Tag: memória

Dança: O melhor exercício para prevenir a debilidade mental

O exercício pode impulsionar a saúde cerebral e diminuir o declínio cognitivo. Uma forma de exercício em particular parece produzir os melhores benefícios , a dança!

Os pesquisadores compararam as mudanças no equilíbrio e o volume do hipocampo em idosos de 63 a 80 anos, que participaram de aulas de dança, ou exercício físico, por 18 meses. Os participantes se encontraram duas vezes por semana, durante 90 minutos nos primeiros 6 meses e, uma vez por semana, no durante um ano.

As aulas de dança incluíam coreografias dinâmicas, em constantes mudanças,  com giros de cabeça, pulos e saltos, bem como etapas como mambo e grapevine dance (movimento com passos laterais, que exige coordenação). As aulas de atividade física consistiram em exercícios de resistência, movimentos de força e treinamento de flexibilidade.

Todos foram submetidos a exames cerebrais e avaliações de controle postural como medidas primárias. Na conclusão do estudo, os pesquisadores notaram aumentos significativos no volume do hipocampo esquerdo, em ambos os grupos. Os bailarinos, no entanto, mostraram aumentos em outras áreas do hipocampo também.

“O hipocampo é de especial interesse, uma vez que esta estrutura do cérebro (a) é especialmente afetada pelo envelhecimento normal e patológico, (b) desempenha um papel fundamental nos principais processos cognitivos, por exemplo, memória e aprendizagem, e (c) também está envolvido na manutenção do equilíbrio, uma função crucial para o bem-estar e a qualidade de vida “, escreveram os autores do estudo. Os dançarinos também viram melhorias superiores nos pontos de equilíbrio em comparação com o grupo da atividade física.

Mas, por que a intervenção da dança foi tão eficaz para aumentar o volume e o equilíbrio do hipocampo?

Os pesquisadores concluíram que “os desafios adicionais envolvidos em nosso programa de dança, nomeadamente a estimulação cognitiva e sensório-motora, induziram mudanças extras no volume do hipocampo além das atribuíveis apenas à aptidão física. Vale ressaltar que outros estudos em seres humanos idosos, que não impulsionaram a aptidão física, mas que eram sensório-exigentes, como aprender a fazer malabarismos, observaram aumento do volume do hipocampo também “.

O estudo foi publicado em Frontiers in Human Neuroscience (2017; doi.org/10.3389/fnhum.2017.00305).

Conteúdo traduzido de Idea

App inteligente: Mensagens de “bom dia” excluídas automaticamente

Sabe aquelas mensagens de “bom dia” que são enviadas diversas vezes pelos amigos e grupos do seu Whatsapp?! Que ao invés de transformar o seu dia positivamente, servem mais para encher a memória do seu celular?! Pois é!

Ao que tudo indica, o Google criou um aplicativo inteligente capaz de resolver essa questão. Segundo os desenvolvedores, o Files Go é programado para identificar esse tipo de conteúdo, armazená-lo e excluí-lo automaticamente do seu aparelho.

Será mesmo?! Você já testou ou utiliza algum app nesses moldes?!

Fonte: Cosmopolitan

Esquecer das coisas melhora nossa capacidade de tomar decisões

Conteúdo original Super Interessante

Deixar o que passou para trás e focar em coisas mais recentes é um exercício constante para nosso cérebro. Por conta dessa postura desapegada da central de comando é que você não se lembra do momento em que começou a andar – mas não esquece nenhum caractere da senha da conta bancária e se lembra de entregar um relatório para o dia seguinte.

O que pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, queriam descobrir era a influência disso em nossa capacidade de fazer escolhas e focar no que realmente importa. Segundo o estudo, publicado no jornal Neuron, nossa memória funciona não para que guardemos mais coisas durante o tempo, mas sim para tomarmos decisões mais inteligentes.

“Se seu cérebro se manter constantemente trazendo memórias conflitantes, isso torna mais difícil para você fazer uma decisão mais racional”, explica Blake Richards, um dos líderes do estudo.

Se nos lembrássemos com detalhes de todos os momentos da vida, teríamos de carregar memórias muito complexas. A tarefa do cérebro é simplificar essas memórias, fazendo com que fique apenas o necessário. Isso nos torna mais eficientes em fazer previsões e lidar com novas experiências.

Isso é vital para nossa adaptação em diferentes ambientes. Lugares que estão sempre em mudança fazem que precisamos nos lembrar menos. Para alguém que trabalha como caixa de supermercado, por exemplo, lembrar dos nomes dos clientes por alguns dias já está de bom tamanho. No entanto, um designer que está fechando um projeto com um grupo de clientes que encontra todo dia, tem a obrigação de levar seus nomes na ponta da língua.

A partir disso, os pesquisadores acreditam que coisas pontuais são esquecidas de forma mais rápida do que informações que temos de recorrer diariamente. Ou seja: se você não usa, você perde. E isso não é nem um pouco ruim – pelo menos no que diz respeito àquilo que você escolhe guardar.

Música ajuda a prevenir e frear desenvolvimento de Alzheimer, diz estudo

Conteúdo original Pequenas Empresas, Grandes Negócios

Toca uma música antiga no rádio e, de repente, você se vê cantando junto. Já passou por isso? Mesmo sem nem lembrar que a canção existia, de alguma forma ela estava lá, armazenada na sua cabeça.

headphones-926072_960_720

Há alguns anos, cientistas do Instituto Max Planck de Neurociência e da Cognição Humana, em Leipzig, na Alemanha, se questionaram por que pacientes com Alzheimer conseguiam se lembrar de melodias ou apresentar fortes emoções ao ouvir canções que marcaram suas vidas. Foi quando eles descobriram que a música fica armazenada em uma parte diferente do cérebro da que guarda a maior parte das nossas memórias.

O documentário “Alive Inside” mostra isso na prática. Um dos pacientes com Alzheimer retratados no filme começa a responder sobre seu passado com lucidez logo após ouvir uma música. Custódio Michailowsky, neurologista do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho, explica que o uso da musicoterapia no tratamento de pacientes com Alzheimer está bem estabelecido. “Ela pode trazer memórias passadas e retardar o processo de degeneração”, explica.

brain-2062057_960_720

Além disso, a música ainda pode ajudar na socialização do paciente. “Se a pessoa se isola, isso vira uma bola de neve. A música traz emoção, traz motivação para a pessoa. Além de fazer dançar, se mexer”, afirma Michailowsky. Portanto, pode-se dizer que ela estimula até a atividade física.

Prevenção

Mesmo quem não tem Alzheimer pode se beneficiar muito com o conhecimento musical. “É importante a ativação das atividades artísticas. Através da educação artística, o cérebro se desenvolve mais rapidamente. Pode ser pela música, escultura, desenho…”, defende o especialista. “Pessoas que têm a habilidade de ouvir uma música e tocá-la ou identificar as notas têm o lobo temporal esquerdo melhor desenvolvido”, explica. A música “exercita” diversas partes do cérebro ao mesmo tempo, o que ajuda a prevenir o Alzheimer.

the-1763660_960_720

Sensações

“Acredita-se que a única forma de nos comunicarmos com uma civilização de fora da Terra, se encontrarmos uma, é pela música”, relata, ainda Michailowsky, já que as notas musicais transmitem sensações sem precisar de palavras. “A música é muito importante. É umas das coisas que mais provocam excitação do cérebro. Além dos circuitos, há liberação de substâncias, como a serotonina e até algumas análogas da morfina”, finaliza o neurologista.

Entenda a relação entre a tireoide e o ganho de peso

Conteúdo original Mais Equilíbrio

A tireoide é uma glândula em forma de borboleta, que fica localizada na parte anterior pescoço, logo abaixo da região conhecida popularmente como ?gogó?. Tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas (no adulto). Ela age na função de órgãos importantes como o coração, cérebro, fígado e rins. Também desempenha um papel no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, no peso, na memória, na concentração e no humor. Como um maestro de orquestra, quando em perfeito estado de funcionamento, garante o equilíbrio e a harmonia do organismo. Se houver produção insuficiente ou exagerada dos hormônios tireoidianos temos o hipotireoidismo ou hipertireoidismo, respectivamente.

No hipotireoidismo, tudo começa a funcionar mais lentamente no corpo: o coração bate mais devagar, o intestino prende e o crescimento pode ficar comprometido. Ocorrem, também, cansaço excessivo; dores musculares e articulares; sonolência; pele seca; ganho de peso; aumento nos níveis de colesterol no sangue e, até depressão. Na verdade, o organismo fica todo mais devagar. Enquanto no hipertireoidismo, tudo no nosso corpo começa a funcionar rápido demais: o coração dispara, geralmente acima de 100 batimentos por minuto; o intestino solta; a pessoa fica agitada; dorme pouco, pois se sente muito acelerada, mas também muito cansada (esgotada). Nervosismo, mãos trêmulas e sudoreicas, ondas de calor repentinas e perda de peso acentuada sem intenção também aparecem.

Alguns sintomas, no entanto, são os mesmos nos dois quadros clínicos, como enfraquecimento e queda de cabelos, fraqueza e dores musculares e alterações no ciclo menstrual. Também pode aumentar as chances de aborto e do risco de osteoporose e fraturas. A semelhança entre os sintomas é um fator que dificulta o diagnóstico do tipo de doença na tireóide, por isso os exames TSH sérico e ultrassom da tireoide são essenciais para fazer o diagnóstico.

O metabolismo de uma pessoa com hipotireoidismo sem tratamento fica mais lento, logo, mesmo realizando atividade física e dieta, o organismo perde menos energia do que o esperado. Além disso, o que a balança mostra muitas vezes, espelha a maior retenção de líquidos, que aumenta o peso. Contudo, quando se começa a tratar o hipotireoidismo, pode ocorrer diminuição do peso, que é modesta e primariamente mais por perda de líquidos do que de gordura. Obesidade está associada ao diagnóstico de hipotireoidismo em menos de 5% dos casos.

Vários estudos demonstram que as pessoas que ganham peso com hipotireoidismo aumentam o peso no máximo em até 10%. E quando são devidamente tratados voltam a perder peso, desde que os vilões, como sedentarismo e alimentação inadequada sejam abordados.

No hipertireoidismo descompensado a rápida perda de peso pode ser relevante, mas após diagnóstico e tratamento, há readequação do peso. Vale lembrar, que hormônios tireoidianos não devem ser tomados com objetivo de emagrecer, já que promovem maior perda de músculos do que de gordura!

Conheça os sinais do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade em adultos

Conteúdo de Revista Suplementação

beach-880029_640

Um portador de TDAH tem a produtividade profissional seriamente danificada, o que pode afetar toda a equipe. O senso de estabelecer prioridades não é aflorado e, por isso, muitas vezes, realiza apenas o que é de interesse pessoal.

A maioria dos casos surge na infância e pode acompanhar o individuo por toda a vida. Segundo a dra. Sônia Brucki, membro do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva da Academia Brasileira de Neurologia, a maioria dos pacientes diagnosticados na fase adulta tem a doença desde criança, porém não receberam informação e apoio.

focus-809032_640

Os portadores do Déficit de Atenção apresentam alterações na região frontal e na conexão com outras partes do cérebro. Esta área é responsável por controlar os impulsos humanos, pela capacidade de prestar atenção, de memória, de organização, de planejamento e de autocontrole. Por causar dificuldades na sociabilidade, pode propiciar quadros de ansiedade e depressão. Aliás, adultos com o transtorno são mais propensos ao consumo de drogas e álcool.

Entretanto, pouco tem a ver com fatores regionais, culturais, educacionais e psicológicos. A maior causa da TDAH é genética, segundo Brucki. Por isso, o grupo de risco é composto por quem apresenta histórico familiar com a patologia.

O tratamento é realizado de forma semelhante em adultos e crianças – com medicamentos que aumentam a atenção. Mas a dica da neurologista é de incluir psicoterapia e terapia comportamental. Eles podem ter bons resultados, assim como a realização de lista de tarefas e de métodos de organização, como uso de agendas e outros meios eletrônicos.

woman-987187_640

Sinais do TDAH

Responsáveis pelo cumprimento de seus compromissos e horários, os adultos apresentam dificuldade elevada para realizar as ações diárias. “Quando não identificada na infância, os sinais mais presentes são procrastinação, falhas no trabalho, dificuldade de concentração e de realização de tarefas difíceis, que são sempre postergadas, além de mau gerenciamento do tempo e desorganização. Muitos ainda têm problemas no casamento e na direção de veículos, perdendo a carteira de motorista pelo excesso de multas”, explica.

Um portador de TDAH tem a produtividade profissional seriamente danificada, o que pode afetar toda a equipe. O senso de estabelecer prioridades não é aflorado e, por isso, muitas vezes, realiza apenas o que é de interesse pessoal.

analysis-299692_640

Segundo a Associação Brasileira de Déficit de Atenção, 25% dos adultos com esse transtorno podem apresentar dificuldade na conduta social, causando o isolamento e formando solo para depressão. O bloqueio em cumprir acordos pré-estabelecidos dificulta a manutenção de relacionamentos duradouros. Além disso, as alterações de humor e de comportamento são constantemente relacionadas ao estresse da vida agitada, dificultando a procura por diagnóstico.

Apesar de não haver cura, há controle dos seus sinais. “Não tratar acarreta em grande perda na qualidade de vida, prejudicando os aspectos sociais, afetivos e profissionais. Por isso, os sintomas devem ser bem observados, em qualquer fase da vida, e a procura por um especialista é fundamental”, conclui a neurologista.