Tag: muscular

O que é ácido lático e qual a relação com a atividade física

O que é ácido lático e qual a relação com a atividade física

Você já sentiu aquela dorzinha ardida algumas horas após um bom treino muscular?! É uma sensação de queimação local que deixa a gente cauteloso nos movimentos e só passa após os próximos treinos. Sabe porquê isso acontece?! Vem do acúmulo de lactato nos músculos.

Também conhecido como ácido lático, o lactato pode ser produzido por todo o corpo naturalmente. Ele é um resultado da rápida queima de carboidratos quando a demanda por energia é alta e a disponibilidade de oxigênio é baixa, como durante os treinos de alta intensidade.

A glicose é o combustível mais prontamente disponível do corpo, facilmente transportado e quebrado para suportar explosões curtas de exercício intenso. A glicose é metabolizada por um processo chamado glicólise, resultando em piruvato. Existem dois usos possíveis para o piruvato: produção de energia anaeróbica ou aeróbica.

Quando há bastante oxigênio, o piruvato é transformado em energia na forma de ATP através da via aeróbica. Sem oxigênio suficiente presente, o piruvato tem outro destino: a conversão anaeróbica para lactato. Então, todo aquele bufar e ofegar durante o exercício intenso é usado (entre outras coisas) para alimentar as reações metabólicas que fazem nossos músculos funcionarem.

A maioria do lactato liberado no sangue é levado ao fígado, onde pode ser convertido novamente em glicose através de um processo chamado gliconeogênese, e então liberado de volta à circulação. Os níveis de lactato no sangue aumentam gradualmente à medida que nos exercitamos. Quanto mais difícil o exercício, mais alto ele sobe; Este é um indicador de uma mudança na nossa produção de energia de aeróbica (muito oxigênio) para anaeróbica (menos oxigênio). O acúmulo de lactato é resultado da rápida quebra anaeróbica do carboidrato.

O ácido láctico é o culpado pela dor muscular, mas a produção de lactato é um processo metabólico importante. Diferentes estratégias podem ajudar a minimizar o acúmulo de lactato durante o exercício.

O aquecimento é importante para reduzir o risco de lesões e minimizar o acúmulo potencial de lactato. Durante um aquecimento, a frequência cardíaca aumenta e os vasos sanguíneos se dilatam, o que significa que há mais fluxo de sangue e mais oxigênio chegando aos músculos.

Da mesma forma, desaquecer e alongar imediatamente após um treino é especialmente relevante. O exercício suave (corrida lenta ou bicicleta leve) ou o uso de um rolo de espuma podem ajudar a eliminar o acúmulo de ácido lático do músculo, estimulando o fluxo sanguíneo e a drenagem linfática.

Este artigo foi originalmente publicado pela HVMN.
Fotos Unsplash

Resenha: A minha experiência com o Nike Training Club

Depois de um período desregrada com a rotina de exercícios, decidi que era a hora de voltar para os trilhos, praticando atividade diariamente e me alimentando bem. E quem me puxou pela mão nesse caminho foi o Nike Training Club. Para me habituar a prática constante, optei pelo programa de emagrecimento de seis semanas.

Foi fácil?! Sim e a não! A experiência de utilização no aplicativo foi mega tranquila, ele é intuitivo, de certa forma, mas não tem nenhum mistério. As janelas de navegação são de fácil manuseio, lhe oferecem as opções de uso de maneira objetiva e simplificada, as configurações são poucas e práticas. Gostei muito, a ponto de manter-me usuária após a conclusão do programa.

Foto Nike

A prática, em si, é que foi difícil. Gente do céu! É ilusão que fala, né?! Pensar que um treino de 30 minutos sem equipamento é inofensivo. Que nada!

O cronograma foi montado automaticamente e fiz diversos treinos, com duração e intensidade diversas, passando de boxe a yoga. É um treinamento bem dinâmico, o que considero super positivo, pois gosto de desafios e de novidades. Não ter aquela sequência chata e previsível, quando você já sabe o que esperar, foi motivador pra mim.

Resultado

Vi evolução sim! Na primeira semana, combinando uma alimentação saudável e limpa (sem farinhas, açúcares e produtos industrializados) com o protocolo de exercícios, de cinco a seis vezes por semana, constatei a perda de um quilo e meio.

É claro que, além de variar de pessoa para pessoa, resultado semelhante não será possível sem um alinhamento alimentar. Como sempre comento por aqui: o emagrecimento se dá em gastar mais do que se come. Não tem jeito! O aplicativo é um forte aliado, pois oferece uma rota, uma estratégia a seguir para se chegar no objetivo. Mas é preciso também um pequeno esforço focado em um resultado maior.

Foto Nike

Fora a balança (que nem sempre pode servir de base), percebi a redução de medidas, uma grande melhora na resistência e no condicionamento físico. Ao final do programa, na última semana, foi muito mais fácil executar os exercícios e controlar o cansaço.

A constante de aquecimento e desaceleração, que se mantém em quase todos os treinos, é um diferencial bacana, que apresenta um cuidado com o usuário. Gosto bastante, a desaceleração, principalmente, ajuda demais na recuperação posterior do músculo, proporcionando um pouco mais de conforto.

Conclusão

No geral, foi uma experiência positiva e reveladora. Já treino a algum tempo e julgava que tinha uma boa resposta aos estímulos. Com o aplicativo descobri novos limites, que posso ir além, continuar experimentando e me desafiando. Ultimamente sigo usuária fiel do app, com treinos isolados para desenvolvimento de grupos musculares específicos.

E, se você está pensando em experimentar, é importante ter um acompanhamento profissional, um treinamento assistido anterior com um educador físico. Tenha em mente que é essencial ter consciência corporal, conhecer seus limites, e ter controle respiratório, pois os treinamentos mais intensos tendem a desafiar nossa resistência e isso pode levar a consequências perigosas.

App de treino: Nike Training Club

Que a Nike é uma marca consolidada quando o assunto é esporte e atividade física, nós já sabemos. E agora vamos nos aprofundar um pouco mais nesse conceito na prática, com o aplicativo gratuito Nike Training Club, de treinamento e condicionamento físicos. Mais do que só apresentar uma nova opção de aplicativo, falaremos também sobre a experiência de utilização e resultados, pois eu testei um programa de emagrecimento e vou contar tudinho para vocês (na próxima postagem).

O app Nike Training Club oferece uma plataforma com diversas modalidades, treinos completos e trabalhos localizados por grupo muscular. Toda a prática é apoiada em instruções por vídeos, que devem ser carregados a cada treinamento inédito.

É possível personalizar a experiência escolhendo o tipo de treino, que pode ser:

  • por tempo, em durações variáveis entre 15 e 45 minutos;
  • intensidade, dividida em baixa, moderada ou alta;
  • nível de dificuldade: iniciante, intermediário ou avançado;
  • com equipamentos ou apenas o peso do corpo;
  • modalidade: boxe, yoga, treinos de força, mobilidade ou resistência etc.
Foto Nike

Há também os programas de treinamento, de acordo com o objetivo que o usuário pretende atingir, seja emagrecimento, condicionamento físico, desenvolvimento de força, entre outros. O sistema do app projeta um cronograma semanal com a distribuição das atividades, que tanto podem ser modificadas manualmente, para uma adequação mais confortável na rotina de quem utiliza, quanto atualizadas automaticamente, ao início de cada semana, a partir do desempenho do usuário, em tempo, esforço e cumprimento do protocolo. Assim, a experiência se torna mais individual e flexível.

Além disso, dá para ter o gostinho de treinar como uma celebridade ou atleta de alto desempenho ao escolher executar os treinos inspirados em nomes como Cristiano Ronaldo, Serena Williams, Kevin Hart e Ellie Goulding. Ele não serve apenas como uma academia portátil, pois pode também ser aproveitado como um registrador das suas atividades e aulas esportivas, um facilitador para o controle da sua rotina e evolução.

O Nike Training Club é gratuito, está disponível para dispositivos com sistema Android, na versão 4.4 ou superior, e iOS. É totalmente em português, incluindo os áudios explicativos, e, por utilizar-se de vídeos, requer 90M da memória do seu aparelho – o que pode ser um ponto negativo. Por aqui, nós nos rendemos e consideramos que o download vale a pena!

Cãibras musculares: como evitar e aliviar

Conteúdo original Minha Vida

Dolorosas e extremamente desconfortáveis, as cãibras são por definição, a contração involuntária de um músculo esquelético que tem sua ação de contrair e relaxar realizada através de estímulos nervosos comandados pela vontade, ou seja, de maneira voluntária.

Na atividade física (esportiva ou não) aparecem como sintoma da fadiga, de esforços que já esgotaram nutrientes, enzimas, eletrólitos, água entre outros, prejudicando o comando responsável pela ação de músculos durante a cadeia de movimento requerida para o gesto esportivo realizado naquele instante.

Algumas doenças crônicas e algumas medicações de uso contínuo podem ter a cãibra como efeito secundário. Claro que são as mesmas da atividade física mas completamente diferentes na sua causa primária.

Evitar a cãibra não é tarefa muito simples pois seu aparecimento é multifatorial e aqui vão algumas poucas recomendações.

Como evitar cãibras musculares

  • Mantenha-se hidratado constantemente: essa recomendação – reposição hídrica, vale para o dia a dia e não só para aquele em que a atividade ocorre ou mesmo durante sua execução. Evite dias e horários de calor mais intenso. O controle da temperatura corporal nessas ocasiões fará com que se perca mais água e eletrólitos do que nos dias frescos. Note que muitos maratonistas usam a água para resfriar o corpo, às vezes, pois consideram-se bem hidratados e sabem da importância do controle da temperatura corporal

  • Evite o frio intenso: a contração muscular faz parte do aquecimento para manter a temperatura corporal. Estímulos nervosos contínuos para a produção de calor podem resultar em cãibra

  • Faça provas e competições do tamanho do seu preparo físico. Lembre-se que a fadiga é o gatilho para as cãibras. Saber seu limite é fundamental para que ela não ocorra

  • Tenha uma boa noite de sono na véspera das competições e de esforços intensos. Evite o consumo de álcool pois ele é causador de desidratação aguda, tudo o que você não vai querer para o dia seguinte.

Bem, mas, e se apesar de todos os cuidados, a cãibra ocorrer? O que fazer? Hum, muito cuidado nessa hora. Como comentei, a cãibra deixa o músculo em um estado prolongado de contração e para “desfazer” deve-se alongá-lo. Simples, não é? Não!

Recomendações básicas para aliviar as dores

  • Se você for o sofredor, tente se concentrar e “comandar” novamente o músculo para relaxar e desfazer a contração. Imaginar o movimento contrário ao que ele tenta fazer pode ser a saída. Ele deverá relaxar para permitir esse gesto necessário para o movimento proposto

  • Não funcionou voluntariamente, ativamente, peça para alguém fazer esse movimento por você. Mas cuidado – deve ser realizado de maneira extremamente gentil pois é movimento antagônico ao comando de contração. Lembre-se que o músculo não alonga (contrai e relaxa) e se a força for excessiva a cãibra torna-se uma ruptura muscular, afastando-o por mais tempo da atividade física.

E, finalmente, não existe remédio para a cãibra nos esportes, exceto seguir as regras gerais de um bom condicionamento e uma vida saudável. Respeite seus limites e seja feliz!

Aprenda a dar um banho de cheiro no seu corpo

Conteúdo original Bons Fluídos

Expressão de carinho nordestina, o banho-de-cheiro correu o país na voz de Elba Ramalho como um jeito maroto de manifestar carinho. O banho natural, dado no corpo inteiro para atrair coisa boa e afastar coisa ruim, também não foge à definição: é uma manifestação de carinho ao seu corpo e espírito.

Levada ao pé da letra, uma atmosfera de aromas tem tudo a ver com o banho, quando envolvemos o corpo numa esfera de calor e total delicadeza. Desbloqueia energia represada, que nos deixa tensos e amplia a percepção sobre os nossos limites e contornos – um processo que ajuda a manter a autoestima.

Presente aromático

Em casa, pingue na água da banheira dez gotas de óleo essencial cujo efeito é desejado.
1. Lavanda e citrus, por exemplo, são opções revitalizantes e ajudam quem procura descansar.
2. Rosmarinho é estimulante, por isso não deve ser usado à noite.
3. Camomila acalma.

Para usufruir dos benefícios dos óleos essenciais no chuveiro, pingue uma ou duas gotas do produto numa luva ou esponja e espalhe sobre o corpo molhado (o óleo essencial não pode ter contato direto com a pele seca).

As aromaterapeutas Christiana Penna e Camila Passarelli, de São Paulo, formularam um banho aromático à base de ervas ideal para reduzir o estresse mental e muscular. Os ingredientes incluem: 20g de alecrim (tonificante), 20g de alfazema (refrescante), 10g de camomila (sedativo) e 10g de sálvia (desintoxicante).

Modo de fazer

Misture as ervas desidratadas (prefira as sem agrotóxicos, vendidas em casas de produtos naturais). Separe 20g e coloque em 1,5 litro de água fervente. Tome banho normal e no final, com uma esponja, derrame o preparado sobre a pele. Por cautela, grávidas e pessoas com pressão baixa devem pedir orientação a um aromaterapeuta.

Dor depois da atividade física: Mitos e Verdades

Por Jessica Moraes em Mais Equilíbrio

weights-869225_640

Quem pratica dança, musculação ou outro exercício de intensidade provavelmente já sentiu fortes dores musculares, que podem indicar uma carga acima da capacidade individual. Apesar dos benefícios que a atividade física oferece é preciso ter cuidado com os excessos.

O especialista em ortopedia Bernardino Santi explica como a intensidade da dor pode revelar a efetividade do exercício: “Essa sensação de ‘músculo pesado’ pode significar que o exercício teve o efeito inverso e causou danos ao organismo. Esse desconforto pode ocorrer logo após a atividade ou, até mesmo, alguns dias depois. Ele costuma aparecer quando há uma mudança, retomada ou aumento de intensidade na atividade, e seus efeitos, positivos ou negativos, variam de acordo com a intensidade da dor”.

ballet-dancer-865027_640

Por isso a situação deve ser avaliada para cada caso. A Dor Muscular Tardia, por exemplo, é a mais frequente e se caracteriza pela sensação de dor, cansaço muscular com diminuição da elasticidade muscular e diminuição de força nos músculos utilizados. Isso ocorre por consequência de microtraumas causados no tecido muscular.

Mas este sintoma indica que, necessariamente, o exercício não fez bem ao corpo? A dor muscular leve, após a prática de atividades físicas, é comum e não significa necessariamente lesão muscular. “Caso os sintomas de dor se agravem ou continuem por mais de cinco dias, um especialista deve ser procurado para indicar um tratamento e analisar mais profundamente o quadro, que pode significar um problema mais sério. Respeite os sinais de seu corpo e saiba dos seus limites”, observa Santi.

O especialista expôs oito mitos e verdades mais comuns sobre o tema, explicando cada um deles:

1) A dor muscular após exercícios é sempre negativa – MITO

A dor muscular que acontece após o esforço físico é diferente das lesões musculares. A dor leve após a atividade física é comum em muitos casos, mas, se for forte e ocorrer em pequenos esforços, pode significar que há lesões, entorses ou outras complicações sistêmicas.

athlete-847657_640

2) Sentir dor após o exercício físico pode ser sintoma de outro problema físico – VERDADE

A dor pode significar uma série de quadros, incluindo lesões como luxações, distensão muscular, rupturas dos tendões e até fraturas. Esses são problemas mais sérios e podem ser consequência de excesso em intensidade ou carga de exercícios.

3) Outros órgãos ou medicamentos podem ser responsáveis pelas dores – VERDADE

Não se deve nunca descartar problemas em outros órgãos ou sistemas que podem ser causadores dos desconfortos musculares. Alguns medicamentos anticolesterol podem causar estas dores musculares, portanto deve-se sempre avaliar o paciente individualmente.

4) Há mais de um tipo de dor que seja possível sentir após atividade física – VERDADE

A dor aguda, que é outro tipo de dor, ocorre durante ou imediatamente após o exercício. Ela reflete sinais de fadiga e representa a consequência da produção de substâncias químicas decorrentes do exercício e que são eliminadas dentro da primeira hora de repouso.

5) Sentir dor após a musculação é comum e o desenvolvimento muscular só acontece quando isso ocorre após o exercício – MITO

training-828741_640

Este é um dos equívocos mais comuns. A dor não é necessária e o músculo pode crescer apenas com tensão. A maioria das pessoas pensa que a sensação de dor é necessária para o crescimento muscular, mas é possível ganhar massa muscular sem sofrê-las, sejam elas leves ou intensas.

6) Deve-se evitar o uso do músculo que está dolorido – MITO

A dor não é necessariamente um aviso para interromper as atividades daquele músculo. Exercícios posteriores podem aliviar as dores, apesar de agravá-las no início. É um sinal de que o corpo está se acostumando com a atividade.

7) As dores musculares podem ser evitadas, mesmo com a prática de exercícios – VERDADE

Quando a atividade é praticada regularmente e você acaba adquirindo condicionamento físico para treinos mais puxados, as dores tendem a diminuir ou sumir. Fazer alongamentos também pode prevenir os atletas esporádicos de eventuais lesões.

training-828764_640

8) Apenas o tempo pode curar a dor muscular – MITO

Alguns suplementos alimentares combinados às vitaminas C e E podem colaborar para o tratamento da dor. Outras ações como massagem suave no local, acupuntura, terapia com florais, compressas quentes e frias e shiatsu também podem ajudar!