Tag: hortaliças

Você sabe o que é PANC?

Repost do blog da nutricionista Carolina Damy

Você já ouviu falar sobre PANC? Já experimentou alguma? Gostou? Adicionou na sua lista de compras ou na sua horta?

Muita gente ainda não sabe, mas a sigla PANC significa Plantas Alimentícias Não Convencionais, e são todas as plantas que poderíamos consumir, mas que ainda não consumimos, ou nem conhecemos. Depois da redescoberta de algumas destas plantas, o consumo vem aumentando bastante, pois além de serem nutritivas, algumas também são medicinais.

Uma forma rica, sustentável e saudável para a alimentação de todos, é a utilização das Plantas Alimentícias Não Convencionais. Essas plantas, muitas vezes são vistas como pragas ou ervas daninhas, porém possuem importante valor nutricional. Podem ser desde sementes e frutas até gramíneas (sim, os famosos “matinhos”), e variam de região para região. Muitas vezes, o que é considerado PANC em um estado pode ser algo comum em outro.

A forma de preparo destas hortaliças não convencionais pode ser como as comuns, podemos colocar em sucos, em saladas cruas, refogar, utilizar como ingrediente em tortas, molhos, chás e etc.

Vejam alguns exemplos de Plantas Alimentícias Não Convencionais:

taioba, por exemplo, é rica em fibras e por isso nos dá saciedade e auxilia no funcionamento intestinal. O guaco, é um excelente fitoterápico contra doenças respiratórias, assim como a urtiga; a carqueja nos auxilia na digestão; o peixinho previne inflamações no trato-gastrointestinal; a capuchinha é ótima contra infecções urinárias e doenças de pele, etc. Cada uma com um sabor característico e um benefício importante à saúde.

E agora, depois de conhecer sobre as PANC, você ficou com vontade de incluí-las na sua alimentação? Espero que sim, pois uma alimentação variada de fontes naturais, nos trás muitos nutrientes e deixa nossa vida mais saudável e sustentável também.

Fonte: Guia Prático sobre PANCs: Plantas Alimentícias Não Convencionais. Instituto Kairós, São Paulo, 2017/ Revista Pensar Gastronomia, v.3, n.1, abr. 2017.

Confira dicas para seguir uma alimentação saudável no inverno

Conteúdo original Revista Suplementação

Com a chegada do inverno e, consequentemente, das temperaturas mais baixas do ano, o organismo gasta mais energia para aquecer o corpo e neutralizar a diferença climática. A consequência disso é que as pessoas sentem mais fome durante essa estação. Segundo Cyntia Maureen, nutricionista e consultora da Superbomempresa alimentícia especializada na fabricação de produtos saudáveis, deixar de consumir saladas e frutas, diminuir a ingestão de água e incluir ingredientes calóricos na alimentação, são algumas práticas erradas, porém comuns durante o período.

“O consumo excessivo de alimentos mais gordurosos por conta do frio pode aumentar o colesterol e o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, além de causar o aumento de peso”, alerta. A especialista ainda destaca que, pelo fato de serem frescas, muitos acabam deixando as frutas e verduras de lado. “As frutas e hortaliças são fontes de minerais e vitaminas, o que é importante para o bom funcionamento do sistema imunológico e prevenção da gripe, resfriado e problemas respiratórios, muito comuns na estação”. Uma dica da nutricionista é utilizar a criatividade como, por exemplo, colocar raspas de limão nas preparações.  “Já os legumes podem ser cozidos no vapor ou refogados e temperados com ervas frescas”, complementa.

Para a prevenção de doenças, Cyntia lembra que o mel pode contribuir para elevar a imunidade. “O mel, além de combinar com o inverno, é um dos produtos que fortalecem o sistema imunológico e a resistência do organismo, além de fornecer energia ao corpo. Ainda é um excelente antisséptico e antibiótico”. A consultora da Superbom também destaca que, por motivos óbvios, o consumo de bebidas quentes aumenta no  inverno. O café é consumido em grande quantidade. Porém, as pessoas nem sempre conhecem os malefícios que a bebida pode trazer à saúde. “O café é um estimulante que pode causar dependência similar à de drogas. O produto ainda agrava problemas de saúde como a gastrite, especialmente em pessoas idosas. Por conta disso, recomendamos o consumo de produtos alternativos, como a cevada, que tem um sabor semelhante, mas sem nenhuma contraindicação”.

Para a nutricionista, as sopas podem ser ingeridas sem medo contanto que sejam feitas com legumes. Os caldos também são boas opções, mas para incorporar o alimento, a orientação é utilizar inhame, batata doce ou mandioca em detrimento  da batata. “Eles são digeridos mais lentamente pelo organismo e isso traz várias vantagens, como não elevar tanto os índices glicêmicos e dar sensação de saciedade por mais tempo”.

Por fim, mas não menos importante, está a realização de atividades físicas, em conjunto com os hábitos alimentares adequados e saudáveis.  “O frio potencializa a vontade de ficar em casa em baixo do cobertor em vez de ir à academia. Portanto, tenha foco, força de vontade e estabeleça uma rotina de exercícios para que o metabolismo do corpo não desacelere. Assim, os indesejados quilinhos a mais podem ser evitados durante o inverno”, conclui Cyntia.

Fonte: Cyntia Maureen

Conheça os diferentes tipos de gordura e faça a escolha certa

Conteúdo original Obesidade Infantil Não

As gorduras costumam ser apontadas como vilãs da saúde. Uma reputação infundada. Na verdade, elas são excelentes geradoras de energia, cumprem funções essenciais às células e o nosso corpo só consegue boa parte delas por meio de alimentos. Portanto, elas são necessárias ao desenvolvimento saudável do seu filho; desde que você faça as escolhas certas. O pediatra Hélio Rocha, chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do IPPMG-UFRJ, nos ajuda a decifrar o caminho mais saudável.

Quem são?

As gorduras ou lipídios (assim como os carboidratos/açúcares) são fontes de energia das células. Até mesmo o cérebro – que não usa gordura para obter energia – precisa dela, principalmente nos cinco primeiros anos de vida. Uma curiosidade: o cérebro é o nosso órgão mais gordo; quase 50% do seu peso (seco). A gordura que nos dá força muscular (inclusive para bater o coração) e gera energia para o fígado, os rins e vários outros órgãos é depositada sob a pele (nos tecidos subcutâneos), e, quando em excesso, caracteriza a obesidade, podendo se acumular internamente no abdômen e no fígado, e levar a outros problemas mais sérios.

São gorduras também as vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) que se armazenam e têm funções importantíssimas, em especial na fase de crescimento nas membranas celulares. Estas vitaminas podem, como todas as gorduras, serem prejudiciais à saúde quando consumidas em excesso, diz Hélio. As fontes vegetais de gorduras são, na maioria óleos e insaturadas, e as de origem animal são, principalmente, sólidas e, portanto, saturadas. Isto é, mais completas em qualidade, mas com maior capacidade de causar doenças cardiovasculares, como a aterosclerose.

Alta fonte de calorias

“1g de gordura produz de 8 a 9 kcal (quilocaloria)”, explica o pediatra. Calorias indispensáveis para realizar atividades que exigem muita energia, como crescer, exercitar-se e desenvolver-se. Energia também para criar depósitos de reserva, se faltar um dia. Isto fez diferença quando o ser humano dependia de coletar e de caçar para sobreviver. As gorduras acumuladas o mantinha ativo, mesmo sem comer bem por dias. O problema é que essa nossa capacidade continuou em funcionamento e continuamos comendo bastante, porém sem gastar o excesso de energia (a gordura). Resultado: obesidade, fígado gorduroso, aterosclerose, hipertensão, diabetes, câncer e até doenças mentais.

Diferentes tipos

As gorduras são diferentes. Contudo, a base de quase todas é o chamado ácido graxo (uma exceção é o colesterol, por exemplo), que forma os triglicerídeos e as substâncias (fosfolipídios) que constituem as membranas celulares. E os ácidos graxos podem ser saturados ou insaturados. Os saturados dão origem a gorduras sólidas, enquanto os insaturados, a óleos.

As principais fontes de saturados

São as gorduras animais, mas podem ser encontrados em vegetais, como, por exemplo, nas gorduras do coco. Os insaturados podem vir de fontes animais, no entanto, são mais abundantes em vegetais (soja, milho, azeitona, algodão, amendoim, linhaça, colza, entre outros). As gorduras saturadas, quando não solúveis em água, são sólidas em temperatura ambiente. Outra curiosidade. A manteiga já foi fonte de medida de temperatura na velha Inglaterra, e em excesso na alimentação eleva o risco de doenças cardiovasculares.

O Ministério da Saúde recomenda que o total de energia da alimentação diária fornecido pelas gorduras saturadas seja menor do que 10%. As gorduras insaturadas (líquidas em temperatura ambiente) têm menor potencial de causar aterosclerose e são classificadas como funcionais (em especial os carbonos numerados como ômegas 3 e 6).

Não essencial, com somente uma insaturação (time das monoinsaturadas), temos o ácido oleico, presente no azeite de oliva, no abacate e nas oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas) e na colza (couve-nabiça), que é transformado no óleo de canola.

No time das poli-insaturadas estão os óleos vegetais e óleo de peixes “gordos” caçadores de águas profundas (salmão, atum, por exemplo) e de águas rasas (cavalinha e sardinha), ricos em ômega 3. Estes têm efeito protetor contra doenças cardiovasculares e doenças inflamatórias, como artrite e obesidade. E também são constituintes de membranas cerebrais na forma fosfolipídio (essenciais para o funcionamento do córtex – uma área rica em neurônios – e da retina, responsável pelo processamento de imagens, a visão). Nesse time do ômega 3 está a “gordura da inteligência” (ácido docosaexaenoico DHA), que não pode faltar na gravidez e no crescimento cerebral até os cinco anos, sob pena de não se alcançar o total desenvolvimento do córtex e da retina.

Tão importante quanto o ômega 3, temos os poli-insaturados ômega 6. Estão presentes em todos os óleos vegetais, são essenciais e fazem parte das membranas, como fosfolipídios de função pró-inflamatórios. São verdadeiros alarmes, disparando as inflamações, que são mecanismos fundamentais de defesa do corpo. Todavia, em excesso podem desencadear inflamações, como acontece na obesidade. Como o ômega 3, o ômega 6 é indispensável desde a gravidez até os cinco anos de vida para a composição das membranas celulares de todo o corpo em crescimento, incluindo aí o sistema nervoso.

A quantidade recomendada de gorduras desses tipos é de 6% a 10% do total da energia diária, adverte o Ministério da Saúde. Já a gordura trans ou hidrogenada é obtida no processamento de alimentos a partir de óleos vegetais. É tão prejudicial quanto à saturada, pois não se comportam como óleo, mas como gordura dura e com potencial de formar placas e trombos nas artérias. Já o colesterol é uma gordura presente apenas em alimentos de origem animal e também é fabricada no fígado, sendo fundamental para o crescimento, vitamina D – produzida na pele a partir do colesterol – e formação dos principais hormônios do nosso corpo. Em excesso faz mal às artérias.

Algumas formas na prática

Óleo de Palma (dendê)

Contém ácidos graxos saturados, insaturados e poli-insaturados. Estudos indicam que ajuda a manter os níveis normais de colesterol total, além de elevar o colesterol bom, o HDL. Mas também deve ser consumido com moderação, alerta Hélio, lembrando ainda que o óleo de coco tem ácido láurico e, apesar de melhorar o HDL, também eleva o colesterol ruim, conhecido como LDL, quando consumido em excesso.

Palma, que dá origem ao óleo de dendê
Manteiga e margarina

A manteiga apresenta ácidos graxos saturados e colesterol. E a margarina, quanto mais dura, mais ácidos graxos trans ela tem. A margarina é apenas um óleo vegetal hidrogenado, isto é, era insaturado e ficou saturado de hidrogênio, perdendo parte de seus efeitos benéficos. Quanto mais macia, melhor é a qualidade da margarina. Para as duas vale a regra: coma com moderação.

Quantidade diária de gorduras

A recomendação é de 25% a 30% do valor energético total diário de cada indivíduo. Porém, como vimos, a gordura está em diferentes alimentos. Assim devemos adicionar pouco óleo ou azeite aos pratos. Estudo recente apontou o alto consumo de óleos, como o de soja, como o grande vilão da epidemia global de obesidade. Vale lembrar que até os anos 1960, o óleo de cozinha ainda era um produto para poucos e usado com economia. O óleo vegetal é um dos alimentos responsável por 85% das calorias consumidas mundialmente.

O quê fazer?

Não deixar faltar as gorduras essenciais durante a gravidez e o crescimento até os cinco anos. A partir daí, procurar usar até 30% do total de energia vindo das gorduras e fazer uso de diversas fontes. Assim como frutas, legumes, hortaliças, sementes e carnes devem ser variadas, as gorduras cumprem seus melhores desempenhos quando consumidas de fontes variadas e com moderação.

Fontes: Pediatra Hélio Rocha, chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do IPPMG-UFRJ, “Guia alimentar para a população brasileira – promovendo a alimentação saudável” (Ministério da Saúde); “Guia alimentar para a população brasileira – 2ª edição (Ministério da Saúde). Link: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf

Como escolher carne, frutas, verduras e legumes

Conteúdo original de Bolsa de Mulher

Na hora de ir ao supermercado ou feira, mais do que ter à mão a lista de itens a ser comprados, é preciso saber como escolher carnes, frutas, verduras e legumes. Além de economizar, saber escolher os alimentos evita o desperdício.

fruit-426002_640

A nutricionista Priscila Andrade lista os detalhes que diferenciam um alimento pronto para o uso daquele que precisa ser descartado.

Como escolher temperos frescos

Cebola

Ingrediente coringa em muitas receitas, a cebola deve estar adequada para o consumo. A dica da especialista é ficar atenta a textura, que deve ser lisa e firme. “Além disso, o miolo não deve estar murcho, a superfície não pode ter furinhos e a casca não pode estar machucada”, ensina ela.

Alho

garlic-618400_640

Na hora de comprar alho, a especialista aconselha a prestar atenção na textura e aparência do alimento. Segundo ela, ele também deve estar liso e não podem apresentar machucados ou aspecto de alimento murcho. “O ideal é que a pessoa consiga tirar a casca para verificar se os dentes também estão em condições de consumo”, completa.

Como escolher legumes

Escolher os legumes pode ser uma tarefa fácil e rápida desde que a pessoa preste atenção aos detalhes certos. De acordo com Priscila, eles devem estar com a textura lisa, sem machucados e resistentes ao toque.

Batata

A batata requer um cuidado a mais, porque ela apresenta um indício importante de que não está boa para o consumo. “O ideal é que ela não tenha aqueles ‘olhinhos’, que são aqueles brotos que crescem quando a batata já está velha”, alerta a nutricionista.

Como escolher verduras

cauliflower-318209_640

Segundo a especialista, as verduras devem estar com a cor viva e sem furos ou machucados. Outra dica de Priscila é evitar aquelas com as folhas amareladas ou amolecidas. “As folhas orgânicas são as mais indicadas porque são cultivadas sem agrotóxico. Elas costumam ser menores, mais escuras e saborosas”, define ela.

Como escolher frutas

Para escolher frutas que possam ser 100% aproveitadas, a dica da nutricionista é prestar atenção ao cheiro, cor e textura. “As frutas devem estar cheirosas, firmes, de cor sempre bonita e sem machucados”, afirma.

Abacaxi

Para garantir que o abacaxi esteja no ponto certo, a especialista ensina um truque. “Para saber se o abacaxi está pronto para o consumo, basta tirar uma das folhas de sua coroa. Se sair fácil, é sinal que de ele está bom”, ensina Priscila.

Laranja, limão e frutas cítricas

21-16-47-43_640

Na hora de escolher frutas cítricas, como laranja e limão, a dica da nutricionista é analisar a casca da fruta, que deve estar lisa e brilhante. “Além disso, eles devem estar macios ao toque para garantir que estejam suculentos”, completa.

Como escolher proteínas

Carne vermelha

De acordo com a especialista, para não errar na hora de comprar carne bovina o truque é ficar atenta à cor do alimento. “Elas devem estar sempre com a cor vermelho vivo e brilhante. A gordura deve estar sempre clarinha, porque quanto mais amarelada, mais “velho” era o animal”, diz ela.

Frango

chicken-762531_640

Para garantir que o frango esteja bom para o consumo, a dica é escolher aqueles com a pele úmida, odor agradável e cor uniforme por toda extensão do pedaço. “Nesse caso, a cor amarelada apenas significa que o frango pode ser do tipo caipira”, ensina a nutricionista.

Peixe fresco

Segundo Priscila, o peixe fresco é aquele que tem odor suave e textura firme. “No caso de peixes inteiros também é preciso ficar atenta aos olhos, que devem estar brilhantes e úmidos, e a pele que deve estar com cor vibrante”, completa.

Como comprar alimentos enlatados e em caixinhas

No caso das embalagens de lata ou embalagens tetra pak, a dica é prestar atenção se elas estão amassadas ou estufadas e evitar produtos com esses problemas. “Isso ajuda a garantir que o alimento não esteja contaminado”, explica a especialista.

Como comprar grãos: feijão, arroz e outros

red-beans-587592_640

De acordo com a nutricionista, a compra de grãos requer atenção em dois pontos importantes. “O primeiro é a existência de buraquinhos nos grãos. Isso traduz a presença de carunchos e bichinhos”, afirma ela. Outra dica é reparar se a embalagem possui algum tipo de farelo no fundo. “Isso também é indício de que bichinhos passaram por lá”, finaliza.

Congelar mantém tudo fresquinho e a mão. Aprenda técnica para hortaliças

Com a correria e a loucura do dia-a-dia, fica difícil variar o cardápio e a gente acaba comendo o que tem de preparo mais fácil e rápido. Tem o trabalho, as crianças na escola, os compromissos e o cansaço. Para evitar o estresse e manter a geladeira abastecida por um bom tempo, congelar os alimentos pode ser uma saída prática e amistosa.

O congelamento é um caminho para a economia, uma vez que te possibilita comprar grandes quantidades dos produtos da estação (já viu nosso post sobre a lógica sazonal? Veja AQUI) pagando barato e conservando no freezer para quando precisar.

No entanto, congelar ainda é uma técnica que intriga muita gente. Seja por uma experiência que não deu certo, seja pelo medo do desconhecido. Mas, calma. A maioria congela bem, de frutas a molhos e massas. O segredo está no cuidado especial para cada tipo de alimento.

Hortaliças

Por serem mais sensíveis às altas temperaturas, as hortaliças exigem um tratamento específico antes do congelamento para preservar a cor, o sabor e a textura. É o chamado branqueamento.

Branqueamento é um processo de conservação que consiste na imersão dos alimentos por um determinado tempo em água fervente, uma espécie de pré-cozimento curtinho. Ele serve para inativar as enzimas que podem estragar os alimentos, protegendo-os.

Além das hortaliças, também é muito comum branquear frutas e carnes que se pretende congelar. O procedimento é simples:

Use 3 litros de água fervente com 2 colheres de chá de sal para cada 500 gramas de hortaliça.

Modo de preparo: Apare as pontas da hortaliça e corte-as em pedaços pequenos. Mergulhe-as na água fervente já salgada. Deixe a água voltar ao ponto de fervura e aí sim comece a contar o tempo de cozimento. Depois escorra as hortaliças e passe em água fria, para cortar o cozimento e evitar que passem do ponto. Embale-as em sacos ou recipientes e congele.

O tempo de cozimento é variável de acordo com a hortaliça. Veja na tabela abaixo qual a preparação e tempo necessários para cada uma:

tabela

Dicas

  • Para evitar desperdício, congele os alimentos em porções, de modo que você descongele apenas o que precisar.
  • Congele rapidamente, mas descongele os alimentos devagar.
  • Nunca volte a congelar um alimento já descongelado.
  • Ao comprar carne ou peixe par congelar, verifique se já não foi congelado antes.
  • Utilize etiquetas nos recipientes com o conteúdo e a data do congelamento. Arrume os alimentos para que os mais antigos fiquem na frente do congelador, para serem usados primeiro.
  • Use os alimentos até 2 ou 3 meses depois de congelar.