Tag: gripe

De olho na gripe H1N1

É o assunto do momento e nada melhor do que a informação para sabermos como evitar e nos proteger da contaminação.

O texto é original da Erika Alk Blog, editado pelo blog que subtraiu alguns trechos, vale a pena ler e compartilhar:

O vírus da gripe H1N1 volta a ameaçar o Brasil e já está instalado em 11 Estados, principalmente São Paulo. De acordo com o Ministério da Saúde, o País registrou 305 casos da doença até 19 de março. Foram 46 mortes até a data, 10 a mais que no ano passado inteiro. A Região Sudeste concentra o maior número de casos (266), sendo 260 em SP. (…)

Este ano o vírus apareceu mais cedo, em março – ele é esperado normalmente para maio, junho e julho. Mas o que pode ter mudado o ciclo do H1N1? Esta é a pergunta que muitos profissionais de saúde estão fazendo no momento. Acredita-se que esta circulação precoce possa estar relacionada à forte temporada de influenza que ocorreu no hemisfério norte neste último inverno. De acordo com o secretário municipal da Saúde, Alexandre Padilha a antecipação do surto, que costuma ocorrer somente no inverno, está provavelmente relacionada a paulistas que viajaram ao hemisfério norte nos últimos meses, e trouxeram o vírus.

h1-3

“Nós e o governo do Estado já pedimos ao Ministério da Saúde a antecipação da campanha de vacinação, marcada inicialmente para o dia 30 de abril, mas isso vai depender de quando as vacinas serão finalizadas pelo Instituto Butantã”, declarou. Mas a explicação mais plausível ainda não foi determinada.

“O que sabemos há muito tempo é que o vírus influenza é sempre surpreendente e que nunca podemos saber com exatidão como será o comportamento dele a cada ano”, afirma a infectologista Rosana Richtmann, do Hospital e Maternidade Santa Joana.

O vírus H1N1 é do tipo influenza A, um dos causadores da gripe comum. É o mesmo responsável pela pandemia de gripe suína ocorrida em 2009. Só no Brasil, naquela época, foram 50 mil casos e mais de 2 mil pessoas morreram.

h1n1

Sintomas

Apesar das semelhanças com os sintomas iniciais da gripe comum – febre, tosse, coriza, dor de garganta, na cabeça e no corpo –, a H1N1 pode ser ainda mais perigosa. Segundo Richtmann, além dos sintomas normais de gripe, outra forma de apresentação do H1N1 mais grave é a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

“Ela é caracterizada por falta de ar, diminuição da saturação de oxigênio, desconforto respiratório, podendo evoluir para insuficiência respiratória, choque e até a morte.” Em alguns casos, também podem ocorrer vômitos e diarreia. Testes laboratoriais são capazes de identificar por qual tipo de vírus o paciente foi infectado. E ao primeiro sinal destes sintomas é muito importante que se procure um posto de saúde, hospital ou médico de sua confiança.

h1n1-5

Tratamento

O tratamento basicamente é realizado com um medicamento antiviral, de uso oral, por cinco dias. “Para ser efetivo, deve ser iniciado o mais precoce possível, preferentemente até 48h do início dos sintomas. Além do uso do antiviral, podemos prescrever sintomáticos, para aliviar os sintomas”, diz a infectologista.

A prevenção, contudo, é a maneira mais eficaz de combater a doença. “As medidas mais importantes são a higienização das mãos frequentemente, com água e sabão ou álcool gel”, recomenda Richtmann. Além disso, indica-se manter ambientes arejados e ventilados e evitar locais fechados com grande número de pessoas. Alimentação correta, ingestão de água e a prática de exercícios físicos também reduzem as chances de contrair o vírus.

H1N1-4

Vacinação

Outra forma efetiva de prevenção é o uso da vacina específica contra a gripe. Ela já está disponível na rede privada e, a partir de 30 de abril, está prevista para ser disponibilizada também na campanha do programa nacional de imunização, da rede pública.

O Ministério da Saúde, no entanto, vai permitir a antecipação da vacinação contra a doença, e os Estados interessados poderão começar a imunizar grupos considerados mais vulneráveis antes da campanha nacional. Em São Paulo, o primeiro lote está previsto para ser liberado nesta sexta-feira (dia 1º) e nos demais Estados, a partir de segunda (04 de abril).

Nas unidades públicas de saúde, a vacina é destinada a alguns grupos prioritários: crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras que comprometam a imunidade.

Tanto a vacina das clínicas privadas quanto a da campanha governamental previne o H1N1, além de outros dois tipos de influenza (H3N2 e influenza B). “Estima-se que o tempo de proteção conferido pela vacina seja de um ano, porém essa resposta pode variar, conforme o tipo de paciente, idade e hábitos”, afirma Rosana Richtmann.

h1n1-2

São Paulo

A cidade de São Paulo já registrou oito mortes e 66 casos confirmados de gripe H1N1 somente em 2016, informou na segunda-feira (28/03) o secretário de Saúde Alexandre Padilha. No mesmo período de 2015, foram contabilizados 12 casos e nenhum óbito. A vacina já foi antecipada, com lotes do ano passado, na região noroeste do Estado. Já são 16 mortes causadas pelo vírus este ano na área.

O governo também negocia adiantar a compra da nova vacina, da fabricante francesa Sanofi Pasteur. Há relatos da falta do medicamento Tamiflu, fabricado pelo laboratório Roche, usado para combater a gripe, nas farmácias. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não há qualquer restrição por parte da agência na comercialização do Tamiflu. Mas tome apenas quando indicado pelo médio!

Fontes: Agências Nacionais de Saúde e IgSãoPaulo  | Fotos: Google FreeShare

Nota de esclarecimento

Geeente! Andei sumida, abandonando o blog, mas tem motivo! Fui pega e derrubada por uma gripe horrorosa que parece estar se espalhando por aí. Digo isso porque várias pessoas que sigo, blogueiras, musas fitness, e mesmo familiares também andaram gripando e ficaram de repouso nos últimos dias. O que é que é isso?!

E como estamos cercados de doenças aparentemente novas, com consequências ainda desconhecidas (zika, chikungunya), vale o alerta e o cuidado redobrado com o corpo. Não dá para dar mole, gente!

Aproveitando minha passagem por aqui, decidi relembrar algumas postagens que ressaltam exatamente isso: reforçar a imunidade com alimentação e hábitos saudáveis. Eu tenho usado e abusado desses sucos ↣ Sucos Vitaminados com Laranja (estou vivendo a base de própolis, limão e laranja e refeições regradinhas, com folhas verde escuras, tudo bem nutritivo).

Estas dicas também são essenciais para a manutenção da saúde e fortalecimento do corpinho, nesses momentos de abatimento  ↣ Dez hábitos que turbinam a sua imunidade.

É isso! Estou quietinha, voltando aos poucos à rotina normal, ontem consegui treinar, hoje vou pegar mais leve e em breve estarei 100%. Estou com algumas resenhas de aplicativos na fila de afazeres, que tenho experimentado e gostado muito, várias receitinhas gostosas e práticas, posts com comparação de preços de equipamentos funcionais… enfim, muito conteúdo legal que tem que sair para vocês!

Fica o aviso para todos se cuidarem, se alimentarem direitinho, se prevenirem, porque não é brincadeira. E todo mundo sabe a dor de cabeça que é quando as doenças são mal curadas, pode evoluir para quadros mais sérios e saúde é o nosso bem mais precioso! Vamos dar valor!

E a páscoa esta aí, é tempo de celebrar bem, com disposição, família… e rios de chocolate! Bora manter o equilíbrio para manter a vida saudável, aproveitando os prazeres e cumprindo com os deveres! 😉

Dez hábitos que turbinam a sua imunidade

Conteúdo original de Minha Vida
Texto de Carolina Serpejante

Estamos o tempo inteiro expostos a todos os tipos de doenças. Um simples descuido já pode ser suficiente para o sistema imunológico não dar conta de fechar todas as “portas” de nosso corpo, que são suscetíveis a alguma infecção ou vírus. Por isso, é muito importante ter consciência dos hábitos que podem blindar nossa imunidade contra qualquer complicação.

Hidrate-se: é importante ingerir líquidos constantemente, mesmo antes de sentir sede.

fountain-197334_640

A ingestão de água melhora a resistência física e retira as impurezas do organismo, prevenindo doenças.

De acordo com o clínico geral Filippo Pedrinola, o ideal é ingerir diariamente por volta de 35ml de água por quilo de peso. Uma pessoa de 70kg, por exemplo, deveria ingerir 2450ml de água. “Mas é importante salientar que boa parte dessa água já está presente nos alimentos que comemos”, completa.

Ao fazer exercícios físicos, reidrate-se ainda mais, se possível com água de coco ou isotônicos, mas sem exagerar e nunca deixar a água de lado.

Tenha uma alimentação saudável: manter uma dieta que inclui todos os grupos alimentares é fundamental para fortalecer a imunidade.

fruits-82524_640

“Proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e sais minerais não podem faltar na dieta diária de ninguém”, conta o infectologista Alexandre Naine.

De acordo com pesquisas, os micronutrientes essenciais para o fortalecimento da imunidade são as vitaminas A, B6, B12, C, D, E, ácido fólico, zinco, ferro, selênio e cobre. Eles restauram a proteção contra infecções, fortalecem as células do sistema imunológico e aumentam a produção de anticorpos.

Passe longe dos vícios: evitar vícios, como álcool e tabaco, aumenta – e muito – a imunidade.

cigarette-666938_640

“Esses vícios são extremamente danosos, não só para o nosso sistema imunológico, como para vários outros sistemas de nosso corpo”, afirma Alexandre.

Já existem estudos que comprovam que algumas bebidas podem, inclusive, fazer bem à saúde, mas desde que ingeridas com moderação. O vinho é o principal exemplo. De acordo com Alexandre, todo excesso é prejudicial e a bebida alcoólica não foge dessa regra.

De bem com você: de acordo com os especialistas, a saúde mental está muito relacionada à imunidade.

lipstick-791761_640

A baixa autoestima faz com que seu sistema imunológico trabalhe menos, além de atrapalhar nosso corpo no combate aos radicais livres, facilitando o aparecimento de doenças.

Faça exercícios!

Você sabia que um estilo de vida sedentário está associado a 28% das mortes por doenças crônicas, perdendo apenas para o tabagismo? Por isso, mexa-se e passe longe de doenças.

runners-635906_640

A recomendação dos especialistas é a prática de uma atividade física rotineira e que dê prazer, sempre tomando cuidado com os excessos: “A atividade física intensa pode causar o efeito contrário, baixando a imunidade por fadiga muscular e até mental”, lembra o fisiologista Raul Santo. Se o tempo é curto, inclua o exercício físico na sua rotina, como utilizar escada em vez de elevador ou caminhar depois do almoço.

Fuja do estresse: viver com tensões relacionadas ao trabalho e outras obrigações do dia é um dos fatores decisivos para a baixa da imunidade.

Assim como a baixa autoestima, o estresse impede o sistema imunológico de funcionar a todo vapor, abrindo portas para doenças.

Quando você está estressado, o ideal é praticar alguma atividade que goste e que te faça bem. “Se forem exercícios físicos, melhor, pois são duas vantagens em uma”, conta Alexandre.

Cuide da sua higiene: estamos expostos a vírus e bactérias 24 horas por dia, em todos os lugares que frequentamos.

towel-759980_640

O infectologista Fábio Fernandes Morato Castro, supervisor do Serviço de Imunologia Clínica e Alergia do Hospital das Clínicas, afirma que hábitos – como lavar as mãos antes de manusear alimentos, de levá-las a boca e aos olhos e sempre depois de dirigir ou usar o transporte público – devem ser levados em conta. Ao chegar em casa, vale tomar um banho para mandar todas as impurezas embora.

Previna-se

Usar preservativo protege contra uma série de DST’s – doenças sexualmente transmissíveis – que não podem ser prevenidas apenas com bons hábitos alimentares ou exercícios. O vírus HIV é um dos principais inimigos da imunidade e o jeito mais fácil de contraí-lo é não usando camisinha. Por isso, previna-se sempre!

Atualize sua carteirinha de vacinação

Muitas pessoas deixam de lado esse hábito tão importante. Tomar todas as vacinas deixa você protegido de doenças graves como hepatite B, varicela, hepatite A, BCG, sarampo, rubéola e caxumba.

Durma bem

cabin-413770_640

De acordo com a médica do Instituto do Sono Lia Rita Bittencourt, pessoas que não tem um sono adequado, com cerca de 6 a 7 horas por noite, pode ter seu sistema imunológico afetado. “A privação do sono diminui a quantidade e a função das células responsáveis pela imunidade”, conta a especialista.

As consequências disso são maiores chances de contrair doenças infecciosas e a diminuição do efeito de vacinas. “Diabetes e câncer também podem aparecer com mais facilidade em indivíduos que dormem pouco”, completa.