Publicado em Receitas

Receita: Torta tipo omelete com borda

Foto Cozinha Fit e Fat
Ingredientes
  • 1 abobrinha grande
  • 2 xícaras de frango cozido, desfiado e temperado
  • 6 ovos
  • ½ cebola picada
Preparo:
  1. Com um descascador de legumes, faça lâminas/fatias de abobrinha (de 20 a 25 unidades). Não descarte o meio que sobrar. Com um ralador, rale-o para usar no recheio.
  2. Com as lâminas da abobrinha, faça rolinhos recheados com 1 xícara de frango cozido, desfiado e temperado.
  3. Com os rolinhos recheados, contorne uma forma de torta e reserve.
  4. Em um recipiente, misture os ovos com o meio da abobrinha ralado, adicione a cebola e também a outra xícara de frango cozido, desfiado e temperado.
  5. Despeje a mistura do recheio no meio da forma com os rolinhos recheados.
  6. Leve para assar em forno médio por 45 minutos ou até dourar.
  7. Além de linda, fica uma delícia!
Foto divulgação Cozinha Fit e Fat

Receita Cozinha Fit e Fat

Anúncios
Publicado em Receitas

Receita: Charutão de Repolho

Publicado em Alimentação

Engorde suas saladas

Mary Poppins notoriamente aconselhou que “uma colherada de açúcar ajuda o remédio a descer”. Agora, parece que uma colherada de óleo ajuda os níveis de nutrientes a subir – se aplicarmos as gorduras ideais a certos vegetais. Em um estudo publicado recentemente no American Journal of Clinical Nutrition, pesquisadores da Universidade Estadual de Iowa descobriram que, em comparação ao consumo sem gordura, indivíduos que ingeriram saladas com óleo de soja absorveram vários nutrientes essenciais e antioxidantes, como beta-caroteno, vitamina E, vitamina K e licopeno. Esses são nutrientes lipossolúveis e, portanto, tornam-se benéficos quando associados a uma fonte de gordura.

O maior impulso às taxas de absorção ocorreu com a adição de cerca de 2 colheres de sopa de óleo de soja, mas adicionar outras fontes de gordura como azeite, abacate e nozes à sua salada de folhas ou vegetais assados ​​também deve ajudar seu corpo a absorver mais nutrientes.

Fonte: Idea Fit

Publicado em Saúde e Bem-estar

Testado: Minha experiência com a Desodalina

Muito raramente me utilizo de textos em primeira pessoa para postagens por aqui, mas neste caso é essencial, pois vim contar uma experiência. Há alguns meses (e até recentemente tive o estoque renovado), recebi uma remessa do termogênico Desodalina, da Sanibras, em parceria com a loja Bom Suplemento.

A postagem apresentando o produto e benefícios está disponível aqui.

Fiz o uso durante alguns meses, consumindo em diferentes condições e dosagens, para conseguir perceber o resultado e efeitos no meu corpo. A conclusão é: funcionou sim para mim, principalmente quando aliado à alimentação equilibrada e prática de atividade física.

Estou agora em um protocolo de perda de gordura, com dieta bem balanceada, sem açúcares e baixo carboidrato, treinando de cinco a seis vezes por semana e a Desodalina tem me ajudado na aceleração do metabolismo e no controle da ansiedade. Mesmo quando não estava na rotina regrada de alimentação e exercícios, senti que o suplemento reduziu bastante aquela sensação de querer comer o tempo todo, sabe?! Eu diminui a frequência de beliscos, em especial no período da tarde.

A realidade é aquilo que a gente já sabe, mas fica procurando soluções alternativas para não encarar: não existe milagre! Nenhum suplemento vai funcionar sozinho e “fazer” você emagrecer, se não houver empenho e redução de ingestão de calorias. Para emagrecer é preciso gastar mais do que estoca, não tem jeito! E para isso, mexer-se com regularidade e comer comida de verdade (frutas, verduras, legumes, cereais e beber água) é primordial.

A Desodalina não terá efeito considerável se você comer desordenadamente. Ela vai agir queimando ‘x’ quantidade de gordura e se você ingerir ‘2x’ mais gordura, o efeito acabará sendo vencido, entende?! Assim como qualquer outro suplemento, que tem a função real de auxiliar e não de trabalhar sozinho.

Em geral estou muito satisfeita com o resultado, ainda mais agora que estou entrando firme na terceira semana do meu protocolo e já percebo resultados visíveis em redução de medidas e aumento de resistência física. Não senti qualquer efeito colateral ou alteração negativa durante o teste, mas recomendo a consulta com um profissional da área médica e/ou nutricional.

É um produto que funciona para mim e realmente se tornou um aliado no meu trabalho diário por um objetivo específico. Pode ser que funcione para você também, ou não, e daí a importância da orientação profissional. Se você achar que vale a pena, busque auxílio, leve a embalagem do produto, trace uma meta e siga firme, que o resultado vem!

Quem já experimentou e/ou faz uso, tem dúvidas ou considerações a fazer, deixa seu comentário, compartilhe sua opinião! 😉

Publicado em Receitas

Receita: Panqueca Fit de Banana com Aveia

A praticidade e flexibilidade da panqueca tornam esse alimento um curinga da dieta. A versão sugerida pela nutricionista Lucyanna Kalluf tem menos calorias do que as tradicionais – só 165 por porção – e muita proteína e fibras.

Foto Reprodução
Ingredientes
  • 1 colher (sopa) de flocos de aveia
  • 1 colher (sobremesa) de chia
  • 1 unidade de banana pequena amassada
  • 1 colher (sopa) de proteína vegetal (pode ser comprada a granel em lojas de produtos naturais)
  • 1 copo de água (o necessário)
Modo de preparo
Junte os ingredientes em um bowl e acrescente a água aos poucos até obter uma mistura homogênea. Espalhe em uma frigideira média antiaderente untada e doure dos dois lados.

Receita sugerida pela nutricionista Lucyanna Kalluf.

Conteúdo Boa Forma

Publicado em Receitas

Receita: Fermento Caseiro

Receita da culinarista Mônica Wagner

  • 1/2 xícara de bicarbonato de sódio;
  • 1/2 xícara de cremor de tártaro (encontra fácil em lojas de confeitaria);
  • 1 colher de sopa de polvilho azedo

Misture bem e guarde em um potinho de vidro, a validade desse fermento é de acordo com a validade dos produtos utilizados. Usar na mesma proporção do fermento químico. Aproveitem!😘

Publicado em Alimentação, Saúde e Bem-estar

Saiba como o corpo funciona em jejum

Pular a “refeição mais importante do dia” ainda é um assunto polêmico. Descubra como o hábito influencia estes aspectos da sua saúde.

Performance física

  • Graças ao jejum durante o sono, os níveis de glicose nos seus músculos chegam ao mínimo quando você acorda. Vá para a academia antes do café da manhã, já que pesquisas recentes mostram que, assim, seu corpo queima melhor a reserva que ainda resta de gordura.

  • Se a perda de peso não é o seu objetivo, pular o desjejum trará problemas. Um estudo da Loughborough University (Inglaterra) mostrou que aqueles que não comem ao acordar não possuem um bom desempenho nos treinos à tarde ou à noite.

Peso

  • Um estudo publicado no periódico internacional Journal of Nutritional Science descobriu que aqueles que já estão com quilinhos a mais e pulam o café perdem mais gordura, mas também possuem níveis mais elevados de colesterol, em comparação àqueles que se alimentam com equilíbrio de manhã.

  • A ideia de que comer logo ao acordar vai acelerar o seu metabolismo, já que ele não vai se acostumar com jejuns tão longos, é falsa. Na verdade, é a qualidade das calorias que você ingere que interfere nisso. Prefira um “café das campeãs” cheio de proteína, incluindo ovos, aveia ou iogurte.

Comportamento

  • Uma pesquisa recente mostrou que quem pula o café da manhã tem mais tendência a cair nos maus hábitos como fumar, beber demais e se exercitar de menos.

  • Apesar de a queima de gordura quando você malha ser maior antes de comer, a ligação entre magreza e tomar ou não café da manhã é mais comportamental do que realmente culpa do organismo. Pessoas que comem de manhã tendem a ter uma dieta mais balanceada.

  • Já acordou com a ideia de que o dia será horrível? Coma às 8h da manhã. Esse é o horário em que os níveis de cortisol – hormônio do estresse – estão no máximo, e uma refeição balanceada vai acalmar os ânimos.

Fontes: nutricionista Emer Delaney e preparador físico David Kingsbury, ambos da Inglaterra, e pesquisas das Loughborough University (Inglaterra), Helsinki University (Finlândia) e University of Missouri Columbia (EUA)

Conteúdo Women’s Health Brasil