Tag: negatividade

Gratidão: o antídoto contra a depressão e chave da felicidade

Conteúdo original Mais Equilíbrio

Por desconhecerem os estragos que provocam na saúde e qualidade de vida, muitas pessoas vivem em numa cultura d​e​ reclam​ação, queixa e vitimização. Cultura que comumente é reforçada nos momentos de crise​​​​ quando as pessoas tendem a ficar ainda mais negativas​.​

Segundo o pesquisador e especialista em Saúde Quântica Wallace Liimaa, todas as vezes que as pessoas se colocam ​numa condição de​ vítimas ou f​ocam​ ​sua energia em problemas,​ ao invés de soluções​, elas entram em uma situação de ​medo, insegurança e ​escassez. “Se você expressa e coloca muita energia naquilo que não quer, muitas vezes você acaba atraindo​ que o​ problema​ se repita de maneira cíclica na sua vida​”, alerta o especialista, que dá um exemplo prático.

“Imagine alguém que tem um problema de relacionamento e, ​ao invés de​ ter uma nova atitude e​ ​buscar uma solução, ​apenas​ reclama do outro e achar que ​só ​ele é ​quem deve mudar: essa pessoa ela ​irá​ se ​vitimizar​ e essa ​vibração ​negativa vai fazer com que esse problema ​tenda a se​ rep​etir​​ nos demais relacionamentos que ela venha a ter.​ Além do mais, esse estado tende a elevar os hormônios do estresse no corpo, fragilizando o sistema imunológico e reduzindo os neurotransmissores serotonina e dopamina que funcionam como antidepressivos naturais.

“​O especialista garante acredita que é possível​ reverter essa situação, ​treinando a mente para expressar, cotidianamente, ​o sentimento de gratidão. “​Acostumar-se a expressar o sentimento de gratidão por mínimas coisas, logo ao acordar, irá trazer um novo colorido ao dia. ​E mesmo diante de um desafio, ​procurar ver o lado bom proporcionado pelo desafio para a sua evolução pessoal. Essa atitude irá promover uma mudança na química corporal devido à presença dos neurotransmissores serotonina, dopamina, oxitocina e endorfinas que funcionam com antidepresssivos naturais. ​

Agradecer leva as pessoas para​ um​ outro patamar e cria condições para atrair prosperidade e abundância”, destaca, indicando que as pessoas pratiquem o exercício da gratidão diariamente. “Agradeça as pequenas coisas da sua vida, como estar vivo, ​a água que bebe, o ar que respira, ​a alimentação ou então o brilho do sol. Isso fará de você uma pessoa mais​ feliz, saudável e ​ próspera em todos os níveis”, sugere.

A frequência da gratidão: ações práticas  

Wallace, que também é idealizador do portal Saúde Quantum, ensina por que a gratidão ajuda a atrair coisas boas: quando a pessoa está na frequência da gratidão, ela ativa e fortalece novas redes neurais. “A frequência da gratidão cria campos eletromagnéticos e vibrações positivas no corpo​, ​que funcionarão como uma antena para atrair situações favoráveis e pessoas positivas para a vida dela. ​Assim​,​ as pessoas irão conseguir se conectar com aquilo que realmente ​desejam de bom para suas vidas​”, afirma o pesquisador, e completa que o simples fato de sair da vibração de reclamação para a vibração de gratidão já altera o estado ​de ser ​da pessoa e ​contribui para que​ o dia te​nha​ um novo brilho.

O especialista indica que fazer uma lista de coisas pelas quais se sente grata em um caderno é uma ótima aposta para ​começar a exercitar a gratidão. “Anote todos os dias, logo pela manhã, aquilo pelo que você foi grato do dia anterior. E também podem ser anotadas simples coisas que te deixaram mais feliz​. Sempre que possível busque expressar a gratidão às pessoas através de um abraço. Isso aumenta os níveis de oxitocina no corpo, chamado de hormônio do amor.​”, recomenda.

Ele explica que essa prática irá mudar as vibrações ao longo do dia, deixando a pessoa mais positiva e preparada para enfrentar os desafios ​com o olhar voltado para as soluções e para o aprendizado que o desafio oferece​.​ Isso irá criar o ambiente positivo para que as soluções apareçam.​

Portanto, Wallace desafia que as pessoas comecem hoje mesmo essa prática, para deixar a negatividade de lado e parar de reclamar e se vitimizar. Isso permite até mesmo ressignificar ​os problemas ​e procurar sempre vê-los como ​uma forma de crescer​,​ aprender​ e evoluir​. “Comece ​agora a ​agradece​r​ por tudo que já viveu até hoje, ​de bom ou ruim, ​pois nessa vibração d​a​ gratidão​ não terá mais tempo ruim e você se tornará uma pessoa cada vez mais saudável, feliz e próspera​ ​e​ cada dia ​será melhor do que o outro​”, finaliza.

Reclamar demais pode fazer mal para a saúde, diz estudo

Conteúdo original Minha Vida

Todos nós vivemos cercados por hábitos, que determinam ações cotidianas e também pensamentos. Grande parte das reclamações que fazemos ao longo do dia, por exemplo, fazem parte de um ecossistema de negatividade difícil de ser quebrado.

De acordo com o cientista e filósofo Steve Parton, do Psych Pedia, esses hábitos negativos reestruturam o cérebro, facilitando o surgimento de novos pensamentos ruins no futuro, de forma aleatória. Inclusive, reclamar demais pode até enfraquecer o sistema imunológico, provocando o aumento da pressão arterial.

Parton explica que as informações dentro do cérebro fluem de um neurônio para o outro através das sinapses. Estas, por sua vez, são separadas por um intervalo chamado fenda sináptica. Quando você tem um pensamento, um pulso elétrico sinaliza a sinapse para disparar uma reação através da fenda para a outra sinapse, formando uma ponte para o sinal elétrico.

queen-1785477_960_720

“Toda vez que essa carga elétrica é acionada, as sinapses ficam mais juntas, diminuindo a distância que a carga elétrica tem que atravessar”, afirma Parton. Dessa forma, quanto mais você faz comentários ruins e reclamações, mais facilmente esses pensamentos serão repetidos pelo seu cérebro.

“Pela repetição do pensamento, você aproxima cada vez mais as sinapses que representam essas inclinações negativas e, quando surgir o momento oportuno, o pensamento que surgirá primeiro será o que tem a menor distância para percorrer, o que irá criar uma ponte entre sinapses mais rápido”, explicou o cientista.

Além disso, a raiva e a frustração geradas pelas reclamações fazem o organismo liberar cortisol, o hormônio do estresse. O aumento do cortisol no organismo contribui para uma maior pressão arterial e colesterol, enfraquecimento do sistema imunológico e problemas de aprendizagem e memória, de acordo com Parton. Os efeitos do cortisol podem também contribuir para o aumento do risco de diabetes, doenças cardíacas e obesidade.

O cientista também alerta que conviver com pessoas negativas e que reclamam muito pode ter um efeito ruim igualmente ruim na sua saúde. Isso acontece por causa da empatia, que mesmo inconscientemente nos faz compartilhar as emoções de nossos amigos, realizando sinapses semelhantes em nossos próprios cérebros.

Pesadelos Reais + Auto-exigências: combinação perigosa!

Este texto é uma reflexão da Ivana, uma artista que comanda uma página muito bacana nas redes sociais, mesclando ilustrações com situações cotidianas muito comuns (daquelas que a gente se identifica mesmo).

Julguei interessante e válido para uma segunda-feira, excelente para refletir e, quem sabe, tomar novas posturas e posicionamentos na vida.

“Um belo dia acordamos e estamos levando a nossa vida “normalmente”, com nossos pensamentos e compromissos “normais”, executando coisas “normais”, achando que tudo está certo.

Até o momento que você passa por uma situação bizarra com uma combinação explosiva e destruidora: o puxão de orelha. O problema é quando ele passa da conta, te deixa sem reação, sem pensamento nenhum.. você se vê numa ilha cercada de monstros que viviam dentro da sua cabeça.

11219504_815530925190008_1239556163160039960_o

No primeiro momento o pensamento é MORRER: ‘realmente, não tenho jeito, sou péssima, não me esforcei o suficiente…’ e se afunda num poço fundo e escuro, ouvindo essas vozes venenosas (sim, elas são) que habitam o pensamento.

Então você pensa: mas por que eu estou tão mal? (como se já não fosse óbvio ficar mal) E chega à conclusão que você acabou de ouvir tudo o que mais temia: QUE VOCÊ É UMA FARSA! Isso mesmo! Você acabou de ser pega! Ó meu deus, descobriram meu segredo!

Você acabou de escutar absolutamente TUDO que mais temia: alguém falando que você NÃO ESTÁ FAZENDO O SERVIÇO DIREITO. Nesse momento, o choro já está incontrolável, sua garganta parece que tem um gato dentro e parece que nada mais faz sentido.

A visão fica turva e o pânico toma conta. Mas em algum momento uma voz fininha grita lá dentro de você: HEY, GAROTA! CALMA, põe a cabeça no lugar! E vem uma força não sei de onde dizendo: PONDERE essas informações, não é possível que você seja tão ruim assim! Tem algo errado nessa história… 

11165063_815530921856675_4102961685609226710_o

Aí, você resolve abrir seu coração para algumas pessoas e elas te trazem novamente um pouco pra realidade e ajudam a analisar as coisas sem pânico, sofrimento ou desespero. Sua consciência vai voltando e você enxerga UMA LUZ no fim do túnel… mas não supera a dor, essa já é visto que vai demorar para passar.

A conclusão é que você ouviu de alguém aquilo tudo que você diz para si mesma todos os dias: FAÇA MAIS! BUSQUE MAIS! AINDA NÃO É O SUFICIENTE… MAIS MAIS MAIS!!!! Ou seja, o quão RUIM e MÁ eu sou comigo mesma?! Por que me cobrar tanto, querer tudo perfeito, ser a melhor, se superar a cada dia?

Foi aí que eu ouvi algo muito libertador: “Ivana, você pode ser apenas uma menina normal, fazendo trabalhos normais, com uma vida normal… e tá lindo assim! Você não precisa ser tudo isso a que você se impõe! E se você ouviu tudo isso, é que de certa forma você buscou, você quis que esse momento chegasse…” E ele chegou. Lavou a mim e minha alma, e me mostrou o quão monstro eu posso ser comigo mesma.

Percebi também que não posso me fazer de vítima, pôr a culpa nisso ou naquilo… é preciso aprender com cada passagem, sentir essa vergonha e dor profunda, deixa-las ficarem comigo o tempo que quiserem…. para finalmente conseguir levantar a cabeça!

É preciso assumir que passei da conta, é preciso se permitir sentir dor… E, quando estiver pronta/curada/cicatrizada, seguirei caminhando… meio lerda, meio lenta, meio atrapalhada, mas do meu jeito. E se minha evolução psicológica permitir, não me cobrar tanto e ver que ser normal, como sempre fui, será uma libertação.”

Por que gostamos de ouvir música triste?

Música triste pode evocar emoções positivas, revela um novo estudo realizado por pesquisadores japoneses publicado na revista Frontiers in Psychology (Fronteiras na Psicologia). “Os resultados ajudam a explicar porque as pessoas gostam de ouvir música triste”, diz Ai Kawakami e colegas da Universidade de Artes de Tokyo e do RIKEN Instituto de Ciência do Cérebro, no Japão.

violin-374096_640

Kawakami e seus colegas pediram a 44 voluntários, entre músicos e não-especialistas, para ouvir duas peças de músicas clássicas tristes e uma peça de música alegre. Cada participante foi obrigado a usar um conjunto de palavras-chave para avaliar tanto a sua percepção da música, quanto o seu próprio estado emocional.

As peças tristes de música incluíam “La Séparation” em Fá menor, de Glinka,  e “Sur Mer” em Sol menor, de Felix Blumenfeld. A peça de música alegre foi a “Allegro de Concierto” em Sol maior, de Granados. Para controlar o efeito “feliz” da chave principal, eles mesclaram pedaços das duas peças, tocando trechos das peças tristes na alegre e vice-versa. [Você também pode ouvir as músicas e vivenciar essa experiência, basta clicar nos nomes das composições.]

Os pesquisadores explicaram que a música triste evoca emoções contraditórias porque os participantes do estudo tenderam a senti-las como trágicas, menos românticas, e menos alegres do que eles mesmos se sentiram ao ouvir.

“Em geral, a música triste induz tristeza nos ouvintes e tristeza é considerada como uma emoção desagradável. Se a música triste, na verdade, evoca apenas emoção desagradável, nós não queremos ouvir”, escreveram os pesquisadores.

“A música que é percebida como triste, na realidade, induz a emoção romântica, bem como a emoção triste. E as pessoas, independentemente de sua formação musical, experimentam esta emoção ambivalente ouvindo a música triste”, acresceram.

Além disso, ao contrário da vida diária, a tristeza experimentada através da arte, na verdade, gera uma sensação agradável, possivelmente porque não representa uma ameaça para a nossa segurança. E isso pode ajudar as pessoas a lidarem com as suas emoções negativas na vida cotidiana, concluíram os autores.

“A emoção vivida por música não tem nenhum perigo direto ou dano ao contrário da emoção vivida no dia a dia. Portanto, podemos ainda desfrutar de emoção desagradável, como a tristeza. Se sofrermos da emoção desagradável evocada através da vida diária, a música triste pode ser útil para aliviar a negatividade dessa emoção”, acrescentaram.

Jornal de referência:
Kazuo Okanoya, Kentaro Katahira, Kiyoshi Furukawa, Ai Kawakami. Sad music induces pleasant emotion. Frontiers in Psychology, 2013; 4 DOI: 10.3389/fpsyg.2013.0031

Captou a mensagem? Isso significa que nem sempre o desejo de escutar uma música triste ou sentir-se bem ao ouvi-la é um sinal de depressão ou infelicidade. Mais do que um estado, é uma experiência emocional. Apenas uma válvula de escape para externar toda a negatividade presente na sua vida.

Então, se joga no bode, cante alto, se apegue na sofrência e desapegue de tudo que é ruim, pra ser mais leve, menos estressado e mais feliz.

Fonte: Science Daily
Tradução literal de autoria do blog.