Tag: médico

O que são e como atuam os fitosteróis

Foto: Pixabay

Você já ouviu falar em fitosteróis ou fitoesteróis?! Eles vem sendo apresentados no mercado como a mais nova solução para quem enfrenta problemas com altos índices do colesterol dito ruim.

O que são

São parte do grupo de esteróis (um tipo de lipídio, gordura, para o melhor entendimento), naturalmente presentes nas plantas. É uma substância encontrada em pequenas quantidades nos óleos vegetais, como azeites, óleo de milho e de soja.

Como funciona

Tem sido utilizado, e comercializado, como suplemento alimentar e age dificultando a absorção do colesterol e LDL pelo intestino, diminuindo o fluxo dessa gordura no sangue, o que consequentemente reduz, em torno de 10%, os níveis de colesterol total.

Apesar de já presente no mercado, não há provas científicas de que a ação dos fitosteróis na redução do colesterol implique em algum benefício contra doenças, como as cardiovasculares, por exemplo.

Você já fez uso?! Ou conhece alguém que faz?!
Conte-nos se possui conhecimento sobre os efeitos e o que você acha da implementação dos fitosteróis para a saúde.
E lembre-se de, primeiramente, consultar um médico antes de utilizar qualquer suplemento e/ou medicamento.

No Outubro Rosa, tire 13 dúvidas sobre câncer de mama

Conteúdo original Terra Saúde

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima 49.240 novos casos para 2010. No mês mundial de conscientização sobre a doença, tire 13 dúvidas sobre ela, com explicações dos seguintes profissionais do Inca: Fábio Gomes, nutricionista da Área de Alimentação, Nutrição e Câncer; Jeane Glaucia Tomazelli, técnica da Divisão de Atenção Oncológica; e Carlos Federico Lima, vice-diretor do Hospital do Câncer III (unidade do instituto responsável pelo tratamento do câncer de mama).

1 – O que causa o câncer de mama?

Na maioria dos casos de câncer de mama, não há uma causa específica. Há alguns fatores que estão associados ao aumento do risco de desenvolver a doença. A própria idade é um deles, pois a chance aumenta na medida em que se envelhece. Menarca precoce, menopausa tardia, nuliparidade (não ter filhos), primeiro filho em idade avançada, não amamentação e uso de terapia de reposição hormonal são fatores associados ao risco. Consumo excessivo de álcool, obesidade na pós-menopausa e sedentarismo também. Os fatores hereditários são responsáveis por menos de 10% dos cânceres de mama. O risco é maior quando os parentes acometidos são de primeiro grau (pai, mãe, irmãos, filhos).

2 – Atinge homens em que proporção?

O câncer de mama em homens é raro. Estima-se que, do total de casos da doença, apenas 0,8% a 1% ocorram em pessoas do sexo masculino.

3 – Existe algum sintoma além de caroço no seio?

female-832266_640

A forma mais habitual é o aparecimento de nódulo, geralmente indolor. Outros sinais e sintomas menos frequentes são edemas semelhantes à casca de laranja, irritação ou irregularidades na pele, dor, inversão ou descamação no mamilo e descarga papilar (saída de secreção pelo mamilo). Podem também surgir nódulos palpáveis na axila.

4 – É sempre possível notar a doença por meio do toque nos seios?

Não, a patologia tem uma fase em que as lesões são do tipo não-palpáveis. Por isso, é importante a realização de exames de imagem na faixa etária de maior risco.

5 – Segundo o Inca, o autoexame não é estimulado como medida de detecção. Por quê?

Considerando as evidências atualmente disponíveis, não se pode recomendar ou fomentar o ensino do autoexame como método de rastreamento. Também não foi evidenciada diminuição da mortalidade por câncer de mama com o uso do autoexame. Entretanto, o Inca destaca a importância de que a mulher esteja atenta ao seu corpo e à saúde das mamas. A recomendação é que, diante da observação de qualquer alteração ou mudança nas mamas, busque imediatamente a avaliação de um médico.

6 – Prótese de silicone nos seios pode levar à doença?

woman-683334_640

Não há evidência científica de que exista associação entre implantes mamários de silicone e o risco de desenvolvimento de câncer de mama.

7 – Como é o tratamento de câncer de mama?

O tratamento é multidisciplinar, ou seja, deve incluir a opinião de vários especialistas médicos, como o mastologista, o radiologista, o oncologista clínico, o radioterapeuta, assim como enfermeira especializada, psicóloga, fisioterapeuta e assistente social. Habitualmente, o tratamento pede cirurgia e é complementado pela radioterapia e quimioterapia/hormonioterapia.

8 – Quais são as chances de cura de câncer de mama?

Quando diagnosticado precocemente, há até 95% de chance de cura. Por isso, é importante que toda mulher de 50 a 69 anos faça mamografia a cada dois anos.

9 – Quais mudanças de hábito podem diminuir a chance de desenvolver câncer de mama?

 

Mudar estilo de vida pode reduzir 28% dos casos de câncer de mama. A ingestão excessiva de álcool aumenta as chances de ter câncer de mama porque altera os níveis hormonais, como o do estrogênio (toda mulher o produz, mas existe uma atuação importante dele no desencadeamento da patologia). Caso tenha células precursoras de câncer, essas taxas elevadas podem favorecer a multiplicação delas. Se o consumo de bebidas alcoólicas fosse moderado, com no máximo um drinque por dia (uma lata de cerveja, um cálice de vinho, uma dose de bebida destilada), reduziria em 6% a incidência. 

girl-97433_640

O excesso de peso precisa ser eliminado, porque significa alteração nos níveis hormonais. Além disso, quando as células de gordura estão repletas, liberam fatores pró-inflamatórios. É como se a pessoa estivesse em um processo de inflamação generalizada, o que a torna mais vulnerável a fatores cancerígenos. O recomendado é que o índice de massa corporal não ultrapasse 25, prevenindo 14% dos diagnósticos.
Deixar de lado o sedentarismo queima as gorduras e equilibra os hormônios. Mas tem de ser em ritmo moderado, como uma caminhada mais acelerada, e por, no mínimo, 30 minutos diários. Com o tempo, a dica é tentar aumentar a intensidade ou estender o período. A medida isolada pode diminuir em 11% os casos de câncer de mama.

10 – Quais alimentos ajudam a prevenir a doença?

Os de origem vegetal: frutas, legumes, verduras e leguminosas (como feijão, lentilha, grão-de-bico). Têm o poder de inibir a chegada de compostos cancerígenos às células e, ainda, consertar o DNA danificado quando a agressão já começou. Se a célula foi alterada e não foi possível consertar o DNA, alguns compostos promovem a morte delas, interrompendo a multiplicação desordenada.

woman-847059_640

A ideia de que determinado alimento é bom para tal tipo de câncer não se aplica. Tem de haver sinergismo entre os compostos, o que ajuda em todos os tipos da doença. Por isso, é importante variar a alimentação ao máximo. A recomendação é consumir, no mínimo, 400g por dia de vegetais, sendo 2/5 de frutas e 3/5 de legumes e verduras. Cada porção equivale a uma quantia que caiba na palma da sua mão, do produto picado ou inteiro, totalizando 80g.

11 – O que não se deve comer para ajudar na prevenção?

Entre os alimentos prejudiciais estão os embutidos, que apresentam grande quantidade de sal, nitritos e nitratos. Os conservantes em contato com o suco digestivo do estômago se transformam em compostos cancerígenos. Evite ao máximo comê-los, mas o ideal é que não sejam consumidos.

Limite carne vermelha a 50 gramas semanais. A forma de preparo dos alimentos, especialmente das carnes (de qualquer tipo), pode influenciar. Os feitos na chapa ou fritos trazem malefícios, porque a exposição a altas temperaturas também atua na formação de compostos cancerígenos. Prefira levá-los ao forno ou usá-los em ensopados. Se quiser grelhar, opte pelo pré-cozimento. O churrasco também eleva os riscos. Além da temperatura alta, a fumaça do carvão tem dois componentes cancerígenos (alcatrão e hidrocarboneto policíclico aromático), que impregnam na refeição.

12 – Qual é a importância da amamentação?

breastfeeding-827169_640

Amamentar diminui entre 10% e 20% os riscos de a mãe ter a doença. Enquanto o bebê suga o leite, o movimento promove uma espécie de esfoliação do tecido mamário por dentro. Assim, se houver células agredidas, são eliminadas e renovadas. Quando termina a lactação, várias células se autodestroem, entre elas algumas que poderiam ter lesões no material genético. Outro benefício é que as taxas do hormônio feminino estrogênio caem durante o período de aleitamento.

13 – Pílula anticoncepcional aumenta o risco da doença?

Existem estudos que demonstram fraca relação de causalidade entre pílula anticoncepcional e risco da doença, enquanto outros demonstram alguma relação.

woman-506120_640

Transtorno do Pânico: o que é e como tratar

Muita gente passa por episódios e experiências que incluem dois sintomas que podem parecer bem comuns: dor no peito e ansiedade. Mas será que eles são realmente inocentes ou querem indicar algum tipo de desordem? Vamos abordar um estado que inclui esses sintomas: o transtorno do pânico.

Síndrome do pânico, transtorno do pânico e ataque de pânico são tudo a mesma coisa ou tem alguma diferença? Antes de falarmos do que se trata esse quadro, é importante diferenciarmos cada situação.

O que é o Transtorno do Pânico?

Ter um ataque de pânico é diferente do transtorno do pânico. Um ataque de pânico ocorre de repente e, normalmente, atinge o seu pico dentro de 10 minutos antes que o paciente se acalme. O incidente inclui uma intensa sensação de medo ou ansiedade, juntamente com, pelo menos, quatro dos seguintes sintomas:

  • Suor
  • Dor no peito
  • Taquicardia
  • Falta de ar
  • Tontura
  • Formigamento
  • Tremor / agitação
  • Náusea / desconforto abdominal
  • Arrepios / afrontamentos
  • Medo de morrer

O transtorno ou síndrome do pânico, por outro lado, é diagnosticado quando os ataques de pânico são recorrentes e imprevisíveis. Pois eles parecem ocorrer do nada e os pacientes, muitas vezes, sofrem com o medo de ter outro. Este receio deve ser tecnicamente presente durante, pelo menos, um mês para que a pessoa seja diagnosticada com transtorno do pânico.

E esse medo é tão grande que começa a mudar a maneira como as pessoas se comportam, a fim de evitar que os episódios de pânico aconteçam. Por exemplo, aqueles com transtorno podem se recusar a deixar suas casas por medo de ter um ataque em lugares públicos ou em meio a multidões. Eles podem recusar-se a tomar um ônibus ou participar de reuniões de trabalho por medo de sofrerem um ataque. Isto é referido como “agorafobia” ou o medo do lado de fora.

Além disso, pelos sintomas serem tão angustiantes, os pacientes, muitas vezes, têm muito medo de possivelmente estarem sofrendo um ataque cardíaco e serem vistos várias vezes nas salas de emergência por alarmes falsos. Na verdade, ataques de pânico e ansiedade são algumas das causas mais comuns de dores no peito.

Quem sofre com o Transtorno do Pânico?

0010513730K-565x849

Cerca de 5% da população sofre de transtorno do pânico, embora estudos mostram que até um terço de nós já experimentou um ataque de pânico. Ele tende a ser duas vezes mais comum em mulheres e pode começar cedo, ainda na adolescência.

O transtorno do pânico tende a ocorrer em pessoas com histórico familiar de ansiedade, mas fatores ambientais também contribuem para o seu desenvolvimento. Por exemplo, pessoas que experimentam eventos estressantes ou que tenham sofrido traumas de infância podem desenvolver o transtorno do pânico, especialmente se elas já têm uma tendência genética.

O que pode ser confundido o Transtorno do Pânico?

0002843321UU-849x565

Antes de chegarmos às conclusões, é importante descartar outras causas, fatores e sintomas semelhantes. Ao discutir seus sintomas com o seu médico, você provavelmente fará um exame de sangue para descartar o hipertireoidismo, além de um possível eletrocardiograma e/ou monitoramento cardíaco, se tiver sintomas cardíacos, tais como palpitações ou dor no peito.

A cocaína, anfetaminas e o uso excessivo de cafeína também podem desencadear ataques de pânico e/ou agravá-los. Portanto, se você for usuário dessas substâncias, é importante parar e compartilhar essa informação com o seu médico.

Como é tratado o Transtorno do Pânico?

0010544644N-849x565

A primeira linha de tratamento é feita com um grupo de medicamentos chamado “Selective Serotonin Reuptake Inhibitors” (ou SSRIs) [traduzindo: Inibidores Seletivos da Recaptação], que tendem a funcionar muito bem na prevenção de futuros ataques de pânico através da regulação das substâncias químicas do cérebro, que são muitas vezes são desequilibradas em pacientes com distúrbios de pânico. Essas drogas podem demorar de 2 a 6 semanas para começar a fazer efeito, mas tendem a reagir bem para a maioria das pessoas.

Alguns médicos prescrevem benzodiazepínicos, como o alprazolam, que são necessários nas primeiras semanas, até que o SSRI entre em ação. No entanto, as benzodiazepinas são altamente viciantes e têm efeitos colaterais significativos. Elas não devem ser tomadas a longo prazo e não são o  melhor tratamento para a desordem de pânico.

0002780293OO-849x565

Também é importante dormir o suficiente todos os dias, exercitar-se e evitar a cafeína, a fim de minimizar os sintomas.

Além disso, muitos pacientes com transtorno de pânico automedicam-se com álcool, abuso de substâncias ou medicamentos prescritos. Essa atitude pode aliviar temporariamente os sintomas, porém irá piorar a situação em curto prazo.

0003171852UU-849x565

Portanto, se você sofre de transtorno do pânico, busque a ajuda de que precisa com um médico generalista ou um psiquiatra que poderá prescrever-lhe o tratamento adequado, o que pode incluir medicamentos, terapia de diálogo ou ambos. O que você não deve fazer é negociar um transtorno com outro, criando um vício apoiado em seu pânico.

Por favor, note que todo o conteúdo aqui é estritamente para fins informativos. Este conteúdo não substitui qualquer conselho, julgamento ou raciocínio médico, que é o seu provedor habilitado de saúde pessoal. Por favor, procure sempre um profissional licenciado em sua área sobre todas as questões e problemas relacionados com a saúde.

Fonte: Quick and Dirty Tips
Tradução livre de autoria do blog

Cinco sintomas que as mulheres não devem ignorar

A anatomia feminina é bastante complexa. Com um útero, um colo do útero, ovários, seios e um coquetel de hormônios, há um grande número de potenciais problemas médicos que podem se manifestar. Mas, como uma mulher pode dizer se seus sintomas são preocupantes ou rotineiros? Descubra cinco dos sintomas mais comuns que podem ser ameaçadores para a saúde das mulheres.

Sintoma 1: Sangramento

Sangramento de orifícios que normalmente não deveriam sangrar não é normal. Embora as infecções do trato urinário sejam a razão mais comum para a presença de sangue na urina, o câncer de bexiga pode apresentar esse mesmo sintoma. E apesar das hemorroidas serem as causadoras mais comuns do sangramento retal, o câncer de cólon também pode causar sangramento nas fezes.

Hemorragia vaginal irregular também pode ser relativa. Para algumas mulheres, o sangramento menstrual é um “incômodo” – afinal, quem quer lidar com a menstruação quando está de férias, lua de mel ou em projetos de trabalho estressantes? Mas, um ciclo menstrual regular normal é um sinal de boa saúde. Quando não é regular, pode ser um sinal de eu há algo errado acontecendo.

Tudo o que estiver relacionado a mais sangue nas mulheres com idade superior a 35 anos (seja em períodos mais frequentes, fluxo mais denso, maior duração, manchas entre períodos) deve ser informado ao médico de imediato.

Embora haja causas muito mais comuns para o aumento de hemorragia vaginal, o cancro do endométrio também pode ser uma causa. O câncer endometrial, muitas vezes, é diagnosticado através de um procedimento de consultório rápido, chamado de biópsia do endométrio, que é semelhante a um exame de papanicolau, mas com uma investigação um pouco mais profunda, além da abertura colo, para testar o revestimento do útero.

Já nas mulheres de qualquer idade, uma mudança repentina no ciclo normal (aumento de sangramento, pausa ou pulo de períodos ou um aumento ou diminuição na frequência dos períodos) pede uma visita ao médico para descartar alguma preocupante possível causa da irregularidade. Entre elas:

  • Gravidez
  • Distúrbio da tireoide
  • Adenoma pituitário (um tumor da glândula pituitária)
  • Menopausa ou perimenopausa
  • Miomas (tumores benignos no útero)
  • Síndrome do Ovário Policístico (SOP)
  • Câncer cervical ou pré-câncer

Sintoma 2: Alterações na mama

O câncer de mama geralmente é diagnosticado em estado avançado nas mulheres, mas, se for detectado mais cedo, pode ser tratado e curado. Mamografias de rastreamento podem ser úteis no diagnóstico de câncer de mama em estágio inicial, mas também devem ser realizados autoexames mensais.

É importante verificar a cada mês, pois, caso uma nova massa apareça, você vai perceber o mais cedo possível e, logo, avisar o seu médico. Certifique-se também de examinar se há caroços embaixo das axilas, uma vez que os nódulos linfáticos que drenam os seios estão localizados ali.

Da mesma forma, se houver qualquer alteração nos mamilos, como secreção mamilar, sangramento do mamilo ou “inversão” (quando eles parecem “enrugar” para dentro), você deve informar seu médico.

Também devem ser verificadas quaisquer alterações na pele da mama (como vermelhidão, espessamento, descamação, ondulações etc.). Embora causas benignas de alterações na mama sejam comuns (fibroadenomas e cistos, por exemplo), elas nunca devem ser ignoradas.

Sintomas 3: Angina

A doença cardíaca é a que mais mata homens e mulheres nos Estados Unidos. A maioria das pessoas entende que a dor no peito pode ser um sintoma relativo, especialmente nos casos em que há fatores de risco para doenças do coração (como diabetes, hipertensão arterial, tabagismo, histórico familiar precoce de ataques cardíacos / acidente vascular cerebral e colesterol alto).

Mas você sabia que as mulheres que sofrem de isquemia (ou a falta de fluxo sanguíneo no coração devido ao acúmulo de placa), normalmente referida como angina, podem apresentar a dor atipicamente?

Elas podem sentir dor no peito, no lado direito (ao invés de ser no esquerdo), dor na mandíbula ou mesmo dor abdominal. Qualquer um destes sinais deve ser investigado prontamente.

Sintoma 4: Perda involuntária de peso

Muitas de nós ficaria extasiada por perder facilmente alguns quilos extras. Mas a perda de peso que é não-intencional, ou seja, sem que você faça um esforço para gastar através de dieta e exercício, pode ser preocupante.

As células cancerígenas costumam reproduzir-se rapidamente, o que requer mais energia. Seu corpo gasta essa energia com o objetivo de encontrar as demandas dessas células anormais, causando perda de peso. Então, se você está emagrecendo significativa e involuntariamente, procure conversar com seu médico.

Sintoma 5: Fadiga

Esse sintoma é bastante comum em todo mundo.

As mulheres podem levar vidas estressantes e atarefadas, o que nos torna bastante suscetíveis a fadiga. E, embora seja um sintoma vago e comum, pode ser um sinal de algo mais sério. O stress, a depressão e a ansiedade são as principais causas da fadiga.

Esporadicamente, esse sintoma pode ter um diagnóstico de distúrbio da tireoide, anemia e, mais raramente, leucemia, sendo, assim, muito importante fazer exame de sangue quando apresentar fadiga.

Nota: Vale ressaltar que todo esse conteúdo é estritamente para fins informativos. Ele não substitui qualquer conselho, raciocínio ou julgamento médico. Por isso, sempre procure um médico licenciado para resolver todas as questões e problemas relacionados com a sua saúde.

Texto original em Quick and Dirty Tips.
T
radução livre de autoria do blog.