Mesmo no frio, excesso de sono pode ser sinal de alerta

Conteúdo original Revista Suplementação

Que o frio do inverno faz um convite irresistível para uma cama quentinha e um filme, todo mundo sabe. No entanto, a vontade permanente de querer dormir ou até mesmo de ficar deitado pode ser um alerta emitido por nosso organismo. Quem dá o aviso é o médico Theo Webert, que atua em nutrologia e qualidade de vida.

Segundo ele, é normal sentir vontade de se jogar na cama depois de um dia todo fora de casa, mas todo o excesso precisa ser bem observado. “Sentir aquela fadiga incompreensível por vários dias consecutivos é sinal de que algo não vai bem com sua saúde. Quando digo saúde, me refiro tanto a saúde física como mental”, afirma.

O especialista elenca que sedentarismo, desequilíbrio hormonal, má alimentação, estresse e sono acumulado são alguns dos problemas que contribuem para o cansaço. “Se não tratado, pode provocar baixa autoestima, enxaquecas e até outras doenças no organismo como psoríase e gastrite,”, revela.

A alimentação bem regulada é, para o médico, a melhor alternativa para despistar e evitar sintomas da fadiga. “O grande segredo de nosso corpo é respeitá-lo e isso começa com uma dieta saudável, que reequilibre nossas funções vitais, valorizando sempre a alimentação rica em frutas e verduras frescas”, lembra.

Além disso, continua, praticar exercícios físicos e relaxar pode não só ajudar como também prevenir o problema. “Em todo caso, sempre é bom procura uma avaliação médica, já que cada corpo é um universo”, ressalva.

Fonte: Theo Webert

Receita: Chá de Banana

“O chá de banana está sendo consumido como um relaxante natural na hora de dormir e para prevenir a insônia. E devido a proporcionar uma qualidade de sono melhor, ele ajuda a potencializar o emagrecimento. Como? Leia abaixo.

“Em geral pessoas que dormem menos de 5 horas por noite podem ter uma diminuição da sua taxa metabólica basal em até 36%. O que quer dizer que gastam menos calorias quando estão em repouso do que deveria e assim é mais difícil emagrecer mesmo fazendo dieta e exercício.” Citação: TuaSaude

A banana contém magnésio e potássio, minerais que ajudam a melhorar a qualidade do sono. O potássio ajuda a relaxar os músculos e prepara o corpo para adormecer. Uma banana grande tem em média 487 mg de potássio. O magnésio também relaxa os músculos. Os alimentos ricos em magnésio são conhecidos por acalmar. Uma banana grande tem em média 37 mg de magnésio.

Esses dois minerais combatem o impacto negativo do hormônio cortisol sobre as veias e os músculos.

A banana também tem o aminoácido essencial triptofano, esse aminoácido ajuda a elevar os níveis de serotonina, que é um hormônio regulador do sono.”

Receita e texto de Emagrecer Certo

Dores causadas pela pressa: saiba quais são e como evitá-las

Conteúdo original Minha Vida

Quando nos vemos diante de um evento estressante, como uma mudança de trabalho, uma doença de parente ou uma viagem cansativa, é mais fácil perceber como o corpo sente. Mas fatores que enfrentamos no nosso cotidiano também influenciam.

Vivemos com pressa e esse corre-corre tem um preço. Ficamos tensos para acordar e não perder um compromisso, chegar ao trabalho na hora, entregar o trabalho a tempo e assim por diante. Tudo começa com um pequeno desconforto, depois vem uma dorzinha aqui e outra ali, dia sim e dia não até os sintomas se tornaram constantes e repetitivos.

Como o corpo reage à agitação diária

A pressa aciona o sistema nervoso simpático para que o corpo possa responder aos estímulos mais rapidamente. Para o cérebro, esse é o mesmo mecanismo que acionamos involuntariamente quando estamos em uma situação de perigo, preparando o corpo para fugir ou lutar, liberando cortisol e adrenalina pelas suprarrenais. São elas que aceleram batimentos cardíacos e respiração, aumentam a pressão arterial e contraem os músculos.

Essa é uma reação que deveria ser passageira, mas que acaba se tornando corriqueira pela agitação diária. Essa sobrecarga tem consequências que podem ser passageiras ou se tornarem crônicas se continuarmos com esse mecanismo ativo por muito tempo.

O excesso de hormônios acaba sendo tóxico. O cortisol, por exemplo, faz com que armazenemos triglicérides, gordura que altera a insulina e essa resistência pode levar ao diabetes. Você já viu quantas pessoas têm diabetes no mundo? E quantas vivem apressadamente?

O mecanismo ainda diminui a função dos leucócitos, que são as células de defesa, podendo deixar a porta mais aberta para vírus e bactérias.

As liberações repetidas dos hormônios do estresse inibem a liberação de serotonina, substância que ativa os sentimentos de bem-estar. Outros efeitos podem estar associados como o aumento no risco de derrame, alta incidência de dor de cabeça, insônia, mais sensibilidade à tensão pré-menstrual, diminuição do desejo sexual e até impotência temporária.

Disfunções da tireoide, que podem causar variações de peso, problemas de pele, diminuição do desempenho cognitivo, problemas gastrointestinais e até desatenção, quem já não se pegou mais distraído por conta da pressa, não é mesmo? E com a distração surgem quedas e torções. Os ossos ficam mais fracos e os músculos se tornam mais rígidos. A dor nas costas mais comum, chamada de miofascial, ocorre com frequência em quem vive com a agenda lotada. Ou você nunca esbarrou com alguém que está se queixando de ter um nó muscular em uma área que acumulou tensão?

Se por longo prazo, o cérebro se acostuma a receber esses impulsos e, mesmo que o problema já tenha sido resolvido, a dor persiste, é preciso fazer um tratamento para desacostumar o cérebro da dor.

Mudança de hábitos

Mas você pode mudar esse processo e evitar as dores crônicas e os outros efeitos do corre-corre sobre o organismo. É preciso se conscientizar já nas primeiras reações do corpo.

Se desconfortos, como dores na coluna, na cervical e dor de cabeça, já estão mais frequentes é fundamental mudar hábitos para melhorar a qualidade de vida. Comece adotando medidas simples, mas que podem fazer muita diferença:

  • Diminua a ingestão de alimentos que excitam, como o café e o chocolate

  • Reserve um tempo todo dia para fazer uma atividade prazerosa, sem celular na mão, sem redes sociais conectadas

  • Planeje seu dia com intervalos maiores entre as atividades

  • Se tiver a oportunidade, tire uma soneca de 20 minutos, ou simplesmente relaxe o corpo, no meio do dia.

Viver melhor é viver sem dor!

Acúmulo de funções no trabalho e na vida doméstica está afetando a saúde das mulheres

Conteúdo original Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Um m novo estudo publicado pela Universidade Nacional da Austrália aponta um aspecto perigoso para as profissionais do sexo feminino: sua saúde está sendo comprometida por conta de longas horas de trabalhos combinadas com as tarefas domésticas. A pesquisa mostra que, por conta do trabalho extra que têm de realizar em casa (na maior parte das vezes sem ajuda de seus companheiros), as mulheres deveriam trabalhar 34 horas por semana. Este, dizem os especialistas por trás do estudo, seria um limite saudável para as profissionais – enquanto o do homem seria de 47 horas.

A verdade, contudo, é que a maior parte dos empregos exigem muito mais do que 34 horas por semana. Dados de 8 mil adultos australianos apontaram que dois terços dos funcionários do país trabalham mais de 40 horas semanalmente.

“Os homens têm uma vantagem que as mulheres não têm. Trabalhar por muito tempo afeta a saúde psicológica e física de qualquer pessoa, porque deixa pouco ou nenhum tempo para que cuidem de si mesmos propriamente”, diz Dr. Huong Ding, líder da pesquisa. “Dada a extraordinária carga de demandas colocada sob os ombros das mulheres, é impossível que elas continuem mantendo uma rotina assim sem comprometer sua saúde.”

Dados da OECD (Organisation for Economic Co-operation and Development) apontam que uma mulher se dedica 4,5 horas às tarefas do lar, enquanto os homens contribuem com menos da metade desse tempo. A professora Lyndall Strazdins, coautor do estudo da universidade australiana, chama essa comparação de “desigualdade de tempo”. “Homens tem uma vantagem de tempo no mercado de trabalho que a mulher não tem”, diz.

Na média, os homens australianos trabalham 41 horas por semana, enquanto as mulheres somam 36 horas. O que a professora acredita, contudo, é que eles conseguem ficar essas horas a mais no escritório porque podem, porque têm menos responsabilidades na vida doméstica.

A diferença de tempo entre a carga de trabalho de um homem e uma mulher pode chegar, então, a 100 horas por ano. A questão é complicada porque pode virar uma faca de dois gumes. Se nós encorajarmos mulheres a compensarem essa diferença de horas, nós basicamente estamos convencendo-as a trocar sua saúde por igualdade de gênero”, diz Lyndall.

A solução, a pesquisadora acredita, é conseguir reduzir a carga horária de homens no trabalho e torna-los mais atuantes na vida doméstica e familiar. “É um processo demorado e difícil porque representa uma grande mudança social.”

Limpeza nasal deve ser feita diariamente – entenda!

Conteúdo original Mais Equilíbrio

Não é comum fazer lavagem nasal durante a higiene diária, certo? Mas o fato é que este cuidado com as vias nasais pode ser importantíssimo para a sua saúde, tanto quanto a escovação dental!

Pode parecer que não, mas o trato respiratório fica exposto a diferentes agentes alérgenos, como poeira, fungos e mofo, além de fatores irritantes, como fumaça de cigarro, vestígios de materiais queimados, poluição, pólen e produtos químicos. E para remover tantas impurezas nada mais eficaz do que a limpeza da mucosa nasal todos os dias.

Na falta deste cuidado pode ser desencadeadas crises alérgicas e até obstrução e congestão nasal. Isso provoca dificuldades no ato de respirar, além de irritações nos olhos e na garganta.

Mas como deve ser a limpeza nasal?

A lavagem pode ser feita com solução de cloreto de sódio 0,9%, encontrado em produtos específicos. A limpeza das vias aéreas deve ser realizada pelo menos duas a três vezes ao dia, pois auxilia o bom funcionamento do nariz. Se você sofre de algum tipo de doença respiratória, confira abaixo algumas dicas para ajudar no controle do problema:

Casa limpa é importante

Realize a limpeza de carpetes, estofados e sofás com produtos adequados pelo menos duas vezes na semana, além da higienização diária de pisos frios. O hábito ajuda a impedir a instalação de ácaros. O ideal é não ter dentro de casa cortinas, bichos de pelúcia e objetos que acumulam pó.

Cuidado com o ar condicionado

Evite deixar o ar condicionado sujo. A limpeza e manutenção dos sistemas de ventilação devem ser feitas com regularidade para averiguação da qualidade do ar e a prevenção da presença de fatores irritantes, de fungos patogênicos e toxigênicos causadores de problemas respiratórios. Informe-se com a empresa responsável pelo equipamento qual a frequência ideal de higienização.

Cuide-se!

Evite a exposição prolongada a fatores irritantes, como fumaça de cigarro, perfumes, tintas, esmaltes, removedores, produtos de limpeza e inseticidas.

Feno grego: saiba tudo sobre esta semente multifuncional

Conteúdo original Mais Equilíbrio

Você já ouviu falar no feno grego ou alfarva? Esta planta medicinal com nome exótico nada mais é do que uma especiaria repleta de propriedades benéficas para o seu corpo. Extremamente antioxidante e cheio de vantagens para a saúde, o feno grego é considerado anticancerígeno, redutor dos níveis de glicose para diabéticos e inibidor do apetite. Ótimo para quem procura uma ajudinha na hora de controlar a alimentação, não acha?

Se você é mulher, deve prestar ainda mais atenção nos privilégios da semente. Isto porque ela diminui o desconforto do período menstrual e minimiza os sintomas da menopausa. Achou pouco? Então saiba que as melhoras que o feno grego pode oferecer não param por aí. De acordo com estudos a alfarva aumenta a produção de leite materno em até mais de 500%! Para esses resultados incríveis é preciso consumir pelo menos 3500mg de feno grego por dia e esperar de 24 a 72 horas para ter a produção de leite quintuplicada.

Ele também pode ser utilizado para tratar anemia, anorexia, celulite, problemas de desenvolvimento infantil, gastrite, inflamações, intestino preso, furúnculos, caspa, queda de cabelo entre outros. Mas cuidado, o feno grego é contraindicado para pessoas diabéticas que são dependentes de insulina e para mulheres grávidas, pois suas propriedades podem induzir ao parto.

As sementes da planta podem ser utilizadas moídas e diluídas no leite, em infusão, chás, cápsulas, ou com aplicação em inchaços. Ela também é boa para gargarejos, lavagens ou irrigações vaginais, mas é válido lembrar que todas estas formas deverão ser indicadas e calculadas por um profissional.

Mas onde encontrar feno grego? Para quem não sabe, ele pode ser comprado em muitas lojas de comidas saudáveis e naturais além de algumas farmácias de manipulação (em formato de cápsula). As principais versões vendidas desse produto são o chá, onde o feno grego está em sua forma mais fraca e na forma de sementes, sendo utilizadas para compressas.

Nefrologista do HCor fala sobre a relação entre obesidade e doenças renais

Conteúdo original Revista Suplementação

Estudos epidemiológicos têm demonstrado o aumento da prevalência da obesidade, doença considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como epidemia global do século XXI. No Brasil, mais de 50% da população está acima do peso. Estima-se que, até 2025, 18% dos homens e 21% das mulheres de todo o mundo serão obesos. Números como estes reforçam a maior causa de morte no País: as doenças crônicas não transmissíveis, responsáveis por 70% dos óbitos.

Diversos estudos e revisões da literatura médica mostram que a obesidade é importante fator de risco para diversas doenças graves. Problemas cardíacos, diabetes, hipertensão, colesterol elevado, apneia obstrutiva do sono, doenças da vesícula, cânceres e, não menos importante, porém pouco difundida, está a doença renal crônica (DRC).

Afinal, qual a relação entre a obesidade e a doença renal? “A função dos rins é filtrar o sangue de toxinas e líquidos em excesso. Em uma pessoa obesa, o aumento do tecido gorduroso comprime os rins e altera a sua estrutura, aumentando o seu trabalho de filtração e ativando sistemas que podem causar hipertensão arterial. Essa doença, denominada glomerulopatia da obesidade, pode determinar perda de proteína na urina e causar prejuízo significativo da função renal”, explica a nefrologista Leda Lotaif, chefe de diálise do HCor – Hospital do Coração de São Paulo.

Um em cada 10 adultos, segundo Dra. Leda, sofre de doença renal crônica. A maioria deles não sabe ser portador da doença. Isso ocorre porque, na maioria dos casos, quando descoberta, a DRC já está em estágio avançado, pois não há sintomas. A melhor forma de prevenir é investir na educação desde a infância. “Conscientizar as pessoas quanto aos fatores de risco da doença renal e a importância de ter hábitos saudáveis, como manter uma dieta balanceada e praticar atividade física regularmente é crucial para combater o aumento da incidência da doença”, orienta.

Regras de ouro

Para prevenir a Doença Renal Crônica (DRC), vale seguir estas dicas da nefrologista do HCor:

  • Pratique atividade física regularmente;
  • Mantenha uma alimentação saudável;
  • Mantenha-se hidratado;
  • Controle o nível de açúcar no sangue;
  • Monitore a pressão arterial;
  • Visite um médico regularmente;
  • Abandone o cigarro e o álcool em excesso;
  • Evite a automedicação.

Fonte: HCor