Publicado em Música

Jessie Reyez, a voz que vale a pena ouvir

Dona de um estilo bem natural, e certa lembrança dos traços marcantes de Frida Kahlo, a cantora e compositora canadense Jessie Reyez,  é dona de um timbre que vale a pena ser ouvido.

Filha de pais colombianos, Jessie batalhou bastante até conseguir ocupar um lugar de respeito. Com voz rouca e letras fortes, de muita personalidade e bagagem pessoal, a jovem de 26 anos está despontando na cena musical, principalmente após a gravação de Hard to Love, em parceria com Calvin Harris (é um hino!). A fotografia é linda e a mensagem bem representativa, sobre relacionamento, sentimento e entrega.

Gostou?! Para conhecer a tradução e cantar junto, clique aqui.

Pelas redes e canais de música é possível encontrar um pouco mais do trabalho de Jessie Reyez. O single mais conhecido é Figures, parte do seu álbum de estreia, Kiddo, lançado no ano passado (2017).

Em março, ela foi contemplada no Juno Award, premiação que a consagrou como Artista Revelação do Ano de 2018. É para ficar de olho, pois ela promete! 👀 🎧

Anúncios
Publicado em Música

Música pode contribuir no tratamento contra a hipertensão, diz estudo

Boas novas: a música pode potencializar os efeitos de medicamentos contra a hipertensão arterial, conforme revelou uma pesquisa desenvolvida pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), em parceria com a Faculdade de Juazeiro do Norte, a Faculdade de Medicina do ABC e a Oxford Brookes University (Inglaterra).

O estudo identificou os benefícios da associação em 37 pacientes, os quais foram avaliados durante dois dias. No primeiro, ouviram música durante uma hora, logo após ingerir a medicação. Já no segundo dia, os participantes foram normalmente medicados e usaram fones, porém sem nenhum som. “Nós concluímos que a música intensificou, em curto prazo, os efeitos benéficos do medicamento anti-hipertensivo sobre o coração”, disse Vitor Engrácia Valenti, coordenador do estudo e professor do Departamento de Fonoaudiologia da Unesp.

Para a análise dos efeitos causados pela música foi aplicado o método da variabilidade da frequência cardíaca, preciso e sensível para avaliar as alterações no coração. Nos resultados, observou-se a desaceleração dos batimentos e a redução da pressão arterial.

A partir de estudos realizados em animais, a hipótese dos pesquisadores para os resultados da associação entre o anti-hipertensivo e a música é de que a combinação aumenta a absorção dos remédios pelo organismo. “[A música age sobre] um nervo que estimula o sistema gastrointestinal, causa uma vasodilatação e aumenta a absorção no intestino. Podemos supor que a música acelera a absorção do medicamento pelo intestino”, explicou o coordenador do trabalho.

Além de potencializar o tratamento em pacientes cardíacos ou hipertensos, Valenti acredita que a música pode se tornar um método auxiliar para prevenir o desenvolvimento da doença em pessoas com essa propensão. “A música pode ser associada com o medicamento para melhorar ainda mais a saúde dos pacientes, até preventivamente, quando a pessoa tem risco de desenvolver uma doença cardiorrespiratória”, acrescentou.

Publicado em Apps e Tecnologia

Tomtom Runner 3: conheça a nova linha de relógios esportivos

A TomTom lançou nesta semana uma nova linha de relógios esportivos com GPS: O Runner 3. Os modelos chegam equipados com a função inédita de exploração de rotas, na qual você pode fazer o upload de percursos inexplorados pelo site MySports diretamente para o seu relógio.

Além disso, toda vez que você pegar a estrada, seu rastro no GPS será mostrado na tela do relógio, ajudando-a a encontrar o caminho de volta. A ideia é garantir mais confiança ao consumidor que deseja explorar novos rumos, já que ele saberá o percurso da ida e da volta. As rotas ainda poderão ser facilmente compartilhadas com os amigos após uma corrida.

“Ao lançar esta nova função de exploração de rotas a TomTom quer inspirar os corredores a obterem ainda mais do seu treinamento, aumentando as distâncias com confiança e explorando rotas novas e empolgantes”, disse Júlio Quintela, diretor de Marketing e Vendas para a América Latina.

Além da novidade, o Runner 3 monitora o número de passos, calorias, distância, tempo de atividade e até o sono. Em modo de esporte, oferece informações para corrida, natação, ciclismo, bike indoor e ginástica. Em cada uma das opções você tem acesso a estatísticas importantes para o seu treino como tempo, distância, velocidade, ritmo e calorias queimadas.

O Runner 3 também ganhou novas pulseiras, mais finas e com uma grande variedade de cores, e chegará ao mercado em quatro diferentes versões:

  • TomTom Runner 3;
  • TomTom Runner 3 Music (com leitor de música embutido);
  • TomTom Runner 3 Cardio (com monitor de frequência cardíaca embutido);
  • TomTom Runner 3 Cardio + Music (com monitor de frequência cardíaca embutido e armazenamento de até 500 músicas).

A linha custará a partir de R$ 999.

Conteúdo Women’s Health Brasil
Fotos de divulgação

Publicado em Alimentação

São Paulo recebe Festival Vegano de Inverno neste final de semana


Para quem está por São Paulo e arredores, curte o universo vegano e um ambiente para toda família com atividades, comidinhas e música não pode perder mais uma edição gratuita do Festival Vegano de Inverno.

A festança ocorre na Vila Mariana e conta com festival de sopas, caldos, bebidas e doces quentes, além, também, dos tradicionais pratos, lanches e salgados exclusivos do local do evento, o Vegan Park.

A música ao vivo ficará por conta de bandas e DJs convidados. Os pets podem fazer parte da festa #petfriend e as crianças também têm um espaço gratuito reservado para a diversão.

Aos que já estiverem com a agenda cheia, programem-se: o Festival Vegano acontecerá em dois finais de semana consecutivos; amanhã e domingo (dias 12 e 13) e no próximo (19 e 20).  👉 O leitor do blog pode ficar tranquilo, que nós o lembraremos na semana que vem! 😉

Atenção aos horários: amanhã (sábado), o festival começa às 12h e vai até às 22h. No domingo o início é o mesmo, às 12h, e termina uma horinha mais cedo, às 21h.

O local tem acessibilidade, bicicletário próprio (dá para ir de bike) e estacionamentos próximos. O endereço do Vegan Park é Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 83, na Vila Mariana, nas proximidades do Metrô Ana Rosa. A entrada, vale lembrar, é gratuita!

Quem for, passa por aqui e conta pra gente como foi, tá?! 😋 Bom final de semana!

Publicado em Música

O alívio pela música

Conteúdo original Isto É

O gerente de sistemas paulista Rodrigo Pereira, 40 anos, é doador assíduo de sangue. Na manhã da quarta-feira 3, quando se preparava para mais uma doação no Banco de Sangue do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, surpreendeu-se com uma oferta singela no gesto, mas intensa no resultado. Foi convidado a ouvir música enquanto passava pelo procedimento. Ao som de “Passarinhos”, de Emicida, o processo foi bem mais gratificante do que costuma ser. A canção é dessas que alegram qualquer alma e, no caso de quem está fazendo uma boa ação, como Rodrigo estava, alegra ainda mais. “Foi um relax”, conta. “Até esqueci que tinha uma agulha no meu braço.”

A iniciativa faz parte de um projeto recém-iniciado na instituição paulista cujo objetivo final é identificar com precisão científica os benefícios que a música traz no cuidado com o corpo. A investigação está alinhada com uma vertente crescente de pesquisas que pretendem aprofundar os efeitos sobre a saúde de métodos complementares, como o uso da música ou das artes plásticas.

Para quem ainda encara abordagens assim com preconceito, a ciência responde com evidências cada vez mais sólidas de que elas têm espaço real no bem-estar das pessoas. Uma das provas recentes foram os resultados de uma revisão de 52 estudos a respeito de câncer e música feita na Drexel University, nos Estados Unidos. A principal conclusão foi a de que ouvir música melhora muito a qualidade de vida dos pacientes. “O bem-estar e o prazer influenciam positivamente a recuperação dos pacientes”, afirma o cirurgião gastrointestinal Sidney Klajner, presidente da instituição paulista.

EFEITO MOZART

Em sua iniciativa, o Albert Einstein criou vinte playlists com base em sugestões dos seus profissionais de saúde, curadores do serviço de streaming de música Spotify e nas certeiras considerações do maestro Walter Lourenção. Aos 87 anos, o músico contribuiu para a seleção das canções eruditas que tocam na sala de Hemodinâmica, onde são realizados procedimentos como a colocação de stents (dispositivos para desobstruir artérias). Foi uma contribuição preciosa.

Era costume da equipe médica ouvir música em som ambiente, e o paciente acabava escutando também. Em uma dessas vezes, o paciente era o maestro. Foi tudo muito bem, ele agradeceu ter podido ouvir também, mas fez uma observação. Na trilha, estava um réquiem, peça feita para homenagear alguém que morreu, para que descanse em paz. Considerando a situação, não seria de fato uma boa escolha.

Hoje na playlist da Hemodinâmica não há mais réquiem. Há preponderância de clássicos que evocam sentimentos positivos, como as em tom maior. Esses causam o chamado efeito Mozart, em referência à obra do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart. “E são todas instrumentais. Árias, coros e duetos podem incomodar um pouco”, diz o cardiologista – e guitarrista – Adriano Caixeta.

O outro serviço no qual os pacientes do Einstein são convidados a escutar uma trilha enquanto se submetem aos procedimentos é o do exame de ressonância magnética. Quem já passou por um desses sabe o quanto ele pode ser desconfortável por causa do barulho e da sensação de claustrofobia que provoca em muita gente. O paciente escolhe a playlist e a ouve por meio de um fone especial acoplado ao aparelho. Era a primeira vez da paulista Francisca Lemos, 47 anos, na máquina. Estava lá para investigar a origem de sua dor nas costas. Francisca pôs para tocar Roupa Nova, uma das bandas de maior sucesso nos anos 1980. “Acabei me sentindo bem melhor”, diz.

Por enquanto, os estudos ainda não estão desenhados (precisam, por exemplo, serem submetidos ao Comitê de Ética do hospital). A coordenação dos trabalhos está a cargo de Eliseth Leão, pesquisadora de música e saúde há 21 anos. “Está demonstrado que escutar canções favorece o controle da dor e reduz a ansiedade”, afirma. A terapia também auxilia no tratamento da Doença de Alzheimer, caracterizada pela perda gradual da memória. As lembranças musicais estão entre as últimas a se perderem. Mantê-las vivas é a forma de preservar a conexão que resta do paciente com o mundo, fazendo emergir lá de dentro emoções que contam a história de cada um. Nesta tarefa, a música é mesmo imbatível.

O SOM DO CORPO

A evidência dos benefícios da música para o organismo é sólida. Alguns deles:

  • Reduz a ansiedade
  • Diminui a dor
  • Auxilia no tratamento do Alzheimer. Uma canção é uma das últimas memórias a serem esquecidas

Nas seleções do hospital, a variedade de canções contempla gostos e idades. Algumas delas:

  • My girl (The Temptations)
  • Garota Nacional (Skank)
  • Mulher de Fases (Raimundos)
  • Body and Soul (Billie Holiday)
  • Summertime (Chet Baker)
  • Let it go (tema de Frozen)
  • Perdoa (Paulinho da Viola)
  • 24k Magic (Bruno Mars)
  • Laudate Dominum (Wolfang Amadeus Mozart)
  • Sonata para Piano no. 8 (Ludwig van Beethoven)
Publicado em Música

Músicas que vão acabar com a sua ansiedade

Conteúdo original Pequenas Empresas, Grandes Negócios

música pode ser uma grande aliada de pessoas que precisam chegar a um determinado estado de espírito: dependendo da playlist, dá para ficar mais acordado, concentrado e feliz ou menos ansioso.

Com o objetivo de ajudar pessoas que sofrem com a ansiedade, a Mindlab, consultoria britânica especializada em soluções em neurociência para empresas, resolveu criar a lista de músicas perfeitas para resolver este problema.

Para escolher as canções, segundo a “Inc.“, a Mindlab fez uma bateria de testes com grupos de voluntários. Na pesquisa, eles eram orientados a resolver problemas de lógica enquanto ouviam músicas. Todos estavam conectados a sensores.

Algumas das músicas tocadas diminuíam a intensidade da região do cérebro que funciona mais em situações de estresse e ansiedade e, segundo a Mindlab, facilitavam a resolução dos desafios.

A canção mais eficaz contra a ansiedade, que reduziu em média 65% da ansiedade dos participantes do experimento, é “Weightless”. Composta pelo grupo Marconi Union, a música teve a colaboração de terapeutas para ser feita. O compasso lento e o fundo de tons graves diminuem os batimentos cardíacos e os níveis de cortisol, o hormônio do estresse e da ansiedade, na corrente sanguínea, de acordo com a consultoria.

Confira abaixo “Weightless” e as outras canções mais eficazes contra a ansiedade, segundo a Mindlab 🎧 :