pouco. O ponto ideal é uma massa levemente elástica e que desgruda das mãos.
  4. Obs: é importante lembrar que a quantidade de água para dar o ponto ideal varia de acordo com o tipo de vegetal e com a consistência do purê.
  5. Unte com azeite uma tigela (ou tigelas pequenas), coloque a massa e molde. Cubra com plástico filme (pvc) e reserve na geladeira, por no mínimo, 2 horas antes de servir.
Publicado em Receitas

Receita: Chocotone Low Carb

  • 6 ovos;
  • 250 gramas de farinha de amêndoas;
  • 150 gramas de xilitol;
  • 1 colher de chá de goma xantana;
  • 2 colheres de sopa de fermento químico;
  • 1 colher de sopa de essência de panetone;
  • 100 gramas de chocolate 70% cacau;
  • 50 gramas de avelãs.
Modo de preparo:
  1. Em um recipiente e com o auxílio de um fouet, bata bem os ovos.
  2. Acrescente o xilitol, goma xantana, fermento e a essência, bata bem até que fique espumoso.
  3. Acrescente a farinha, chocolate, avelãs e com uma espátula mexa até incorporar todos os ingredientes.
  4. Disponha em forminhas de panetone (ou 1 de 500g, ou 6 de 100g). Eu fiz as pequenas e assei em forno pré aquecido à 200°C por 10 minutos, mais 20 minutos à 170°C.

Observação: Essa receita pode ser a base para a do panetone tradicional. Ao invés do chocolate, use frutas secas. Além disso, pode ser saborizada com raspas de limão, laranja ou rum.

Publicado em Alimentação

Os 10 desafios da nutrição no Brasil

Nunca se falou tanto em alimentação saudável. Ainda assim, nossa população segue ganhando peso, apresentando déficit de micronutrientes e sofrendo com doenças crônicas. Para virar o jogo e colocar a dieta a nosso favor, é preciso investir nas medidas abaixo:

1. Aumentar o consumo de vegetais

Frutas, verduras e legumes são um poço de virtudes nutricionais. Reúnem vitaminas, minerais, fitoquímicos e fibras. Um combo que está em falta por aqui.

2. Elevar a ingestão de água

Tem uma porção de gente recorrendo a sucos, refris e afins para se hidratar. Mas esse papel é da água mineral. Sem ela, o corpo sofre. Adultos deveriam tomar de 1,5 a 2 litros por dia.

3. Incrementar a luta contra a obesidade

Segundo o Ministério da Saúde, o número de obesos em nosso país cresceu 60% nos últimos dez anos. E o peso extra está associado a um monte de doenças sérias.

4. Diminuir o uso de sal

Enquanto a indicação é consumir, no máximo, 5 gramas do tempero por dia, o brasileiro passa do dobro disso. Resultado: a pressão decola e, muitas vezes, nem dá sintoma.

5. Frear o exagero no açúcar

Esse é outro ingrediente que, desde a infância, aparece demais na dieta — até porque altas doses estão em itens industrializados. O perigo é que ele patrocina a obesidade.

6. Melhorar os rótulos dos produtos

Grande parte das pessoas não sabe que exagera em sal, açúcar e gorduras simplesmente porque não compreende direito as informações da embalagem.

7. Contestar radicalismos

A exclusão desnecessária de certas substâncias, como glúten e lactose, pode ser prejudicial. Sem falar que os efeitos das dietas da moda dificilmente se sustentam.

8. Dar destaque aos alimentos regionais

Eles deixam a dieta mais diversificada e nutritiva. Sem falar que os pratos típicos estimulam a memória afetiva. E comer com prazer é fundamental para comer direito.

9. Evitar o desperdício de comida

Cascas, talos, sementes e folhas costumam parar no lixo. Ocorre que essas partes são ricas e rendem receitas saborosas. É hora de aprender a usá-las.

10. Combater a desnutrição hospitalar

Eis um problema que atinge muita gente que está ou esteve no hospital. E cobra medidas urgentes, inclusive porque torna a recuperação mais rápida.

Conteúdo Saúde Abril

Publicado em Alimentação

Conheça os benefícios da graviola

No calor, sucos são boas pedidas para refrescar e, de quebra, garantir benefícios à saúde. Para variar a dieta, uma fruta que tem despertado a atenção de especialistas é a graviola.

“Estudos recentes apontam a graviola como um eficiente agente no fortalecimento da imunidade e também no combate dos radicais livres, que envelhecem precocemente o organismo e provocam doenças”, diz Dra. Paula Vasconcelos, nutróloga do Espaço Volpi, em São Paulo. Isso acontece por conta da acetogenina, que tem papel semelhante à vitamina C, também presente na fruta.

Outro benefício da fruta é a melhora da circulação sanguínea. “Por ser rica em potássio, ela ajuda a manter estável a circulação sanguínea, sendo assim aliada na redução da pressão arterial”, ressalta a nutróloga.

Números

De índice glicêmico baixo, uma porção de 100g tem 62kcal, mas é preciso ter um pouco de atenção já que a fruta em si pode ter mais de 3 kg. “Para não haver exagero, a recomendação é consumir 200g da fruta in natura”, orienta a profissional.

Para quem não está acostumada com a fruta, a dica é misturar a porção com iogurte, já que a graviola é ácida e um pouco azeda.

Se preferir consumir como suco, a gente te dá uma receitinha bem prática:

Foto Green Me
  • 1/2 graviola madura;
  • 5 folhas de hortelã lavadas;
  • 1 copo de água filtrada;
  • cubos de gelo;
  • 1/2 xícara de couve.
Modo de preparo:

Leve tudo ao liquidificador, exceto gelo para bater bem até incorporar. Adicione gelo, misture bem e sirva em seguida.

Conteúdo original Women’s Health Brasil

Publicado em Alimentação

Sugestões para deixar o lanche dos diabéticos mais saudável

Pequenas mudanças no cardápio podem fazer uma grande diferença na saúde de quem tem essa doença. “Alimentação não é sinônimo de proibição, mas de inclusão de itens simples e saudáveis”, opina a nutricionista e chef Flora Spolidoro, da Day by Diet, em São Paulo.

Ao seguir as dicas abaixo, você vai ver que “sucumbir” ao apelo da fome no meio da tarde não significa um descuido com seu corpo. Pelo contrário! Olha só:

Sucos por água aromatizada

A sugestão da nutricionista Renata Juliana da Silva, da Universidade de São Paulo (USP), é enriquecer a água mineral com frutas frescas (laranja, limão, lichia, kiwi…), ervas aromáticas (menta, hortelã e erva-doce), raízes (gengibre) e especiarias (anis, cravo e canela em pau). Além de ser uma alternativa ao suco, a mistura hidrata e dispensa o uso de açúcar ou adoçantes. Faça um rodízio com os ingredientes de sua preferência para não enjoar.

Barrinha de cereais por mix de oleaginosas

Algumas marcas de barras de cereal carregam no açúcar e no sódio e, pra piorar, apresentam poucas fibras. Ao optar por um mix de castanhas, amêndoas e nozes, você garante antioxidantes e gorduras que atuam em prol do coração. Mas contente-se com um punhado, já que esses itens são calóricos.

Bolacha recheada por mix de frutas desidratadas

Os biscoitos com recheio estão entre os produtos que ainda podem concentrar gordura trans – ou, como substituta dela, a versão saturada. Então, a dica é trocá-los por frutas secas, caso do damasco e da uva-passa, que entregam minerais como zinco, aliado da imunidade. O único senão é o grande aporte de calorias.

Tapioca com manteiga por tapioca recheada com queijo magro

A massa é, basicamente, fonte de carboidrato – nada muito diferente do pão branco. Para tornar a tapioca uma opção bacana, o segredo é caprichar na qualidade do recheio. Queijos magros, caso do cottage, e frutas picadas são exemplos de ótimos parceiros para equilibrar a glicemia.

Conteúdo Saúde Abril