Tag: efeito

O vinho tinto ajuda você a viver mais? Eis o que a ciência diz

O vinho tinto ajuda você a viver mais? Eis o que a ciência diz

Texto traduzido de artigo original em inglês publicado em Time

Na década de 1990, alguns pesquisadores observaram que os franceses – apesar de comerem muita gordura saturada – tendiam a ter baixas taxas de doenças cardíacas . Dublando esse fenômeno, o “paradoxo francês”, os pesquisadores especularam que o consumo regular de vinho poderia proteger seus corações de doenças.

Um pouco mais tarde, no início dos anos 2000, as evidências começaram a se acumular, amarrando padrões de consumo e de consumo no estilo mediterrâneo, com maior longevidade. Um componente dessas dietas que chamou muita atenção foi o consumo de vinho – vinho tinto, em particular.

Mesmo entre as pessoas com dietas saudáveis ​​no Mediterrâneo, as que também bebiam vinho regularmente e em quantidades moderadas – um copo ou dois por dia, geralmente vermelho e nas refeições – viviam mais, concluíram alguns pesquisadores . Um estudo descobriu que homens italianos de meia-idade que bebiam até cinco copos de vinho por dia – em grande parte, o tinto – tendiam a viver mais do que os homens que bebiam mais ou menos álcool.

Quase 30 anos se passaram desde que os primeiros estudos sobre o “vinho tinto é bom para você” vieram à tona. Embora algumas pesquisas mais recentes sobre a gordura saturada façam com que o paradoxo francês pareça um pouco menos paradoxal – isto é, há algum desacordo sobre se o saturado é realmente insalubre -, o interesse público e científico pelos benefícios da longevidade do vinho tinto ainda é forte. Infelizmente, a evidência que sustenta esses benefícios é mista.

As descobertas são inconsistentes, mas os pesquisadores estão procurando explicações. “Tem sido difícil descobrir por que pequenas quantidades de álcool parecem estar relacionadas com diminuições em várias doenças”, diz Aaron White, um conselheiro científico sênior do Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo. Enquanto o vinho tinto tem recebido muita atenção, ele diz que há evidências de que qualquer tipo de álcool, desde que seja consumido com moderação, pode conferir benefícios à longevidade.

“O álcool pode ser benéfico através de mecanismos biológicos como o aumento do colesterol HDL [saudável], afetando os mecanismos de coagulação e plaquetas, ou [tendo] efeitos no sistema vascular”, diz a Dra. Claudia Kawas, professora de neurologia da Universidade da Califórnia. Irvine, cuja pesquisa descobriu que alguns dos adultos mais velhos tendem a beber álcool com moderação.

Mas um dos desafios na avaliação dos efeitos do vinho tinto na saúde (ou qualquer outro tipo de álcool) é o fato de que outras variáveis ​​do estilo de vida podem confundir as evidências. Por exemplo, um estudo de 2006 publicado no BMJ examinou as compras de mantimentos das pessoas e descobriu que os consumidores de vinho tendiam a comprar alimentos mais saudáveis ​​do que os bebedores de cerveja. Se o bebedor de vinho médio come mais saudável do que a maioria, isso poderia explicar alguns dos benefícios da longevidade ligados ao vinho.

“Pode ser que a associação não tenha nada a ver com o consumo de álcool, mas sim com coisas que podem viajar junto com o consumo de álcool”, diz Kawas. As pessoas que bebem álcool podem simplesmente socializar mais, ela sugere, o que traz benefícios para a saúde, e elas podem não ter doenças que desencorajem o consumo de bebida. Estas são todas as explicações possíveis para a ligação entre longevidade e consumo de álcool.

Mas existem alguns componentes exclusivos do vinho tinto – que não são encontrados em outros tipos de álcool – que podem ser especialmente saudáveis.

O vinho tinto é embalado com compostos bioativos, incluindo vários flavonóides e fenóis, que a pesquisa vinculou independentemente a vários benefícios para a saúde. Em particular, muitos dos estudos do vinho tinto concentraram-se nos efeitos do resveratrol, um composto encontrado na casca das uvas. “A concentração de polifenóis, e mais especificamente o resveratrol, é dez vezes maior no vinho tinto do que em outras bebidas alcoólicas”, diz o Dr. Adrian Baranchuk, professor de medicina da Universidade Queen’s, no Canadá e co-autor do estudo Circulation 2017.

Estudos associaram o resveratrol à melhoria da saúde e longevidade do coração e há evidências de que o resveratrol possa combater a inflamação e ajudar a melhorar a saúde do sangue. Mas muitas dessas evidências vieram de modelos animais ou de laboratório, e algumas pesquisas em humanos não conseguiram encontrar nenhum efeito do resveratrol.

Ainda assim, concentrar-se em compostos específicos de vinho tinto pode abrir brecha para falhas. “Existem centenas de produtos químicos diferentes em bebidas alcoólicas e pode ser o efeito líquido desses produtos químicos, tanto quanto o próprio álcool [que fornece um benefício]”, diz o Dr. Paul Gow, um médico de transplante de fígado da Austrália. que examinou a pesquisa sobre vinho tinto e saúde. Gow diz que o vinho tinto parece estar associado ao “maior benefício”. Mas, novamente, as descobertas são conflitantes.

“É totalmente possível que o consumo de vinho tenha alguns benefícios adicionais”, diz White. “Mas é uma questão complicada e tem sido difícil extrair respostas.” Neste ponto, ele diz que não há dados suficientes para recomendar que os consumidores mudem para o vinho tinto – ou que os não-bebedores utilizem álcool para prolongar sua vida. “Apesar de centenas de estudos”, acrescenta ele, “há coisas que simplesmente não sabemos”.

Felicidade express: truques para levantar o astral em 30 segundos

Conteúdo original El País

dog-690176_640

Todos temos nossos dias ruins. Portanto, saber como se animar é importante. Escolher o momento de meditar na montanha ou suar numa corrida não são uma boa opção, é melhor descobrir truques simples para levantar o astral sem a ajuda de ninguém. A boa notícia é que poucos segundos podem mudar tudo, até mesmo nosso humor.

A médica norte-americana Jill Bolte dedicou toda sua carreira ao estudo da doença mental e como isso se reflete no cérebro. Em 1996, a própria neuroanatomista sofreu um derrame grave que a levou a se aprofundar ainda mais na autoconsciência. Chegou à conclusão que cada um de nós tem “o poder de escolher a cada momento quem é e como quer ser no mundo”. Bolte aconselha “virar à direita do hemisfério esquerdo e, simplesmente, sentir”, já que as emoções “vão passar sozinhas”. Especificamente, chegou a quantificar o tempo das emoções em 90 segundos, período de duração de uma exaltação.

Embora seja reconfortante saber que seja uma questão mental, o que podemos fazer quando não dispomos sequer de um minuto e meio para mudar o chip? Como enfrentar os fantasmas de nosso próprio cérebro quando este se torna nosso inimigo? Aqui estão algumas dicas para levantar o astral e se transformar nesse autocheerleadertão necessário quanto eficaz.

1. Sorrir

laughter-775062_640

É tão simples quanto mover os músculos da boca para cima. O Aurélio define o termo assim: “Rir sem gargalhada, fazendo apenas um pequeno movimento com os lábios”. Vale a pena tentar, porque a postura influencia diretamente a emoção. Foi uma das suposições de Charles Darwin e, posteriormente, endossada por eminentes psicólogos da Universidade Harvard como William James, que chegou a afirmar que “se a pessoa não expressa emoção, não consegue senti-la”. É o que se chama de feedback facial, segundo o qual “as expressões faciais estão conectadas com o que sentimos”.

2. Contar uma piada sobre sua tragédia

Funciona porque facilita a mudança de atitude. A ideia foi proposta na Terapia Racional Emotiva, de Albert Ellis. Esse psicólogo norte-americano, considerado um dos mais influentes da história, propôs algumas técnicas terapêuticas em sua época que continuam muito atuais e que fazem uso de piadas e hipérboles como fórmula “aniquiladora de bobeiras”. Nada como exagerar as próprias misérias e verbalizá-las para que se perceba o quão ridículas são. Com essa fórmula, podemos ter pensamentos catastróficos tais como: “É terrível”, “Ai meu Deus” ou “Não posso continuar assim”.

3. Enviar um emoticon para um amigo

smiley-648653_640

Ou uma foto que ele goste, um link para uma música, um simples “olá, o que você está fazendo?”. A solidão, às vezes tão necessária, também nos coloca para baixo, de acordo com vários estudos. Portanto, uma forma de combater a infelicidade é socializar. Se não temos à mão o nosso melhor amigo, sempre é possível usar a tecnologia. Nem tudo resulta num mau uso de nossos gadgets.

4. Dar o lugar no metrô

Dar um passo além do social e se mostrar útil tem um efeito muito positivo sobre os outros, mas também em nós mesmos. Na verdade, vamos nos tornar mais felizes do que sendo hedonistas, como expressaram vários psicólogos norte-americanos em um artigo na revista Journal of Research in Personality. Seus dados coincidem com alguns preceitos da Psicologia Política, segundo a qual estar envolvido nas próprias crenças aumenta o bem-estar. Aqui seria necessário dar um passo além e ultrapassar os 30 segundos, para se envolver com uma ONG ou um partido político com ideias afins. Os ativistas, de acordo com os testes citados, relatam sentir uma maior vitalidade do que aqueles que não assumem compromissos idealistas.

5. Comer doces

lollipops-602441_640

Embora este conselho deva ser avaliado com cuidado caso você tenha tendência a hábitos compulsivos, há uma razão emocional para comer ou para devorar doces. Ouve-se muito a questão de “comer por ansiedade ou ansiedade por comer”, sem saber muito bem quem vem antes, o ovo ou a galinha. Embora a ingestão excessiva de comida seja um sintoma de que algo está errado, uma das razões pelas quais comemos sem fome é que, enquanto fazemos isso, não ficamos ansiosos. Por definição, comer é uma resposta antagônica da ansiedade, como o próprio sexo. Essa é a explicação do professor de psicologia Antonio Cano Vindel, presidente da Sociedade Espanhola para o Estudo da Ansiedade e do Estresse (SEAS). Adotando esse conselho com cautela, um docinho de vez em quando pode muito bem poupar-nos de algum desgosto em alguns momentos. Já o orgasmo demora um pouco mais…

6. Comprar de mentirinha na Internet

É um dos grandes clichês consumistas, mas existem poucas coisas tão eficazes para levantar o astral. Até que ponto o mito das compras é sustentado cientificamente? Estudos sobre a psicologia do varejo são quase infinitos, e sabemos que os norte-americanos, por exemplo, passam até seis horas por semana comprando. Embora a etiologia da compra compulsiva não esteja totalmente clara, os estudiosos do assunto a relacionam com a dopamina; e neurocientistas como Olsen descobriram em 2011 que fazer compras ativa as mesmas regiões cerebrais que as drogas. Como aplicar esses preceitos para nos sentir bem, sem cair na ruína da compra por impulso? Tão simples quanto realizar uma compra on-line e não concluí-la ou cancelá-la depois: enganaremos o cérebro, que sentirá a compra como sendo real, mas sem a cobrança no extrato do nosso cartão de crédito.

7. Anotar, em uma frase, algo bonito de sua vida

postiti-368855_640

A expressão de gratidão é um dos pilares da psicologia positiva, recentemente muito utilizada em coaching. Trata-se de “focar no momento presente para apreciar sua vida como ela é, sem considerar as coisas como definitivas e analisando os benefícios e bênçãos que temos agora”. É uma das dicas de Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia, autora do livro A Ciência da Felicidade.Lembrar-se (ou anotar) dois ou três aspectos positivos da nossa existência levará apenas alguns segundos e, em troca, provocará resultados positivos impressionantes em nosso humor.

8. Assista ao vídeo de um gato

O grande fenômeno viral de ficar vendo vídeos curtos de doces bichinhos não é aleatório, e foi comprovado por uma professora da Universidade de Indiana. Jessica Gal Myric decidiu analisar a razão por que os vídeos de gatos fascinam os internautas. Para realizar o estudo, entrevistou cerca de 7.000 pessoas com o objetivo de descobrir por que, em 2014, mais de dois milhões de vídeos de gatos foram postados no YouTube, somando até 26 bilhões de visualizações e vencendo por goleada outras categorias. Uma de suas conclusões foi que os fãs desses vídeos relataram sentir mais energia e positividade, ao mesmo tempo que diminuía o estresse emocional.