Tag: nutricional

Bebidas energéticas são reprovadas em teste nutricional

Conteúdo original Women’s Health Brasil

Uma bebida só pode ser considerada energética se tiver como ingrediente principal uma ou mais das seguintes substâncias: inositol, glucoronolactona, taurina e cafeína. Podem ainda ser adicionadas de vitaminas e/ou minerais até 100% da Ingestão Diária Recomendada (IDR) na porção do produto. Segundo a legislação, na lista de ingredientes, devem constar as quantidades de cafeína, taurina, inositol e glucoronolactona, presentes na porção; além disso, é obrigatório que os rótulos contenham algumas informações como: data de validade, denominação de venda, lote, dados do fabricante, modo de conservação, informação nutricional e algumas advertências.

Em avaliação realizada pela PROTESTE Associação de Consumidores, os rótulos das bebidas energéticas mais consumidas pelos brasileiros estão incompletos e/ou apresentam divergências, além de conterem alto teor de açúcar em suas formulações. As 10 marcas líderes de vendas no Brasil testadas foram: Badboy, Burn, Extra Power, Flash Power, Flying Horse, Fusion, RedBull, Red Nose, TNT e V!be.

Dentre todos os parâmetros avaliados, o que apresentou pior resultado foi a veracidade das informações nutricionais. Apenas as contidas na tabela nutricional do produto Flash Power condiziam com a realidade. Os valores nutricionais podem variar e é previsto por lei que os dados tenham no máximo 20% de diferença, no entanto as marcas Red Nose, TNT e V!be apresentam mais de um ingrediente acima deste limite.

Apesar dos limites de taurina e cafeína estarem dentro dos parâmetros estabelecidos, os açúcares totais de todos os produtos apresentam quantidades acima das apresentadas.

Diferentemente de outros testes realizados pela PROTESTE, nenhuma empresa avaliada foi classificada como “Melhor do Teste”, nem “Escolha Certa”. A classificação final de todos os produtos foi considerada apenas satisfatória.

Feliz Dia do Nutricionista!

Parabéns a todos os profissionais que defendem nossa saúde, com unhas, dentes e alimentação saudável sempre!

Se você tem interesse em se consultar ou começar um acompanhamento com nutricionista, mas não sabe como ou não tem grana sobrando para isso, neste post AQUI a gente indica um serviço gratuito que está espalhado pelo país. Clique e consulte se a sua cidade tem cobertura. É de graça e você só tem a ganhar! Equilibre-se!

A dieta do mediterrâneo é tão saudável como dizem?

A dieta de estilo mediterrânico é amplamente aclamada como um dos mais saudáveis ​​padrões de dieta que se poderia escolher, apesar do fato de você acabar comendo quase metade das calorias diárias em forma de gordura.

salad-374173_640

Porém, as pesquisas apenas mantêm os argumentos positivos, dando os créditos à dieta mediterrânea pela redução ao risco de doenças cardíacas, câncer, diabetes e mal de Alzheimer. Assim como o retardo do envelhecimento, aumento da perda de peso, proteção da memória e até mesmo a melhora do desempenho escolar em crianças.

No entanto, no livro best-seller The Big Fat Surprise (“A Grande Gordura Surpresa”), a jornalista Nina Teicholz argumenta que a dieta mediterrânea é superestimada e baseada na ciência pobre. Estaria essa paixão atual com o azeite de oliva e o vinho tinto baseada em uma farsa? Todos os estudos são falsos?

Teicholz e seus editores defendem e posicionam o The Big Fat Surprise como um livro extremamente controverso em relação à sabedoria convencional de dietas que temos em mente. Mas seu argumento central – de que gorduras alimentares (gordura saturada, em particular) não são os inimigos que eram antes – não é apenas uma controvérsia. O livro é exaustivamente pesquisado e impressionantemente bem documentado.

Esse ataque auxiliar na dieta mediterrânea levantou questionamentos. Poderíamos ter cometido o mesmo erro da dieta mediterrânea com dietas de baixa gordura, baseando-as em premissas falsas e, em seguida, sem querer, projetar estudos tendenciosos que confirmassem nossas convicções?

Como é a dieta mediterrânea?

O padrão da dieta mediterrânea é abundante em grãos integrais, legumes, frutas, vegetais, azeite de oliva, nozes e vinho tinto, com menores quantidades de peixes, ovos, frango, laticínios e gordura em geral, muito pouca carne vermelha. Em outras palavras, é uma dieta a base de plantas (mas, não estritamente vegetariana) de refeição completa.

Mas, será que a dieta mediterrânica realmente existe? Toda essa história começou quando alguns epidemiologistas nutricionais observaram que os habitantes da ilha de Creta levavam uma vida excepcionalmente longa e saudável e decidiram saber o que eles estavam fazendo.

No centro da denúncia da Teicholz está que a dieta foi documentada nas ilhas gregas durante os anos 1950 e não refletem a dieta tradicional dos habitantes atuais. “Eles foram pesquisados ​​logo após a Segunda Guerra Mundial, quando a sua economia estava em ruínas”, disse o Dr. Frank Teicholz Lipman em uma entrevista. “Além disso, sua dieta foi amostrada durante a Quaresma, quando os alimentos animais eram severamente restringidos. Os dados, portanto, não são bons e nunca foram melhorados “.

Pode ser verdade que o padrão dietético que ficou conhecido como a dieta mediterrânea foi uma exceção. Não sabemos o que os cretenses normalmente comiam antes da guerra ou fora do período da Quaresma. E, realmente, não importa. Porque este padrão alimentar já foi extensamente pesquisado em populações em todo o mundo e tem sido apontado como muito mais saudável do que a dieta ocidental moderna padrão.

A atração das Ilhas

Por que a dieta mediterrânea foi tão estudada? A resposta está, em parte, por ter se tornado cada vez mais uma boa aposta. Pesquisadores queriam encontrar coisas que funcionassem e a dieta mediterrânea estabeleceu um histórico muito bom de resultados positivos em várias gerações. Teicholz, por outro lado, argumenta que a verdadeira razão de tantos pesquisadores terem concordado com a dieta é que o Mediterrâneo é um lugar agradável para visitar.

“Não há dúvida de que todo mundo se interessou em razão de a dieta ser, em parte, o fascínio do coletivo do Mediterrâneo”, disse Teicholz. “Há pessoas de vida longa nas regiões de estepe da Sibéria, mas ninguém quer ir a conferências de alimentos na Sibéria.”

OK, mas isso refuta a validade da pesquisa? Claro que não. E Teicholz admite que a dieta mediterrânea tem realizado muito em ensaios clínicos, mas afirma que qualquer dieta rica em gordura semelhante teria um bom desempenho quando comparado a uma dieta de baixa gordura. “Uma dieta alemã de teor de gordura mais elevado ou uma dieta chilena de maior teor de gordura ou uma dieta finlandesa com maior teor de gordura, provavelmente, também parecia melhor do que a dieta de baixo teor de gordura”, ela disse.

Por todos os meios, vamos parar de colocar a dieta mediterrânea contra dietas de baixo teor de gordura (que ninguém apoia mais) e começar a compará-la com outras dietas com composição de gordura semelhante e ver o que podemos aprender.

Outros padrões dietéticos podem estar sob pesquisa, mas o entusiasmo em torno da dieta mediterrânea tem um monte de dados para apoiá-la. É claro que, quanto mais você aderir ao padrão, melhor os seus resultados estarão susceptíveis de ser.

Fonte Quick na Dirty Tips

Geração saúde ou geração tormento?

Não raro, vemos por aí muitos projetos para emagrecimento, dietas que prometem milagres e a continuidade da já antiga ditadura da beleza esculpindo outros moldes: a geração sarada.

Aqui, buscamos dicas, temas e conhecimento para tentar contribuir para que a sua vida seja mais leve, sadia e equilibrada. Não tem certo ou errado. O que existe é aquilo que você elege para si como saudável e adequado.

0003401813RR-849x565

Por isso, resolvemos compartilhar uma entrevista muito interessante com a nutricionista Paola Altheia, escrita pela colunista Juliana de Faria, do site M de Mulher. É curta e vale a pena ler e refletir. Confira:

“Lemos o tempo todo sobre corpos saudáveis, comidas saudáveis, exercícios saudáveis e, no entanto, muito pouco sabemos sobre o que é ter saúde de fato. Isso porque temas tão importantes e delicados como cuidado ao corpo e auto-estima passaram a ser tratados de forma bruta, desumana e nociva.

Informações falsas e equivocadas são divulgadas em mídias sociais de pessoas sem instruções ou conhecimento médico, confundindo as pessoas e as estimulando a fazer dietas e #projetos malucos. Humilhações disfarçadas de motivação são espalhadas aos quatro cantos do mundo fit – quem nunca se deparou com a conhecida frase “se está ruim para mim, imagina para quem jantou”.

Será que já não está na hora de repensarmos esta conversa? De sermos mais generosas com nós mesmas, com nossos corpos e os corpos alheios? Encontrar uma abordagem ao tema que seja mais humana, que coloque nosso bem-estar como prioridade?

0010382342X-849x565

Essa é a luta de Paola Altheia, nutricionista, bailarina e criadora do Não Sou Exposição, blog onde ela, de maneira didática e bem-humorada, desconstrói os mitos do emagrecimento e padrões de beleza. Aqui, ela fala sobre os erros da tal “geração saúde” e como podemos vencer ansiedades geradas por esse mercado:

Juliana de Faria: Qual a sua visão sobre o momento atual com relação ao cuidado do corpo, alimentação e nutrição?
Paola Altheia: É um momento preocupante e paradoxal. Porque nunca se falou tanto em vida saudável e comidas especiais e nunca se observou um crescimento tão vertiginoso dos problemas de comportamento alimentar e de autoimagem. Fat Talk e Diet Talk, expressões que não têm (ainda) equivalentes em português, expressam o desconforto das mentes das pessoas completamente aterrorizadas, detestando seus corpos e sem saber o que comer.

Quantas vezes testemunhamos diálogos sobre a culpa de ter saído da dieta, ou sobre o quanto um determinado alimento é calórico ou uma dica para “secar barriga” (a barriga estava molhada?). E quantas vezes na semana um grupo de mulheres é capaz de se reunir para cantar uma ladainha de críticas ao próprio corpo (celulites, dobrinhas, estrias, gordurinhas, peso, número do manequim…).

A tal da “geração saúde” é, na verdade, a “geração tormento”. A comunidade médica e científica está tão desesperada para conter o avanço do sobrepeso, da obesidade e das doenças crônicas ao redor do globo que o resultado disso é que atualmente vivemos um momento de franco terror dos alimentos e da gordura (no nosso corpo, no corpo dos outros e na comida).

0007820533I-849x565

JF: O que é o terrorismo alimentar e como podemos estabelecer uma relação de paz com a comida?
PA: O terrorismo nutricional é a dicotomia pode/não pode, bom/ruim, certo/errado, saudável/não saudável. A alimentação humana, que é manifestação cultural e fator de socialização, está sendo discutida e definida de forma reducionista, alarmante e simplista. As pessoas estão desnorteadas, sem saber o que comer e acreditando que os alimentos podem ter propriedades mágicas de emagrecimento ou um potencial engordativo satânico (aliás, quando eu falo sobre culto ao corpo eu quero dizer “culto” no sentido pleno da palavra: nós adoramos corpos. Veneramos a massa magra. E acreditamos que a gordura é a fonte do Mal na Terra).

Para se desfazer deste pensamento perturbador, é importante entendermos que o que vai definir se um alimento engorda/emagrece ou faz bem/faz mal é a quantidade e a frequência do consumo. Ou seja: a questão não é o alimento em si, mas sim o uso que se faz dele. Eu sou nutricionista, no entanto, não acredito em dietas e não as prescrevo.

Cada pessoa precisa resgatar a consciência corporal necessária para identificar seus sinais de fome e saciedade sem que normas alimentares comandem seu corpo de fora para dentro. A alimentação saudável é um fenômeno que ocorre de dentro para fora. Muito se propaga que a pessoa emagrece e em seguida vai ficar em paz. E a realidade é o inverso disso: primeiro você fica em paz com os alimentos e com o seu corpo. E o emagrecimento vem por consequência.

0001077173GG-849x565

JF: Você sofre com muita violência online. Fale um pouco sobre gordofobia e o motivo que leva as pessoas a agirem assim.
PA: Existem pessoas que me vêem como uma maluca que fica na internet glorificando a obesidade. Que sou uma nutricionista que escolheu o curso errado porque eu não passo dietas. Onde já se viu dizer que uma pessoa gorda tem o direito de ser feliz, se tudo o que a sociedade prega é o contrário? O meu trabalho é um vilipêndio contra crenças limitantes profundamente enraizadas na cabeça das pessoas: mulheres têm obrigação de fazer dieta, todo magro é saudável, todo gordo é doente, magreza é bonito , gordura é feio, magros têm disciplina e gordos não têm “força de vontade”.

Eu chacoalho este tonel de preconceitos, chacoalho duro e chacoalho forte! Algumas pessoas sobem pelas paredes porque eu digo que não é proibido comer bolo de chocolate e que ninguém tem a obrigação de ir para academia malhar todos os dias. Lembremos que o que eu proponho é o caminho do meio. A corda do instrumento quando muito tensionada, arrebenta e quando muito frouxa, não produz som algum.

Nós também precisamos encontrar o bom senso e o equilíbrio no nosso cuidado com a saúde. Gosto da Frase de Oscar Wilde que diz que “convém ser moderado em tudo, até na moderação”. Em tempos de No Pain, No Gain não há lugar para a moderação (e um pouquinho de preguiça). Essa é a razão de tanta animosidade. Haters e cyberbullying são realidades que todo blogueiro enfrenta. Eles podem te derrubar ou você pode usá-los como trampolim. Eu prefiro a segunda opção.”

Fonte: M de Mulher