Tag: grãos integrais

Como baixar o açúcar no sangue

Como baixar o açúcar no sangue

A maneira mais direta de impactar os níveis de açúcar no sangue é através da dieta saudável. Os níveis de açúcar (ou glicose) são diretamente afetados pelos alimentos que comemos; os carboidratos são prontamente convertidos em glicose, entrando na corrente sanguínea e tornando-se açúcar no sangue.

É importante fazer as escolhas alimentares corretas para minimizar o risco de açúcar elevado e potencialmente desenvolver diabetes tipo 2. Em vez de uma dieta, pense nessas estratégias como mudanças no estilo de vida.

Consumir os carboidratos certos

O corpo converte os carboidratos consumidos em glicose para ser usado como energia. Os carboidratos são tão facilmente convertidos em glicose, que alimentos ricos em neste nutriente têm o maior impacto sobre os níveis de açúcar no sangue (que normalmente aumentam após uma refeição rica em carbos). Quando você consome constantemente muito açúcar, o pâncreas secretará insulina extra; e, com o tempo, não pode produzir o suficiente para manter a glicose em níveis normais.

Uma maneira de manter o nível saudável de açúcar no sangue é simplesmente comer o tipo certo de carboidrato. Assim como as calorias – nem todos os carboidratos são iguais. Cada fonte tem um índice glicêmico (IG), que mede como a relação da glicose no sangue é afetada.

Fontes de carboidratos com um índice glicêmico de 55 ou menos digerem lentamente, causando um aumento menor e mais lento da glicose. Comumente, eles são referidos como “carboidratos complexos”. Fontes de carboidratos com índice IG mais próximo de 100 são consideradas “carboidratos simples”, e quebrados rapidamente para serem usadas como energia.

Itens açucarados, por serem mais processados, perdem toda a fibra natural, e são rapidamente metabolizados em glicose. Grãos integrais, por outro lado, tem um menor índice glicêmico e ajudam a controlar os níveis de açúcar dentro do normal. Alimentos com baixo índice glicêmico incluem carnes, aveia, feijão, lentilha, legumes, batata doce, milho, inhame, algumas frutas e todos os vegetais sem amido.

Aumentar a ingestão de fibra

A fibra pode auxiliar no controle dos níveis de açúcar. Nos diabéticos, a fibra solúvel pode retardar a absorção de açúcar e ajudar a melhorar os níveis no sangue, controlando os picos de glicose e insulina. Se você tem (ou está em risco de) diabetes tipo 2, a introdução de alimentos ricos em fibras em sua dieta pode contribuir e muito.

As recomendações para a ingestão de fibra varia conforme a faixa etária, já que os requisitos de energia são diferentes durante as diversas fases da vida.

  • Crianças: 1 a 3 anos: 14 gramas; 4 a 8 anos: 16,8 a 19,6 gramas; 9 a 13 anos: 22,4 a 25,2 gramas;
  • Adolescentes: 14 e 18 anos: 25,2 a 30,8 gramas
  • Adultos: Homem: 34 gramas; Mulher: 28 gramas

Monitore a ingestão de alimentos

Estar obeso ou acima do peso tem sido associado ao alto nível de açúcar no sangue e ao aumento do risco de diabetes. Goste ou não, uma das melhores maneiras de perder peso é através de um déficit calórico, ou seja, consumindo menos energia do que você gasta.

O controle das quantidades pode ser difícil, mas embora não tão precisos, estudos mostraram que o controle de porções tem sido uma maneira eficaz de ajudar as pessoas a perder peso. Algumas das melhores maneiras de facilitar incluem:

  • Use uma balança de alimentos : pode ser difícil determinar com precisão a ingestão calórica sem determinar as porções exatas
  • Aprenda a ler os rótulos dos alimentos : você deve aprender a ler as porções para registrar com mais precisão as refeições no seu diário alimentar.
  • Coma mais devagar : estudos mostraram que a velocidade com que você come pode ter um efeito direto sobre a obesidade, o IMC e a circunferência da cintura. Comer mais devagar pode impedir o ganho de peso.

Dicas para reduzir o açúcar no sangue

Dieta pode ser a maneira mais direta e óbvia para manter seu peso dentro de níveis saudáveis ​​e ajudá-lo a controlar o açúcar no sangue. Mas além dela, existem outras técnicas para complementar sua jornada ao longo do caminho:

Durma mais

Não é segredo que o sono adequado é essencial para a saúde geral e o bem-estar. O sono pode ajudar a diminuir o estresse, fortalecer nosso sistema imunológico e diminuir a pressão arterial. O sono também é importante para a função mental, incluindo: estado de alerta, consolidação da memória, regulação do humor e saúde física.

Os benefícios de uma boa noite de sono são importantes para manter o equilíbrio hormonal e a regulação da glicose. A quantidade de tempo necessário será diferente dependendo da idade. Para adultos, são recomendadas de sete a nove horas de sono.

Exercício Regular

 

O exercício regular em conjunto com uma dieta adequada pode ajudá-lo a manter ou perder peso. Pessoas com diabetes tipo 2 podem se beneficiar do exercício aeróbico, porque a atividade física é eficaz para reduzir a gordura visceral, bem como o tecido adiposo do fígado.

Um único exercício pode aumentar a sensibilidade à insulina por até dezesseis horas, através de múltiplas adaptações no transporte e metabolismo da glicose. Quando você se exercita, o açúcar no sangue é mais efetivamente usado para energia e contração muscular.

O exercício pode ser em várias formas, incluindo caminhadas, corrida, ciclismo, natação, boxe e levantamento de peso.

Melhore a sua saúde

Manter seu nível de açúcar no sangue dentro dos intervalos recomendados é importante para a saúde geral. Ao controlar eficazmente estes níveis, é menos provável que você desenvolva diabetes. Tome decisões de estilo de vida inteligentes, incluindo a prática de exercícios regulares e uma dieta adequada. Não há desculpa quando se trata de sua saúde. Fique saudável. Mantenha-se forte. Fique feliz!

Este artigo foi originalmente publicado pela HVMN.
Fotos Unsplash

A dieta do mediterrâneo é tão saudável como dizem?

A dieta de estilo mediterrânico é amplamente aclamada como um dos mais saudáveis ​​padrões de dieta que se poderia escolher, apesar do fato de você acabar comendo quase metade das calorias diárias em forma de gordura.

salad-374173_640

Porém, as pesquisas apenas mantêm os argumentos positivos, dando os créditos à dieta mediterrânea pela redução ao risco de doenças cardíacas, câncer, diabetes e mal de Alzheimer. Assim como o retardo do envelhecimento, aumento da perda de peso, proteção da memória e até mesmo a melhora do desempenho escolar em crianças.

No entanto, no livro best-seller The Big Fat Surprise (“A Grande Gordura Surpresa”), a jornalista Nina Teicholz argumenta que a dieta mediterrânea é superestimada e baseada na ciência pobre. Estaria essa paixão atual com o azeite de oliva e o vinho tinto baseada em uma farsa? Todos os estudos são falsos?

Teicholz e seus editores defendem e posicionam o The Big Fat Surprise como um livro extremamente controverso em relação à sabedoria convencional de dietas que temos em mente. Mas seu argumento central – de que gorduras alimentares (gordura saturada, em particular) não são os inimigos que eram antes – não é apenas uma controvérsia. O livro é exaustivamente pesquisado e impressionantemente bem documentado.

Esse ataque auxiliar na dieta mediterrânea levantou questionamentos. Poderíamos ter cometido o mesmo erro da dieta mediterrânea com dietas de baixa gordura, baseando-as em premissas falsas e, em seguida, sem querer, projetar estudos tendenciosos que confirmassem nossas convicções?

Como é a dieta mediterrânea?

O padrão da dieta mediterrânea é abundante em grãos integrais, legumes, frutas, vegetais, azeite de oliva, nozes e vinho tinto, com menores quantidades de peixes, ovos, frango, laticínios e gordura em geral, muito pouca carne vermelha. Em outras palavras, é uma dieta a base de plantas (mas, não estritamente vegetariana) de refeição completa.

Mas, será que a dieta mediterrânica realmente existe? Toda essa história começou quando alguns epidemiologistas nutricionais observaram que os habitantes da ilha de Creta levavam uma vida excepcionalmente longa e saudável e decidiram saber o que eles estavam fazendo.

No centro da denúncia da Teicholz está que a dieta foi documentada nas ilhas gregas durante os anos 1950 e não refletem a dieta tradicional dos habitantes atuais. “Eles foram pesquisados ​​logo após a Segunda Guerra Mundial, quando a sua economia estava em ruínas”, disse o Dr. Frank Teicholz Lipman em uma entrevista. “Além disso, sua dieta foi amostrada durante a Quaresma, quando os alimentos animais eram severamente restringidos. Os dados, portanto, não são bons e nunca foram melhorados “.

Pode ser verdade que o padrão dietético que ficou conhecido como a dieta mediterrânea foi uma exceção. Não sabemos o que os cretenses normalmente comiam antes da guerra ou fora do período da Quaresma. E, realmente, não importa. Porque este padrão alimentar já foi extensamente pesquisado em populações em todo o mundo e tem sido apontado como muito mais saudável do que a dieta ocidental moderna padrão.

A atração das Ilhas

Por que a dieta mediterrânea foi tão estudada? A resposta está, em parte, por ter se tornado cada vez mais uma boa aposta. Pesquisadores queriam encontrar coisas que funcionassem e a dieta mediterrânea estabeleceu um histórico muito bom de resultados positivos em várias gerações. Teicholz, por outro lado, argumenta que a verdadeira razão de tantos pesquisadores terem concordado com a dieta é que o Mediterrâneo é um lugar agradável para visitar.

“Não há dúvida de que todo mundo se interessou em razão de a dieta ser, em parte, o fascínio do coletivo do Mediterrâneo”, disse Teicholz. “Há pessoas de vida longa nas regiões de estepe da Sibéria, mas ninguém quer ir a conferências de alimentos na Sibéria.”

OK, mas isso refuta a validade da pesquisa? Claro que não. E Teicholz admite que a dieta mediterrânea tem realizado muito em ensaios clínicos, mas afirma que qualquer dieta rica em gordura semelhante teria um bom desempenho quando comparado a uma dieta de baixa gordura. “Uma dieta alemã de teor de gordura mais elevado ou uma dieta chilena de maior teor de gordura ou uma dieta finlandesa com maior teor de gordura, provavelmente, também parecia melhor do que a dieta de baixo teor de gordura”, ela disse.

Por todos os meios, vamos parar de colocar a dieta mediterrânea contra dietas de baixo teor de gordura (que ninguém apoia mais) e começar a compará-la com outras dietas com composição de gordura semelhante e ver o que podemos aprender.

Outros padrões dietéticos podem estar sob pesquisa, mas o entusiasmo em torno da dieta mediterrânea tem um monte de dados para apoiá-la. É claro que, quanto mais você aderir ao padrão, melhor os seus resultados estarão susceptíveis de ser.

Fonte Quick na Dirty Tips