Tag: longevidade

O vinho tinto ajuda você a viver mais? Eis o que a ciência diz

O vinho tinto ajuda você a viver mais? Eis o que a ciência diz

Texto traduzido de artigo original em inglês publicado em Time

Na década de 1990, alguns pesquisadores observaram que os franceses – apesar de comerem muita gordura saturada – tendiam a ter baixas taxas de doenças cardíacas . Dublando esse fenômeno, o “paradoxo francês”, os pesquisadores especularam que o consumo regular de vinho poderia proteger seus corações de doenças.

Um pouco mais tarde, no início dos anos 2000, as evidências começaram a se acumular, amarrando padrões de consumo e de consumo no estilo mediterrâneo, com maior longevidade. Um componente dessas dietas que chamou muita atenção foi o consumo de vinho – vinho tinto, em particular.

Mesmo entre as pessoas com dietas saudáveis ​​no Mediterrâneo, as que também bebiam vinho regularmente e em quantidades moderadas – um copo ou dois por dia, geralmente vermelho e nas refeições – viviam mais, concluíram alguns pesquisadores . Um estudo descobriu que homens italianos de meia-idade que bebiam até cinco copos de vinho por dia – em grande parte, o tinto – tendiam a viver mais do que os homens que bebiam mais ou menos álcool.

Quase 30 anos se passaram desde que os primeiros estudos sobre o “vinho tinto é bom para você” vieram à tona. Embora algumas pesquisas mais recentes sobre a gordura saturada façam com que o paradoxo francês pareça um pouco menos paradoxal – isto é, há algum desacordo sobre se o saturado é realmente insalubre -, o interesse público e científico pelos benefícios da longevidade do vinho tinto ainda é forte. Infelizmente, a evidência que sustenta esses benefícios é mista.

As descobertas são inconsistentes, mas os pesquisadores estão procurando explicações. “Tem sido difícil descobrir por que pequenas quantidades de álcool parecem estar relacionadas com diminuições em várias doenças”, diz Aaron White, um conselheiro científico sênior do Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo. Enquanto o vinho tinto tem recebido muita atenção, ele diz que há evidências de que qualquer tipo de álcool, desde que seja consumido com moderação, pode conferir benefícios à longevidade.

“O álcool pode ser benéfico através de mecanismos biológicos como o aumento do colesterol HDL [saudável], afetando os mecanismos de coagulação e plaquetas, ou [tendo] efeitos no sistema vascular”, diz a Dra. Claudia Kawas, professora de neurologia da Universidade da Califórnia. Irvine, cuja pesquisa descobriu que alguns dos adultos mais velhos tendem a beber álcool com moderação.

Mas um dos desafios na avaliação dos efeitos do vinho tinto na saúde (ou qualquer outro tipo de álcool) é o fato de que outras variáveis ​​do estilo de vida podem confundir as evidências. Por exemplo, um estudo de 2006 publicado no BMJ examinou as compras de mantimentos das pessoas e descobriu que os consumidores de vinho tendiam a comprar alimentos mais saudáveis ​​do que os bebedores de cerveja. Se o bebedor de vinho médio come mais saudável do que a maioria, isso poderia explicar alguns dos benefícios da longevidade ligados ao vinho.

“Pode ser que a associação não tenha nada a ver com o consumo de álcool, mas sim com coisas que podem viajar junto com o consumo de álcool”, diz Kawas. As pessoas que bebem álcool podem simplesmente socializar mais, ela sugere, o que traz benefícios para a saúde, e elas podem não ter doenças que desencorajem o consumo de bebida. Estas são todas as explicações possíveis para a ligação entre longevidade e consumo de álcool.

Mas existem alguns componentes exclusivos do vinho tinto – que não são encontrados em outros tipos de álcool – que podem ser especialmente saudáveis.

O vinho tinto é embalado com compostos bioativos, incluindo vários flavonóides e fenóis, que a pesquisa vinculou independentemente a vários benefícios para a saúde. Em particular, muitos dos estudos do vinho tinto concentraram-se nos efeitos do resveratrol, um composto encontrado na casca das uvas. “A concentração de polifenóis, e mais especificamente o resveratrol, é dez vezes maior no vinho tinto do que em outras bebidas alcoólicas”, diz o Dr. Adrian Baranchuk, professor de medicina da Universidade Queen’s, no Canadá e co-autor do estudo Circulation 2017.

Estudos associaram o resveratrol à melhoria da saúde e longevidade do coração e há evidências de que o resveratrol possa combater a inflamação e ajudar a melhorar a saúde do sangue. Mas muitas dessas evidências vieram de modelos animais ou de laboratório, e algumas pesquisas em humanos não conseguiram encontrar nenhum efeito do resveratrol.

Ainda assim, concentrar-se em compostos específicos de vinho tinto pode abrir brecha para falhas. “Existem centenas de produtos químicos diferentes em bebidas alcoólicas e pode ser o efeito líquido desses produtos químicos, tanto quanto o próprio álcool [que fornece um benefício]”, diz o Dr. Paul Gow, um médico de transplante de fígado da Austrália. que examinou a pesquisa sobre vinho tinto e saúde. Gow diz que o vinho tinto parece estar associado ao “maior benefício”. Mas, novamente, as descobertas são conflitantes.

“É totalmente possível que o consumo de vinho tenha alguns benefícios adicionais”, diz White. “Mas é uma questão complicada e tem sido difícil extrair respostas.” Neste ponto, ele diz que não há dados suficientes para recomendar que os consumidores mudem para o vinho tinto – ou que os não-bebedores utilizem álcool para prolongar sua vida. “Apesar de centenas de estudos”, acrescenta ele, “há coisas que simplesmente não sabemos”.

Entenda como sua alimentação pode favorecer a fadiga

Conteúdo original de Minha Vida
Por Dr. Roberto Navarro Sousa Nilo Nutrologia CRM 78392/SP

Uma das queixas mais frequentes que tenho escutado no consultório ultimamente é o cansaço, desânimo, indisposição, fadiga, ou como queiram falar.

sad-842518_640

A questão é que muitas condições clínicas podem levar ao aparecimento destes desconfortáveis sintomas, cabendo ao médico neste primeiro degrau descartar as doenças mais graves que cursam com perda progressiva do vigor físico, perda de peso, falta de ar ao realizar um pequeno esforço, pois o tratamento deverá ser instituído o mais rápido possível para que haja a pronta recuperação do paciente. Estão neste grupo as doenças cardíacas, pulmonares, hormonais e o câncer.

Porém, muitas vezes, a fadiga se torna um companheiro quase diário e não há nenhuma doença específica já instalada que a justifique. Entra aí então um possível vilão silencioso: a má alimentação. Os desbalanços nutricionais podem ocorrer sempre que deixamos de lado a busca de uma alimentação balanceada, variada e suficiente em todos os nutrientes que nosso organismo necessita para funcionar e passamos a comer apenas os alimentos com baixo valor nutricional.

woman-918981_640

Devemos ingerir quantidades adequadas de macronutrientes, como carboidratos, proteínas e lipídeos e de micronutrientes, como os minerais e as vitaminas. A oferta de todos estes nutrientes só está garantida quando nos alimentamos de todos os grupos alimentares, como os legumes e verduras, cereais, leguminosas, frutas, óleos e gorduras (as boas), carnes e ovos, leite e derivados.

Aliás, os alimentos foram divididos em grupos justamente por que cada um deles é rico em determinados nutrientes importantes para nossa saúde e se ingerirmos porções adequadas de todos eles no dia a dia provavelmente estamos suprindo nosso organismo em suas necessidades.

salad-dish-844144_640

Respeitando as alergias e intolerâncias alimentares, que nos obriga a excluir determinados alimentos do prato, não há justificativa para excluirmos grupos alimentares específicos, principalmente por modismos ou crendices sem fundamento. Não à toa a raça humana é classificada como “onívora”, ou seja, está adaptada a ingerir alimentos tanto de origem animal quanto vegetal.

Por isso os vegetarianos estritos ficam vulneráveis à deficiência de vitamina B12, que deve ser suplementada neste grupo de pessoas, que aliás, quando deficientes nesta vitamina, também se queixarão de fadiga, cansaço, dificuldade de concentração. Contudo, uma pessoa que só se alimenta de produtos animais e não ingere os vegetais, terá também problemas de saúde por isso. O que vale é o equilíbrio.

watermelon-846357_640

Mas quais os nutrientes específicos, quando pobres na nossa alimentação, geram mais frequentemente o cansaço e a perda de vigor? Sem dúvida o mais frequente é a carência de ferro. Nossos glóbulos vermelhos (hemácias) carregam o oxigênio que respiramos até cada célula do nosso corpo, e o ferro é fundamental neste processo. O oxigênio gera a energia suficiente para que cada célula funcione adequadamente e quando este não consegue suprir todas elas, está instalada a anemia, que certamente causará sintomas como cansaço, desânimo, perda de vigor, dores de cabeça, dores nas pernas, unhas frágeis, queda de cabelo e baixa imunidade, com infecções frequentes.

A anemia ferropriva (por deficiência de ferro) é hoje considerada a carência nutricional mais prevalente no mundo, inclusive no Brasil, e os grupos que correm mais risco em tê-la são as crianças, gestantes, idosos e mulheres com perda sanguínea exagerada na menstruação. O alimento mais rico em ferro de origem animal sem dúvida é a carne vermelha, mas os peixes, aves, ovos e leite (e seus derivados), também são boas fontes.

salad-835441_640

Já as boas fontes de ferro de origem vegetal são as verduras verde-escuras como agrião, rúcula, espinafre, couve e os legumes como o brócolis. Também são boas fontes vegetais de ferro as leguminosas como feijão, ervilha, grão-de-bico, soja, lentilhas e o melaço da cana.

Outra carência nutricional que também gera cansaço, fadiga, dificuldade de concentração, formigamento nas mãos e pés e também desencadeia anemia (megaloblástica) é a deficiência de vitamina B12. Esta importante vitamina cujo nome técnico é cianocobalamina, possui em sua estrutura o cobalto, um elemento químico (metal de transição) que dá estabilidade à hemoglobina, proteína que está dentro dos glóbulos vermelhos e que é responsável pelo transporte do oxigênio até as células.

salad-926809_640

As principais fontes de vitamina B12 são as mesmas dos alimentos que contêm ferro, de origem animal, citadas acima. A vitamina B12 encontrada em fontes vegetais como o trigo germinado e levedo de cerveja parece não trazer a mesma estabilidade à hemoglobina. Os grupos mais vulneráveis à deficiência de vitamina B12 são os alcoólatras, vegetarianos estritos, uso contínuo de medicamentos que diminuem a acidez estomacal, como os antiácidos e o grupo dos bloqueadores da bomba de prótons ( omeprazol e similares ).

As baixas taxas de vitamina D no sangue, o que vêm se mostrando mais frequente na população como se imaginava, também pode ser uma causa de fadiga frequente. Sabe-se atualmente que a vitamina D cumpre muitas funções no organismo muito além de atuar na absorção do cálcio e na saúde óssea, mas não se sabe exatamente qual mecanismo envolvido que desencadeia a sensação de cansaço quando em baixos níveis no sangue, talvez por também ser matéria prima para a produção interna dos hormônios esteróides como a testosterona, progesterona e estrogênio. Se os níveis sanguíneos então da vitamina D ficam baixos, poderá haver menor produção de hormônios esteróides, o que poderá levar a sensação de desânimo e perda de vigor.

bullying-679274_640

Por mais que ingerimos alimentos fontes de vitamina D, dependemos também de um mínimo de exposição à luz solar para transformá-la em sua forma ativa (colecalciferol), sendo recomendado pelo menos 20 minutos duas a três vezes por semana, pelo menos 20 a 30% do total do corpo exposto, por exemplo só as pernas ou só os braços. Boas fontes animais de vitamina D são os ovos, salmão, atum, sardinha, iogurte, fígado bovino e fontes vegetais incluem os cogumelos comestíveis. Ficam vulneráveis à deficiência de vitamina D quem raramente se expõe ao sol e não ingere adequadamente os alimentos fontes. Em alguns casos a suplementação desta vitamina se torna fundamental.

As dietas muito restritivas em valor calórico, como as abaixo de 1.000 calorias, geralmente não suprem a quantidade mínima de vitaminas do complexo B (B1,B2,B3,B5,B6) que têm funções importantes na produção de energia dentro de todas as nossas células. É frequente pessoas que querem perder peso e optam por dietas da moda com grande restrição calórica queixarem de fadiga, queda de cabelo, desânimo e que logo abandonam o método por perda de qualidade de vida.

laborer-709193_640

Do exposto acima fica claro que ainda uma alimentação equilibrada é o melhor caminho para termos qualidade de vida e longevidade com saúde. Continuo insistindo que a melhor dieta é a do bom senso e que saúde não se compra, se conquista. Abraço à todos!