Tag: informação

O combate ao câncer precisa de você*

O combate ao câncer precisa de você*

“Respiração ofegante, olhar distante, coração angustiado e um calhamaço de exames nas mãos. Isso tudo somado às milhares de dúvidas, lembranças e expectativas que insistem em não sair da cabeça de uma pessoa recém-diagnosticada com um câncer. Parece muito? Sim! E isso é só o começo.

A verdade é que essa doença está perto de todos nós. Sabia que, a cada minuto, um brasileiro recebe o diagnóstico de câncer?

Tenho certeza que o começo deste artigo já fez você pensar em alguém impactado pela doença e que, também por isso, teve esse mesmo impacto na vida de seus amigos e familiares. Enfrentar um câncer não é nada fácil e requer preparação e suporte.

Um pilar mais que necessário do tratamento é o acesso à informação qualificada e personalizada. Informação que proporcione reflexão, planejamento, perguntas e, sem dúvida, que evite ou ao menos alivie as surpresas.

Exemplo: faz diferença você conhecer detalhes de como será sua cirurgia. Tudo bem não querer saber muito a respeito do tamanho do corte cirúrgico, mas entender como você vai se sentir quando acordar, que tipos de dores poderá ter e quando vai voltar à ativa ajuda demais no cotidiano.

Essa informação está por aí, totalmente disponível. Mas fique atento e tenha cuidado especial com relação às fontes. Elas devem ser sempre atuais, autorais e possuírem respaldo científico.

Cuidado com dicas milagrosas que prometem a cura. Seja rigoroso e sempre exija o melhor – afinal, é de você que estamos falando.

Os avanços e os desafios no combate ao câncer

O mundo do câncer está mudando. Hoje falamos em medicina personalizada, que significa dar o tratamento certo para o paciente certo – e no tempo certo.

Temos medicamentos inteligentes que atuam diretamente no tumor, enquanto outros estimulam nosso sistema imune a enfrentá-lo. Com tudo isso, há cada vez mais pacientes tendo a oportunidade de cura. Outros muitos conviverão com o câncer como uma doença crônica.

A boa e velha notícia é que a detecção precoce aumenta, e muito, as chances de cura. Além disso, alguns cânceres podem ser preveníveis por meio da adoção de hábitos saudáveis.

Relembrando: estou falando basicamente de não fumar, evitar a obesidade e fazer atividade física. Sei das dificuldades para atingir cada um desses pontos, mas acredite: a conquista proporciona um “vale-Vida”. E vida com “V” maiúsculo!

Apesar das inúmeras novidades, temos também problemas estruturais sérios. Na prática, inúmeras pessoas sofrem nas filas esperando por um médico, por um exame e por um tratamento. Ou por falta de acesso a um tratamento mais humanizado, que também cuide da sua dor e do seu medo de morrer. Triste, muito triste.

Para encerrar, tenho dois recados:

  1. Enfrentar o câncer sozinho é quase impossível. Não se afaste quando tiver alguém por perto passando por isso. Dentro do seu limite, preste assistência.

  2. Batalhar diariamente para mudar a realidade das políticas públicas, buscando garantir acesso rápido aos exames, aos especialistas e ao tratamento, requer uma enorme força-tarefa. Por isso, também não se afaste. O câncer é um problema de todos nós – e seu combate precisa de você!

 

* Luciana Holtz é psicóloga, fundadora e presidente do Instituto Oncoguia
Publicação original em Saúde Abril

Será mesmo que tapioca emagrece?!

Conteúdo original Mais Equilíbrio

Nós já falamos aqui sobre alguns benefícios da tapioca para o seu corpo. Super fit e saborosa, ela ganhou o coração e a mesa dos brasileiros já há alguns anos, porém agora com mais força do que nunca. Tanto que tem muita gente trocando o pão pela tapioca imaginando que esta simples atitude causará emagrecimento.

40867b68ab99de2ea32da09180dc3422

Mas saiba, não é bem assim.  A tapioca possui uma elevada concentração de carboidratos – uma tapioca pequena, com 50 gramas, contém 43 g de carboidratos e cerca de 70 kcal. Dra. Viviane Christina de Oliveira Endocrinologista e Metabologista da Clinica MedPrimus explica que a tapioca entra no cardápio no lugar do pão com vantagens por ter um único ingrediente, a fécula de mandioca, portanto, não contém gordura, glúten, sódio e não necessita de óleo no preparo. Porém, não possui fibras e vitaminas, por isso, é preciso ter cuidado.

Para pessoas com diabetes o recheio da tapioca a deixará prejudicial ou não, pois trata-se de um alimento de alto índice glicêmico (115), fator que diferencia os carboidratos, pois cada tipo, “entra” na corrente sanguínea com diferentes velocidades. A tapioca tem liberação rápida e provoca uma hiperglicemia (aumento da glicose). Este quadro estimula a liberação do hormônio insulina, visando controlar os níveis glicêmicos. A médica explica que a alternativa é rechear a tapioca com alimentos ricos em fibras (vegetais) e proteínas (frango, ovos, atum, cottage). Outra dica, é adicionar chia na massa e misturar antes de ir para frigideira.

Portanto, de um modo geral, a tapioca é, sim, uma boa alternativa para substituir o pão branco, mas, quem troca o pão pela tapioca, pensando apenas na quantidade de calorias, pode cometer o mesmo erro de quem tira o glúten da dieta e passa a comer alimentos sem fibras.

“Equilíbrio e bom senso só fazem bem. Antes de adicionar ou excluir algum alimento do seu cardápio é importante verificar se a dieta da moda tem todos os nutrientes que o seu corpo precisa! Consulte um Endocrinologista e um Nutricionista.” Finaliza Dra. Viviane Christina de Oliveira Endocrinologista e Metabologista.

Suplementos para ganhar músculos, pique e eliminar as gordurinhas

Conteúdo original Boa Forma

vitamin-b-871135_960_720

Não precisa ser malhadora de carteirinha para saber que os suplementos viraram uma mania nas academias, nos blogs e em perfis fitness nas redes sociais e onde mais houver gente praticando atividade física. Mas para consumi-los, sim. Em geral, eles são indicados para quem faz bastante exercício (três ou mais vezes por semana de treino moderado a intenso). Ajudam a ganhar músculos, a aumentar o pique e a fazer a performance render mais, mas não dá para sair tomando por conta própria e muito menos achar que substituem uma refeição completa.

“A vantagem principal desses produtos é a praticidade”, diz a nutricionista esportiva Liane Schwarz Buchman, da clínica Bodyhealth, em São Paulo. “Se você não tem tempo para comer antes ou depois de treinar, eles garantem os nutrientes de que o corpo precisa para ter energia e se recuperar adequadamente.”

São tantas as opções e os benefícios oferecidos que só um nutricionista pode sugerir qual é o melhor suplemento para você, baseado em seu objetivo, seu estilo de vida e exames que mostrem como anda sua saúde. Mas vale saber para que servem e como funcionam e, assim, aproveitar tudo o que eles têm de bom.

BCAA: fôlego extra

Trata-se de um conjunto de três aminoácidos essenciais (isoleucina, leucina e valina), isto é, fundamentais para o funcionamento do organismo, mas que não são fabricados por ele. Por isso precisam ser garantidos por meio da alimentação e dos suplementos. “Esses aminoácidos participam da recuperação e do ganho de músculo, mas também ajudam a diminuir a percepção de esforço, retardando a fadiga, além de contribuir para reduzir a dor muscular no pós-treino e evitar a perda de massa magra”, diz Livia Hasegawa, nutricionista esportiva de São Paulo. Do trio de aminoácidos, a leucina tem ainda o papel de controlar a sensação de fome, e é comum encontrá-la em concentração duas vezes maior do que a isoleucina e a valina na composição de BCAAs.

Como usar: Deve ser consumido meia hora antes e até meia hora depois de treinos intensos ou longos. A dose diária para mulheres varia de 2 a 4 gramas por dia. É vendido em pó, cápsulas e até pastilhas mastigáveis.

Fique esperta: Há casos de alteração no funcionamento do intestino e dores de estômago, mas não são regra.


Proteína: músculos mais volumosos

O whey protein (proteína extraída do soro do leite) é febre entre quem malha pelo papel que tem na reconstrução dos músculos e outros benefícios comprovados, como melhorar a imunidade e aumentar a saciedade. Nem por isso ele pode ser consumido sem orientação. “Para que ocorra o efeito de regeneração da massa muscular, é fundamental que haja estímulo”, avisa Dafne Oliveira, nutricionista esportiva do Instituto de Prevenção Personalizada, em São Paulo. “Se apenas tomar o suplemento e não malhar, não vai funcionar e ainda pode engordar porque a proteína em excesso é estocada como gordura.” Existem diferentes tipos de whey: concentrado, isolado e hidrolisado. O primeiro é a proteína do soro do leite praticamente integral, com a presença de lactose e um pouco de gordura e carboidrato, o que pode dificultar a digestão para algumas pessoas. O segundo tem uma concentração maior de proteína e quase nada de lactose, carboidrato e gordura, depois de passar por um processo de filtragem. Por isso é mais indicado para quem quer controlar o peso. Já o whey hidrolisado passa, ainda, por um processo em que a proteína é quebrada em partículas menores, o que facilita a digestão e a absorção pelo organismo. Essa opção
costuma ser indicada para quem tem intolerância severa à lactose e é bem mais cara do que as demais. Há também suplementos de outras fontes proteicas que não o leite, mas tão eficientes quanto. “Vegetarianos e veganos podem optar pelas proteínas de arroz, soja e ervilha”, diz Livia. A proteína da carne aparece em alguns suplementos, bons para quem é intolerante à lactose e à proteína do leite.

Como usar: O ideal é consumir até meia hora após o exercício, quando o organismo está mais apto a aproveitar os nutrientes. É vendido em pó e pode ser preparado na forma de shake batido com água e frutas e, ainda, usado em receitas, como panquecas e bolos – nesses casos, a absorção é mais lenta por causa da interação com os outros ingredientes. Cada dose de 30 gramas tem, em média, 25 gramas de proteína. Para saber a dose certa para você, faça o cálculo de 0,25 grama de proteína por quilo de peso corporal. Uma mulher de 60 quilos, por exemplo, deve consumir 15 gramas.

Fique esperta: O organismo tem uma capacidade máxima (de 20 a 25 gramas) de absorção de proteína de uma vez.


Creatina: força aumentada

Também é um conjunto de aminoácidos (glicina, arginina e metionina), presente naturalmente na carne vermelha e no peixe, mas em quantidade difícil de ser suprida só por meio da alimentação. A creatina ajuda a reconstruir o ATP, molécula que fornece energia rápida para os músculos e age por pouco tempo. É indicada para melhorar a performance em treinos curtos e rápidos, que demandam explosão, como crossfit, tiros de corrida, musculação com poucas repetições e muita carga e esportes que envolvem velocidade, como tênis e futebol. Em treinos ou provas longas, não é recomendada. “A creatina leva junto moléculas de água para o músculo, aumentando seu volume. Mas pode deixar o corpo mais pesado e prejudicar o desempenho em atividades duradouras”, explica Dafne.

Como usar: Até 3 gramas por dia, antes ou depois do treino. “Consumir junto com uma fonte de carboidrato (fruta, pão ou água de coco) otimiza o efeito da creatina”, observa Dafne.

Fique esperta: Nas mulheres, é comum a creatina levar à retenção hídrica e, com isso, inchaço, sensação de ganho de peso e aparecimento de celulite. A creatina HCL diminui esse efeito, porém é mais difícil de ser encontrada no Brasil – quase todas as marcas de suplementos fabricam a mono-hidratada.


Termogênico: gordura a menos

Estimula o metabolismo, favorecendo a queima da gordura, além de otimizar a contração muscular e o desempenho em atividades de resistência. A cafeína é a substância termogênica mais usada  por quem treina. É encontrada no café, no chá-verde e no guaraná, mas não é inofensiva. Segundo os especialistas, o certo é consumi-la por três meses e fazer uma pausa para avaliar os efeitos. “O uso prolongado pode levar a aumento da pressão arterial, gastrite e ansiedade. Sem falar que o metabolismo tende a criar resistência e o organismo deixar de responder ao produto”, alerta Liane. O mesmo cuidado vale para a laranja-amarga, outra substância termogênica comum nos suplementos.

Como usar: De 50 a 250 miligramas de cafeína entre 20 e 30 minutos antes de atividades aeróbicas e de força. Para a laranja-amarga, a dose segura é de 250 a 500 miligramas por dia.

Fique esperta: Como age no sistema nervoso central e pode elevar a pressão, a cafeína tem que ser usada com muita atenção por pessoas hipertensas, com distúrbios do sono e ansiosas. Quem toma antidepressivo ou ansiolítico não deve consumir. Os termogênicos podem prejudicar a absorção do cálcio.


Carboidrato: pique dobrado

É a principal fonte de combustível para o exercício e deve ser ingerido antes de sessões aeróbicas e de força para melhorar o desempenho e potencializar a queima de gordura, poupando os músculos. Durante provas longas (com mais de uma hora de duração), o carboidrato mantém a reserva de energia. “Logo após o treino, ele repõe o glicogênio muscular e evita picos de fome no restante do dia”, explica Liane. Na forma de suplemento, a maltodextrina e o waxy maize (derivado do milho) são os mais utilizados. A diferença entre eles: com um índice glicêmico mais baixo que o da maltodextrina, o waxy é absorvido mais lentamente. Isso faz com que libere energia de forma mais eficiente durante os treinos longos, sendo o mais indicado para quem malha para perder de peso.

Como usar: As duas versões têm a mesma indicação: de 10 a 20 gramas meia hora antes de treinos curtos e intensos, 30 gramas a cada hora (para sessões com mais de 1 hora) e de 10 a 20 gramas após os treinos puxados, diluído na água ou no suco de fruta.

Fique esperta: Podem acarretar o acúmulo de gordura se não houver um gasto energético proporcional. Diabéticos têm restrição.

De olho na gripe H1N1

É o assunto do momento e nada melhor do que a informação para sabermos como evitar e nos proteger da contaminação.

O texto é original da Erika Alk Blog, editado pelo blog que subtraiu alguns trechos, vale a pena ler e compartilhar:

O vírus da gripe H1N1 volta a ameaçar o Brasil e já está instalado em 11 Estados, principalmente São Paulo. De acordo com o Ministério da Saúde, o País registrou 305 casos da doença até 19 de março. Foram 46 mortes até a data, 10 a mais que no ano passado inteiro. A Região Sudeste concentra o maior número de casos (266), sendo 260 em SP. (…)

Este ano o vírus apareceu mais cedo, em março – ele é esperado normalmente para maio, junho e julho. Mas o que pode ter mudado o ciclo do H1N1? Esta é a pergunta que muitos profissionais de saúde estão fazendo no momento. Acredita-se que esta circulação precoce possa estar relacionada à forte temporada de influenza que ocorreu no hemisfério norte neste último inverno. De acordo com o secretário municipal da Saúde, Alexandre Padilha a antecipação do surto, que costuma ocorrer somente no inverno, está provavelmente relacionada a paulistas que viajaram ao hemisfério norte nos últimos meses, e trouxeram o vírus.

h1-3

“Nós e o governo do Estado já pedimos ao Ministério da Saúde a antecipação da campanha de vacinação, marcada inicialmente para o dia 30 de abril, mas isso vai depender de quando as vacinas serão finalizadas pelo Instituto Butantã”, declarou. Mas a explicação mais plausível ainda não foi determinada.

“O que sabemos há muito tempo é que o vírus influenza é sempre surpreendente e que nunca podemos saber com exatidão como será o comportamento dele a cada ano”, afirma a infectologista Rosana Richtmann, do Hospital e Maternidade Santa Joana.

O vírus H1N1 é do tipo influenza A, um dos causadores da gripe comum. É o mesmo responsável pela pandemia de gripe suína ocorrida em 2009. Só no Brasil, naquela época, foram 50 mil casos e mais de 2 mil pessoas morreram.

h1n1

Sintomas

Apesar das semelhanças com os sintomas iniciais da gripe comum – febre, tosse, coriza, dor de garganta, na cabeça e no corpo –, a H1N1 pode ser ainda mais perigosa. Segundo Richtmann, além dos sintomas normais de gripe, outra forma de apresentação do H1N1 mais grave é a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

“Ela é caracterizada por falta de ar, diminuição da saturação de oxigênio, desconforto respiratório, podendo evoluir para insuficiência respiratória, choque e até a morte.” Em alguns casos, também podem ocorrer vômitos e diarreia. Testes laboratoriais são capazes de identificar por qual tipo de vírus o paciente foi infectado. E ao primeiro sinal destes sintomas é muito importante que se procure um posto de saúde, hospital ou médico de sua confiança.

h1n1-5

Tratamento

O tratamento basicamente é realizado com um medicamento antiviral, de uso oral, por cinco dias. “Para ser efetivo, deve ser iniciado o mais precoce possível, preferentemente até 48h do início dos sintomas. Além do uso do antiviral, podemos prescrever sintomáticos, para aliviar os sintomas”, diz a infectologista.

A prevenção, contudo, é a maneira mais eficaz de combater a doença. “As medidas mais importantes são a higienização das mãos frequentemente, com água e sabão ou álcool gel”, recomenda Richtmann. Além disso, indica-se manter ambientes arejados e ventilados e evitar locais fechados com grande número de pessoas. Alimentação correta, ingestão de água e a prática de exercícios físicos também reduzem as chances de contrair o vírus.

H1N1-4

Vacinação

Outra forma efetiva de prevenção é o uso da vacina específica contra a gripe. Ela já está disponível na rede privada e, a partir de 30 de abril, está prevista para ser disponibilizada também na campanha do programa nacional de imunização, da rede pública.

O Ministério da Saúde, no entanto, vai permitir a antecipação da vacinação contra a doença, e os Estados interessados poderão começar a imunizar grupos considerados mais vulneráveis antes da campanha nacional. Em São Paulo, o primeiro lote está previsto para ser liberado nesta sexta-feira (dia 1º) e nos demais Estados, a partir de segunda (04 de abril).

Nas unidades públicas de saúde, a vacina é destinada a alguns grupos prioritários: crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras que comprometam a imunidade.

Tanto a vacina das clínicas privadas quanto a da campanha governamental previne o H1N1, além de outros dois tipos de influenza (H3N2 e influenza B). “Estima-se que o tempo de proteção conferido pela vacina seja de um ano, porém essa resposta pode variar, conforme o tipo de paciente, idade e hábitos”, afirma Rosana Richtmann.

h1n1-2

São Paulo

A cidade de São Paulo já registrou oito mortes e 66 casos confirmados de gripe H1N1 somente em 2016, informou na segunda-feira (28/03) o secretário de Saúde Alexandre Padilha. No mesmo período de 2015, foram contabilizados 12 casos e nenhum óbito. A vacina já foi antecipada, com lotes do ano passado, na região noroeste do Estado. Já são 16 mortes causadas pelo vírus este ano na área.

O governo também negocia adiantar a compra da nova vacina, da fabricante francesa Sanofi Pasteur. Há relatos da falta do medicamento Tamiflu, fabricado pelo laboratório Roche, usado para combater a gripe, nas farmácias. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não há qualquer restrição por parte da agência na comercialização do Tamiflu. Mas tome apenas quando indicado pelo médio!

Fontes: Agências Nacionais de Saúde e IgSãoPaulo  | Fotos: Google FreeShare

Estamos vencendo a luta contra o HIV?

Conteúdo original BBC Brasil49909fb771

O desenvolvimento de remédios modernos para tratar o problema já fez com que o diagnóstico soropositivo não significasse uma “sentença de morte”, como era no passado. Mas será que estamos vencendo a luta contra o HIV?

Números do vírus

Mais de 1,2 milhão de pessoas nos Estados Unidos vivem com HIV. No Brasil, segundo as estimativas mais recentes divulgadas em março pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, há 734 mil pessoas com o vírus – das quais 589 mil foram diagnosticadas e 404 mil já estão em tratamento.

O vírus ataca o sistema imunológico do corpo e pode levar ao desenvolvimento da Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida). Nos EUA, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), uma em cada oito pessoas que vivem com HIV ainda não sabem que estão com o vírus.

Quanto antes um soropositivo receber o diagnóstico, mais chances ele tem de evitar o desenvolvimento da Aids. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 35 milhões de pessoas no mundo sejam HIV positivas – mas somente 50% delas teriam ciência disso.

A situação é pior na África Subsaariana, onde os números chegam a um em cada 20 adultos na região convivendo com o HIV. Cerca de 71% das pessoas soropositivas do mundo moram na África.

Aumentando ou diminuindo?

Mundialmente, o número anual de novos infectados com o vírus do HIV caiu cerca de um terço entre 2001 e 2013 – de 3,4 milhões para 2,3 milhões, segundo o relatório da ONU. Mas esses números não estão diminuindo em todos os lugares.

Nos Estados Unidos, houve cerca de 50 mil novos infectados a cada ano na última década – comparados com os 130 mil por ano no auge da epidemia, nos anos 1980. Lá, gays e bissexuais do sexo masculino correspondem a 63% dos novos infectados. Em Londres, de acordo com a Public Health England, um em cada oito homens que tiveram relações sexuais com outros homens têm HIV.

A taxa de americanos negros infectados também é desproporcional. “Os negros são apenas 12% da população dos Estados Unidos, mas representam 46% dos novos diagnósticos de HIV no país”, explica Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas nos Estados Unidos.

hiv-218541_640

Houve cerca de 2 milhões de novos casos de HIV pelo mundo em 2014 – e 220 mil deles foram diagnósticos de crianças. A maioria vive na África Subsaariana e foi infectada por mães soropositivas durante a gravidez, na hora do nascimento ou na amamentação, de acordo com a ONU.

Em 2015, Cuba foi o primeiro país a declarar ter eliminado de vez as transmissões do HIV de mãe para filho.

Como o HIV afeta nossa expectativa de vida?

Hoje em dia, um jovem de 20 anos que recebe o diagnóstico soropositivo e que inicia o tratamento com um coquetel de remédios para combater o vírus tem uma expectativa de viver mais 50 anos.

pills-tablets-1-1184376

Isso, comparada à realidade dos anos 1980, durante a epidemia da doença, é uma evolução sem tamanho – à época, uma pessoa que tivesse o diagnóstico de HIV poderia viver mais alguns meses ou poucos anos.

A melhora se deu por causa da descoberta de uma terapia antirretroviral (TAR), que impede o HIV de se multiplicar e reduz a quantidade de vírus no corpo. “Se as pessoas tomarem uma combinação de três ou mais remédios (da TAR) e seguirem à risca o tratamento, podem mudar completamente sua perspectiva”, afirma Fauci.

No fim do ano passado, 14,9 milhões de pessoas estavam recebendo a TAR – 40% do número total de pessoas que vivem com HIV no mundo. Mas 1,5 milhão de pessoas ainda morreram em decorrência de complicações do HIV em 2013. O vírus matou 39 milhões desde meados dos anos 1980.

Qual é o risco do sexo desprotegido?

condom-538601_640

Ao revelar ser soropositivo, Charlie Sheen disse ter tido relações sexuais sem proteção nenhuma com apenas duas pessoas – “que já estão sob os cuidados do seu médico”. Mas quão arriscado é o sexo desprotegido? Isso depende de uma série de fatores.

O HIV é transmitido por uma troca de fluidos do corpo, como sangue, sêmen, fluidos vaginais e leite materno. E uma relação sexual desprotegida é a forma mais comum de se transmitir a doença.

O médico de Sheen, Robert Huizenga, disse ao programa Today Show que a chance de o ator passar o vírus para outro parceiro sexual é muito baixa agora, porque o vírus está praticamente “indetectável” no sangue do ator. A taxa de transmissão do HIV para pessoas que não são soropositivas é 96% mais baixa se o parceiro estiver sob tratamento, segundo um estudo internacional.

couple-731890_640

Mas o CDC alerta que menos de 40% dos americanos com HIV estão em tratamento – e somente 30% atingiram essa “supressão viral”, quando o vírus fica indetectável. A quantidade de HIV no sangue também pode aumentar novamente, assim como também aumenta o risco de transmissão quando as pessoas param de tomar os remédios.

Um novo tipo de tratamento é a “Profilaxia Pré-Exposição” (PrEP), que pode oferecer proteção contra o HIV durante o sexo, mas ele ainda não está disponível em todos os lugares. Quando Sheen se referiu às parceiras “sob cuidados do seu médico”, provavelmente ele quis dizer que elas estariam tomando esses medicamentos.

Espalhar HIV é crime?

Pessoas soropositivas podem ser processadas se transmitirem o vírus a outras pessoas de maneira intencional.

Nos Estados Unidos, 67 leis focadas especificamente nas pessoas portadoras do HIV foram decretadas em 33 Estados até 2011. Elas tratam sobre casos como não revelar para o parceiro sexual que é portador do vírus – mesmo que o risco de transmissão seja mínimo ou inexistente –, doar órgãos infectados ou “cuspir” fluidos corporais infectados.

No entanto, já houve pedidos para uma revisão das leis estaduais após os estudos que comprovam a redução do risco de transmissão do vírus para pessoas que estão sob tratamento antirretroviral.

Outros países, como o Brasil, o Reino Unido, a Finlândia e a Nova Zelândia, enquadram atitudes como essa – de espalhar o vírus propositalmente – em crimes perigosos, como lesão corporal grave ou homicídio.

A ONU, porém, pede que países limitem a criminalização somente a casos em que as pessoas realmente tiveram a intenção de transmitir o vírus. Ela defende que leis gerais – e não específicas sobre o HIV – sejam aplicadas em casos assim.

Massa muscular X Calorias: Qual a relação?

Conteúdo original Mais Equilíbrio

O nosso corpo funciona assim: quanto mais massa muscular nós temos, mais gastamos calorias. Isso quer dizer que 1 kg de massa muscular pode consumir cerca de 9.000 calorias em um mês.

man-461195_640

Pode parecer até brincadeira, mas com músculos ativos podemos perder um percentual de gordura até durante o sono! Ou seja, quando a pessoa tem massa muscular é possível emagrecer dormindo.

O efeito acontece porque os músculos requerem energia para suas funções consumindo assim uma das fontes de reserva do nosso organismo que é a gordura branca.

weights-652486_640

Então chegamos à seguinte conclusão: se queremos emagrecer, precisamos aumentar a taxa de massa muscular no corpo. Mas como fazer isso?

A alimentação pode ser a chave. E para isso, deve-se consumir alimentos ricos em proteínas até 30 minutos após o exercício físico para ajudar na recuperação e formação dos músculos.

Alguns dos alimentos altamente proteicos são:

Frango (23g de proteína a cada 100g)

chicken-935778_640

A carne de frango tem proteína e pouca gordura, por isso é um excelente alimento para a hipertrofia muscular.

Salmão (21,62g de proteína a cada 100g)

Além de proteínas, o peixe é rico em ômega 3, uma gordura saudável com efeito anti-inflamatório.

Ovos (6g por unidade)

egg-944495_640

Especialmente a clara de ovo pois é o alimento com a proteína mais completa e mais facilmente absorvida pelo organismo.

Soja (34g de proteína a cada 100g)

Apesar de não ter proteína completa pode ser combinada com cereais para aumentar o valor proteico e além disso não tem gordura.

Tofu (8,1 g de proteína a cada 100g)

tofu-597228_640

O tofu pode ser adicionado à dieta in natura, cozido ou refogado sem alterar suas propriedades nutricionais.

Conheça as diferenças entre os variados tipos de açúcar disponíveis no mercado

Escrito por: União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) em Revista Suplementação

O açúcar tem papel importante no funcionamento do organismo. Além de ser fonte de energia, contém substâncias que estimulam o cérebro a produzir serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e prazer. Há no mercado diversas opções do ingrediente e, com tanta variedade disponível, pode ser difícil escolher a melhor opção.

spoon-550636_640

“O açúcar é um carboidrato presente em frutas e vegetais. O prazer que sentimos com alimentos de sabor adocicado é inato. A predileção por doces ajudou nossos ancestrais a distinguirem entre os alimentos seguros e que dariam mais energia, dos alimentos potencialmente tóxicos ou inadequados para consumo. Podemos contar com a praticidade de ter também o açúcar isolado, em várias etapas de refino, o que permite o uso em produtos culinários diversos. Apesar do sabor característico, eles pouco diferem em termos nutricionais, sendo que, via de regra, os mais refinados tem menos micronutrientes (vitaminas e minerais)”, explica a Marcia Daskal, nutricionista e proprietária da Recomendo Assessoria em Nutrição.

Ainda segundo a especialista, os açúcares também adicionam sabor, deixando alguns alimentos mais apetitosos. A escolha vai depender da preferência e do tipo de uso para cada um deles. “Sem abuso, todos são permitidos numa dieta equilibrada”, completa.

Açúcar cristal

berry-197074_640

Apresenta-se como cristais maiores e transparentes, sendo mais difícil dissolvê-lo. No do seu processo de fabricação, a etapa de cristalização elimina a maioria das impurezas presentes. Como impurezas, considera-se tudo aquilo que não seja sacarose (sais minerais, glicose, frutose, amido, dentre outros componentes presentes). É considerado um produto com uma purificação parcial.

Açúcar refinado

Esse é o tipo de açúcar mais comumente encontrado nos supermercados e mais apreciado pelas donas de casa. No processo de refino, além da adição de novos produtos químicos, o açúcar cristal é dissolvido e recristalizado, visando torná-lo mais branco, pela remoção adicional dos compostos coloridos presentes. O resultado é um açúcar de elevada brancura, com cristais bem pequenos e com maior facilidade de dissolução.

Açúcar de confeiteiro

pastries-756601_640

Já descrito pelo nome, esse tipo de açúcar é mais utilizado para decorar receitas como bolos, biscoitos e tortas. Os cristais são extremamente finos e com a aparência de pó. Em algumas refinarias, uma etapa de peneiramento ajuda a garantir a uniformidade destes pequenos cristais. Além disso, antes de serem embalados recebem a adição de uma pequena quantidade de amido para evitar que os cristais fiquem grudados.

Açúcar orgânico

Em geral se apresenta na forma de cristais maiores e mais escuros. Durante a sua produção, desde o plantio da cana até o produto embalado, não são utilizados agrotóxicos ou insumos não autorizados. Por ter todas essas exigências em seu processo produtivo, apresenta preço mais elevado.

Açúcar light

sugar-bowl-167851_640

É a combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais. Deve ser evitado por pessoas que não podem ou não querem utilizar adoçantes. Por conta da presença dos edulcorantes, não tem o mesmo efeito culinário.

Açúcar mascavo

Com a coloração mais escura parecida com o caramelo, o sabor do açúcar mascavo lembra o da rapadura. O açúcar mascavo tradicional é um alimento obtido diretamente da concentração do caldo de cana recém-extraído. Este processo não utiliza o uso de aditivos químicos para o processo de branqueamento e clarificação. Apesar de preservar alguns micronutrientes como fósforo, cálcio, magnésio e potássio, não pode ser considerado como fonte destes nutrientes.

Açúcar demerara

brown-sugar-623514_640

Tem grãos na cor marrom claro e o processo de produção é muito similar ao açúcar mascavo, porém passa também por um processo de tratamento leve, utilizando menor quantidade de aditivos químicos.

É importante não esquecer do importância de um consumo equilibrado, independente da escolha de compra. “Qualquer ingrediente em excesso não faz bem. O açúcar, em qualquer versão, em pequenas quantidades e associado a uma vida saudável, pode ser uma fonte de prazer e de energia”, finaliza a nutricionista.

Doce Equilíbrio

A Campanha Doce Equilíbrio é uma iniciativa da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e tem como objetivo promover a informação sobre o equilíbrio na alimentação e estilo de vida. Equalizando o debate sobre o açúcar como componente que pode e deve fazer parte de uma vida saudável, a campanha visa o bem-estar da sociedade.

sugar-623371_640

Você pode pode acompanhar e participar interativamente dos conteúdos relacionados ao universo do açúcar nas plataformas de BlogFacebook e Instagram.

O projeto conta ainda com o apoio da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (SIAMIG), do Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás (SIFAEG) e do Sindicato da Indústria de Fabricação do Álcool do Estado da Paraíba (SINDALCOOL).