Tag: saúde mental

SP tem atendimento psicológico gratuito no Parque Ibirapuera uma vez por mês

Diante dos acontecimentos nos últimos tempos, não faltam evidências de que depressão, síndromes e todas as questões psicológicas, que qualquer um de nós pode enfrentar e em qualquer fase da vida, requerem tratamento. A saúde mental vem sendo subestimada e não vista como uma prioridade para a vida saudável e essa mentalidade precisa mudar. Está tudo bem em não estar tudo bem. E buscar por ajuda profissional é fundamental para conseguir atravessar esse momento.

Por isso, se você está passando por algo, ou conheça alguém que esteja precisando de auxílio, e estiver em São Paulo no domingo agora, dia 28, vale a pena passar pelo Escuta na Grama, no Parque Ibirapuera, às 9 horas.

“O projeto Escuta na Grama foi idealizado por psicólogos com a finalidade de levar a escuta e a importância do trato da saúde psíquica para a população. Trata-se de um plantão psicológico que ocorre todo o último domingo do mês”. O projeto é social e voluntário, mas aceita vários tipos de doações. Não há necessidade de inscrição, basta chegar e sentar em uma das cangas junto a um dos profissionais.

Então, caso precise, vá até lá, ou acompanhe alguém, e converse com a equipe. 😉❤️

Onde: Parque do Ibirapuera, no gramado em frente ao parquinho das crianças, próximo ao Portão 6, na cidade de São Paulo, SP.

Quando: Dia 28, domingo, a partir das 9 horas.

Para saber mais: Acesse a página do projeto AQUI – é possível encontrar a agenda com os próximos atendimentos.

Fotos Divulgação.

Como a meditação pode melhorar suas viagens

Como a meditação pode melhorar suas viagens

Quando se trata de mindfulness (atenção plena) e meditação, você pode pensar que leva anos de treinamento – ou uma jornada espiritual – para obter quaisquer benefícios. Mas a essência da prática é, na verdade, bastante simples, e suas técnicas podem trazer um pouco de alívio para muitas situações estressantes, incluindo viagens.

“Estamos falando de uma espécie de versão um pouco mais sofisticada do conselho que sua mãe lhe deu, quando você era criança, de ‘respirar fundo'”, disse Dan Harris, co-âncora do programa Nightline, da ABC, e Good Morning America , que é o autor de dois livros sobre mindfulness e meditação.

“Você não precisa acreditar em nada. É um exercício muito simples e secular para o seu cérebro”, continuou Harris, cujo o aplicativo de smartphone e recurso de podcast “10% mais feliz” guiou meditações.

De acordo com a mais recente Pesquisa Nacional de Entrevistas de Saúde, adultos americanos estão meditando mais do que nunca, sendo 14% dizendo que praticaram no ano passado, bem acima dos 4,1% em 2012. Dado que um efeito conhecido da prática da atenção plena é a redução do estresse e da ansiedade, os viajantes podem se beneficiar.

“Há uma forte pesquisa que mostra que a meditação pode melhorar a saúde mental”, disse a Dra. Megan Jones Bell , chefe de ciências do aplicativo de meditação Headspace. “A meditação pode ajudar-nos a aprender a estar mais presentes, a ver a nós mesmos e aos outros a partir de uma nova perspectiva e a abordar a vida de maneira mais engajada e pacífica. Isso tudo pode ser muito útil durante qualquer parte de nossas vidas e especialmente durante a viagem.”

Aqui estão algumas maneiras pelas quais praticar a atenção plena pode tornar suas viagens menos estressantes e mais agradáveis.

Seja pelo medo de voar ou em se preocupar em perder sua próxima conexão, muitas pessoas sentem ansiedade ao viajar.

“Nós não podemos controlar se o avião está atrasado, ou se a nossa bagagem se perder, ou o tráfego na estrada, e a meditação e a atenção plena nos permitem aprender a aceitar os desconhecidos, e até mesmo abraçá-los”, disse a Dra. Bell.

Primeiro, concentrar-se na sua respiração pode ser um longo caminho. Se voar é uma experiência particularmente estressante para você, o Sr. Harris sugere que reserve alguns minutos para isso antes da decolagem, esteja você esperando para embarcar ou afivelando o cinto em seu assento.

“Apenas sintonizar a sua respiração ou mesmo respirar profundamente traz benefícios fisiológicos, enviando mensagens para o sistema nervoso parassimpático como um: ‘OK, relaxe, tudo está bem’, disse ele.

A ideia é considerar o seu pensamento nervoso de uma perspectiva diferente. “Você percebe que, ‘sim, isso é apenas o estado mental de preocupação, e eu posso me libertar disso, mesmo que seja apenas por um segundo, de modo que ele não me possua completamente'”, disse Harris.

Texto traduzido e adaptado de NY Times
Fotos Pixabay

Workshop de PNL Gratuito

Se você tem interesse em treinamento de Programação Neurolinguística, PNL, e estiver Santos no dia 03 de abril, marque o compromisso na agenda: haverá um Workshop de PNL Autoaplicável grátis, no período noturno.

Para quem ainda não conhece muito bem sobre o assunto, mas tem curiosidade em aprender e se aprofundar, nós explicamos resumidamente:

“A PNL permite compreender melhor nosso funcionamento interno, identificar nossos modelos mentais, para que possamos questioná-los, refletir sobre os mesmos e se é preciso ressignificá-los.

Esse aspecto é que influenciou o surgimento do nome “programação”, pois esse conhecimento sugere que a partir das nossas histórias, experiências, valores, somos programados a ter determinadas crenças e modelos mentais que impactam diretamente o nosso comportamento. Da mesma forma, que a partir de técnicas de PNL e ferramentas podemos “reprogramar” a nossa estrutura interna com foco nos resultados que queremos alcançar.” – Definição da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística

As inscrições podem ser feitas na página da Ápice Desenvolvimento Humano nas redes sociais.

O workshop é no dia 03/04, às 19:15, no Hotel Confort (Rua Alberto I, 177, Ponta da Praia, Santos/SP), para a entrada é necessário doar 1 Kg de alimento não perecível.

Mesmo no frio, excesso de sono pode ser sinal de alerta

Conteúdo original Revista Suplementação

Que o frio do inverno faz um convite irresistível para uma cama quentinha e um filme, todo mundo sabe. No entanto, a vontade permanente de querer dormir ou até mesmo de ficar deitado pode ser um alerta emitido por nosso organismo. Quem dá o aviso é o médico Theo Webert, que atua em nutrologia e qualidade de vida.

Segundo ele, é normal sentir vontade de se jogar na cama depois de um dia todo fora de casa, mas todo o excesso precisa ser bem observado. “Sentir aquela fadiga incompreensível por vários dias consecutivos é sinal de que algo não vai bem com sua saúde. Quando digo saúde, me refiro tanto a saúde física como mental”, afirma.

O especialista elenca que sedentarismo, desequilíbrio hormonal, má alimentação, estresse e sono acumulado são alguns dos problemas que contribuem para o cansaço. “Se não tratado, pode provocar baixa autoestima, enxaquecas e até outras doenças no organismo como psoríase e gastrite,”, revela.

A alimentação bem regulada é, para o médico, a melhor alternativa para despistar e evitar sintomas da fadiga. “O grande segredo de nosso corpo é respeitá-lo e isso começa com uma dieta saudável, que reequilibre nossas funções vitais, valorizando sempre a alimentação rica em frutas e verduras frescas”, lembra.

Além disso, continua, praticar exercícios físicos e relaxar pode não só ajudar como também prevenir o problema. “Em todo caso, sempre é bom procura uma avaliação médica, já que cada corpo é um universo”, ressalva.

Fonte: Theo Webert

Músicas que vão acabar com a sua ansiedade

Conteúdo original Pequenas Empresas, Grandes Negócios

música pode ser uma grande aliada de pessoas que precisam chegar a um determinado estado de espírito: dependendo da playlist, dá para ficar mais acordado, concentrado e feliz ou menos ansioso.

Com o objetivo de ajudar pessoas que sofrem com a ansiedade, a Mindlab, consultoria britânica especializada em soluções em neurociência para empresas, resolveu criar a lista de músicas perfeitas para resolver este problema.

Para escolher as canções, segundo a “Inc.“, a Mindlab fez uma bateria de testes com grupos de voluntários. Na pesquisa, eles eram orientados a resolver problemas de lógica enquanto ouviam músicas. Todos estavam conectados a sensores.

Algumas das músicas tocadas diminuíam a intensidade da região do cérebro que funciona mais em situações de estresse e ansiedade e, segundo a Mindlab, facilitavam a resolução dos desafios.

A canção mais eficaz contra a ansiedade, que reduziu em média 65% da ansiedade dos participantes do experimento, é “Weightless”. Composta pelo grupo Marconi Union, a música teve a colaboração de terapeutas para ser feita. O compasso lento e o fundo de tons graves diminuem os batimentos cardíacos e os níveis de cortisol, o hormônio do estresse e da ansiedade, na corrente sanguínea, de acordo com a consultoria.

Confira abaixo “Weightless” e as outras canções mais eficazes contra a ansiedade, segundo a Mindlab 🎧 :

Somatização: sintomas físicos podem ter causas emocionais?

Conteúdo original Minha Vida
Por Dr. Ivan Mario Braun
Psiquiatria – CRM 57449/SP

“A ideia de que a mente e o corpo interagem teria começado a ser considerada já na Idade Média pelo médico muçulmano Al-Balkhi. Hoje em dia ninguém duvida que problemas clínicos (“físicos”) possam surgir em resposta ao estresse psicológico – doenças como diabete, problemas cardíacos e reumatólogicos, claramente podem ter seus sintomas piorados, por exemplo, na presença de situações de ansiedade grave.
holzfigur-980784_960_720
Entretanto, o objetivo deste artigo é fazer uma breve discussão de outro aspecto da interação, a da possibilidade de alterações específicas do organismo poderem aparecer como consequência de problemas psicológicos. Este tipo de interação é estudado dentro do escopo da medicina psicossomática, assim como dentro da própria psiquiatria.

Origem

O termo “psicossomático” tem origem as palavras gregas “psyche” – mente – e “soma” – corpo e começa a aparecer, na literatura, na primeira metade do século XIX. Freud e Breuer, no final do século XIX concluíram que problemas psicológicos poderiam levar a graves sintomas físicos, ao descreverem o caso de Anna O., uma paciente que, após a morte do pai, desenvolveu sérios problemas psíquicos e corporais, como alterações na capacidade de falar, dores, paralisia e dificuldades visuais.

library-68634_960_720

Segundo sua hipótese, estas manifestações seriam resultado de uma conversão da ansiedade resultante de conflitos psíquicos (no caso, desencadeados pela doença e morte do pai) em sintomas físicos. Freud, posteriormente, procurou relacionar estes distúrbios a fenômenos inconscientes.

No extremo da ideia de que problemas psicológicos poderiam causar sintomas físicos, Franz Alexander, no começo do século XX, desenvolveu a teoria de que determinados conflitos psíquicos levariam a manifestações somáticas específicas, diretamente relacionadas ao conflito e Nunberg sugeriu que, ao contrário da abordagem habitual, de se procurar causas físicas das doenças mentais, o paradigma deveria ser invertido e se procurar sempre uma causa mental para uma doença física. Deve-se deixar claro que este tipo de afirmação não possui nenhuma base científica.
counseling-99740_960_720
Acredita-se, hoje em dia, muito mais, que uma predisposição geral ao desenvolvimento de sintomas físicos, na vigência de transtornos psicológicos, possa explicar o aparecimento dos transtornos de sintomas somáticos – denominação utilizada, atualmente, pela Associação Psiquiátrica Americana e geralmente usada nas publicações científicas.

Principais “sintomas”

No que se refere àqueles quadros que eram classicamente considerados “psicossomáticos”, são especialmente importantes:

1) O Transtorno de Sintomas Somáticos, caracterizados pela presença de múltiplos sintomas físicos (por exemplo, dor ou fadiga), que causam grande desconforto e interferem negativamente no dia-a-dia do paciente; para se poder fazer o diagnóstico, é necessário que durem por períodos prolongados, de pelo menos seis meses e não tenham causa clínica demonstrável. No entanto, pode haver, simultaneamente, a presença de uma doença clínica comprovada como no caso de uma pessoa que sofreu um infarto mas apresenta, ao mesmo tempo, sintomas de dor sem explicação física.

yoga-702718_960_720

2) Os Transtornos de Conversão, nos quais o indivíduo têm sintomas neurológicos (por exemplo, fraqueza, paralisias, movimentos anormais) que não correspondem aos padrões reais do funcionamento do sistema nervoso.

É muito importante que o médico seja muito cuidadoso e não faça estes diagnósticos simplesmente porque os sintomas lhe parecem bizarros, ao mesmo tempo que não parta do princípio de que são simples fingimentos (o que, entretanto, também pode ocorrer).

group-1232896_960_720

Apesar de que não se conhece a causa destes transtornos e de que as explicações mais antigas não são cientificamente embasadas, acredita-se que situações como maior sensibilidade a dor, exposição a traumas como agressões físicas e privação de necessidades, assim como aspectos culturais podem predispor aos sintomas somáticos.

Tratamento

Em relação ao tratamento, ainda não há evidências suficientes quanto à eficácia do uso de antidepressivos, antipsicóticos e remédios naturais – o que não significa que não sejam úteis, porém que esta utilidade ainda deve ser pesquisada e, assim, de modo geral, ainda não se justifica seu uso.

wooden-figures-1007134_960_720

Psicoterapias, de modo geral, parecem melhorar os sintomas. A maior parte dos estudos sobre tratamentos psicológicos envolve a terapia cognitivo-comportamental (TCC), na qual se procura identificar fatores externos e internos (pensamentos, emoções) relacionados aos sintomas apresentados pelo paciente e se objetiva uma atuação sobre estas causas.”