Tag: peixe

Receita: Molho de mostarda fácil

Quer dar aquele up no seu peixe de Páscoa?! Por mais simples que seja a sua receita, com este molho de mostarda, simples e rápido de fazer, o seu prato subirá para outro patamar. Além de acompanhar muito bem os peixes, essa receita também combina perfeitamente com carnes, seja de aves, suíno ou bovino. Você vai precisar de:

  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 1 fio de azeite de oliva OU óleo de sua preferência
  • 3 dentes de alho picados ou amassados
  • 100 ml de mostarda
  • 1 colher de sobremesa de melado OU mel
  • Suco de três gomos de mexerica OU de meia laranja
  • Sal a gosto

Modo de preparo

  1. Em uma panela, aqueça em fogo baixo a manteiga e o fio de azeite ou óleo (esse fio serve para evitar que a manteiga queime);
  2. Acrescente o alho picadinho e deixe dourar;
  3. Coloque a mostarda e mexa para misturar. Para facilitar: foi usada mostarda simples, industrializada, daquelas comuns que vende em supermercado. Se você comprar a embalagem pequena, de 200 g, basta usar a metade.
  4. Em seguida, adicione o melado ou mel e misture bem.
  5. Por último, acrescente o suco da mexerica ou laranja e mexa. Acerte o sal, se achar necessário. E está pronto!

Essa quantidade de molho cobre generosamente meio quilo de salmão, por exemplo, para se ter uma ideia de rendimento. Provem! Pois fica maravilhosa e é um super coringa para renovar ou transformar qualquer prato.

Receita: Pescada ao molho de páprica

Receita de Páscoa: Peixe ensopado fácil, tipo moqueca

Para essa receita, você vai precisar de:

  • 1 kg do seu peixe preferido temperado com limão, sal e pimenta-do-reino;
  • 1 cebola em rodelas;
  • 1 pimentão amarelo em rodelas;
  • 1/2 pimentão verde em rodelas;
  • 1 tomate fatiado;
  • 1 vidro de leite de coco;
  • 1 colher (sopa) cheia de extrato de tomate;
  • Sal e salsinha a gosto.

Receita: Torta de Bacalhau Low Carb

Vai ter bacalhau na sua ceia do Ano Novo? Procuramos a nutricionista Isabella Correia, da clínica La Prath, no Rio de Janeiro, como fazer uma torta com o peixe bem baixa em carboidratos, para não sair da linha já na Virada – e o melhor é que ela fica pronta em apenas três passos. Confira:

Imagem de divulgação

 

  • 400 g bacalhau dessalgado, desfiado e refogadinho com 1 cebola
  • 4 claras em neve
  • 2 gemas
  • 150-200 g ricota (ou tofu temperado)
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • Pimenta, salsa e cebolinha a gosto
Modo de preparo

Amasse a ricota com as gemas e incorpore os outros ingredientes. Use uma forma de fundo removível, mas pode ser outra também. Leve ao forno baixo até dourar. Simples e delicioso.

Conteúdo Vogue

Receita: Farofa de Cenoura

Amo farofa! Quem mais é farofeiro?! Gente, como na xícara, de colher. Ainda mais quando sai quentinha, tomando a casa todo com aquele cheirinho… Sentiu daí?! Bom demais, não é?! E o compartilhamento de hoje é uma opção para quem não consome carne ou não tem afinidade com os ingredientes tradicionais levados na farofa, pois é feita de cenoura!🥕🥕🥕

É mais uma sugestão para fechar o cardápio de Páscoa! Já mostramos como preparar o peixe, a sobremesa e agora este acompanhamento delicioso e democrático, já que atende aos vegetarianos, econômico e fácil de fazer!

Farofa de Cenoura

Receita do Amando Cozinhar

  • Meia cenoura (média) ralada
  • Meia cebola (média) ralada
  • 400g de farinha de mandioca
  • 2 colheres cheias de margarina

🥕Em uma panela ou frigideira, derreta as duas colheres de margarina e refogue a cebola por alguns minutos, em seguida acrescente a cenoura ralada e refoque por mais 2 minutos. Vá acrescentando a farinha aos poucos e continue mexendo por cerca de 5 minutos. Está pronta para servir!😋🍴

ABC do Peixe: dicas de preparo, consumo e receita

Tem dúvidas sobre consumo e preparo de peixe? A Dicas Tathy Araujo, criadora da Confraria Trocas Saudáveis e especialista em pescados, ensina uma receita especial para a Páscoa e mostra como comprar, armazenar e cozinhar esse tipo de proteína:

 

Veja como identificar se a carne que você consome está estragada

Conteúdo original Minha Vida

Ficou difícil sentir segurança para comprar carne depois da nova operação da Polícia Federal. Denominada “Carne Fraca”, a ação trouxe à tona a venda e distribuição de carnes estragadas por parte de grandes frigoríficos e companhias.

Segundo as investigações as carnes podres recebiam substâncias capazes de disfarçar a cor e a aparência do produto vencido, que depois era reembalado. Também estavam entre as irregularidades produtos contaminados por bactérias. Alguns produtos também apresentavam excesso de água para aumentar o peso – e consequentemente o preço.

De acordo com a nutricionista Andréa Marim, o momento pede atenção. “O cenário é preocupante e é necessário ficar em alerta, pois as carnes contaminadas podem causar infecções gastrointestinais sérias, como a salmonela, que em pessoas com um sistema imunológico mais delicado, como crianças, idosos e gestantes pode trazer sérios danos à saúde”, conta.

Fatores como embalagem, data de validade, aparência, cheiro, textura e até mesmo preço devem ser levados em consideração. “Se o valor do produto estiver muito barato, é sinal de que a carne pode não estar em boas condições”, afirma a nutricionista.

Veja a seguir como identificar se a carne está estragada:

Carne de boi e porco

No caso das carnes de boi e de porco, quando estão estragadas apresentam coloração cinza e manchas esverdeadas. Elas também podem exalar odores fortes e apresentar textura viscosa e rançosa.

Carne de frango

 

Já no caso da carne de frango, o diferencial é o odor azedo que remete ao amoníaco. No aspecto visual, apresenta-se descolorado e com textura viscosa. Em relação à cor, pode apresentar nuances amarelas e esverdeadas. “Muitas vezes a carne de frango está com uma aparência bonita e um gosto bom”, explica Andrea. Esse “disfarce” torna mais difícil a identificação da carne estragada, por isso é sempre importante se atentar ao cheiro e sempre consumir a carne bem passada.

Carne de peixe

O mesmo acontece com a carne do peixe, que quando estragada, remete ao cheiro de amônia. Além disso, ele normalmente apresenta alguma descoloração – amarronzado, amarelado ou acinzentado – ou mesmo cor opaca. Em relação ao aspecto, se o peixe não estiver duro e começar a descamar também é um sinal de que está estragado.

Poder do cheiro

Mesmo com a tentativa de algumas empresas de maquiar o aspecto da carne com conservantes, Andrea explica que essas substâncias não são capazes de disfarçar o cheiro. “Independente do conservante que tenha sido usado, o cheiro sempre denuncia, por isso é tão importante prestar atenção nesse aspecto”.

Armazenamento

As carnes de modo geral são altamente perecíveis, pois ficam suscetíveis à contaminação microbiológica. Portanto, no momento de escolher a carne certifique-se de que ela está armazenada em freezers e geladeiras em temperatura de 0º C a 2°C.

Caso você compre uma carne congelada e deseje mantê-la nessa temperatura, o ideal é colocá-la diretamente no freezer. De acordo com Andréa a carne pode ficar no freezer até seis meses, dependendo do tipo de carne. Bifes, independentemente de serem de carne ou frango, podem ficar congelados por até seis meses. Já a carne moída tem prazo de validade de até três meses.

Se a pessoa descongelou a carne, cozinhou e guardou o resto na geladeira, ela pode ser consumida por até três ou quatro dias.

Caso a carne tenha sido comprada fresca e o intuito é congelar, o ideal é temperar o alimento e depois guardar no freezer por até seis meses.

No entanto, no momento de preparo é sempre importante observar o estado da carne e jogar o produto fora se houver qualquer suspeita em relação à procedência. “Isso porque alguns fabricantes podem alterar a data de validade do produto e o consumidor só percebe que adquiriu uma carne com data de validade menor do que esperado no momento do preparo”, ressalta.

O que vem pela frente

Em declaração à imprensa, o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pesca e Agropecuária, Eumar Novacki disse que os casos de irregularidades apontados na operação Carne Fraca são específicos e não apresentam risco à saúde pública. No entanto, é importante atenção na hora de comprar a carne e, especialmente no momento de consumir.

Até o momento, a Polícia Federal identificou que 40 empresas do setor de alimentos cometeram irregularidades. Segundo o Ministério da Agricultura, três unidades foram fechadas: duas do frigorífico Peccin, em Jaraguá do Sul (SC) e em Curitiba (PR), e uma da BRF, em Goiás. Outras 21 estão sob investigação.