Alimentos ricos em fibras: benefícios e recomendações

Conteúdo original Minha Vida

Os diversos efeitos das fibras na saúde têm recebido uma crescente atenção entre pesquisadores e profissionais de saúde, e é consenso que uma dieta rica em fibras é essencial para a manutenção da boa saúde. Fibras são consideradas um alimento funcional, definido como aquele que pode ajudar a melhorar as funções vitais e a prevenir ou tratar doenças.

A importância das fibras reside na prevenção de diversos problemas de saúde como obesidade, prisão de ventre, hemorroidas, doenças coronarianas, diabetes, resistência insulínica, colesterol alto, diverticulite, câncer de cólon e outras doenças crônicas. Os estudos mostram que uma maior ingestão de fibra alimentar está associada com um risco reduzido de morte.

Fibras vegetais

As fibras estão alojadas nas paredes celulares dos alimentos de origem vegetal. São as fibras que dão textura e firmeza a cereais, grãos, frutas e verduras. Elas podem ser divididas basicamente em dois grupos, fibras solúveis e fibras insolúveis, de acordo com a sua solubilidade na água.

Características das fibras

  • Não são digeridas pelas enzimas do trato digestivo humano

  • Não são absorvidas e por isso chegam intactas ao intestino grosso

  • Têm grande capacidade de retenção de água

  • Atuam no metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, retardando ou reduzindo sua absorção pelo intestino delgado.

Fibras Solúveis

As fibras solúveis formam um gel na presença de água. As principais são pectina, gomas, mucilagens e algumas hemiceluloses. Fontes de fibra solúvel: cereais (aveia, cevada, milho), frutas (banana, maçã, abacate), leguminosas (feijões, ervilhas), legumes (couve-flor, abobrinha, cenoura), sementes oleaginosas (linhaça, chia, coco, amêndoas, castanhas, nozes).

Ações das fibras solúveis

  • Dão sensação de saciedade controlando o apetite

  • Contribuem para a formação da flora bacteriana intestinal

  • Controlam a glicose sanguínea porque retardam a absorção de carboidratos

  • Djudam a diminuir o colesterol LDL (o mau colesterol) no sangue

  • Protegem contra doenças do coração

  • São fermentadas pelas bactérias presentes no cólon, produzindo ácidos graxos de cadeia curta (butirato) que inibem a síntese de colesterol no fígado e protegem contra o câncer de cólon.

Fibras Insolúveis

As fibras insolúveis não são solúveis em água. As principais são celulose, hemicelulose e lignina. Fontes de fibra insolúvel: grãos (feijão, soja, lentilha), cereais integrais (arroz, centeio, trigo e farelos), vegetais e talos de vegetais (brócolis, couve-flor), verduras folhosas, cascas e bagaços de frutas.

Ações das fibras insolúveis

  • Dão sensação de saciedade reduzindo o apetite

  • Absorvem água se misturando aos alimentos no intestino grosso e aumentando o bolo fecal

  • Agem como um laxante natural estimulando o funcionamento intestinal

  • Previnem doenças como hemorroidas, prisão de ventre, diverticulite e câncer de cólon.

Efeitos fisiológicos

Resumindo, as fibras solúveis têm ação no metabolismo e as fibras insolúveis têm ação principalmente mecânica. Elas se complementam para exercer o papel de reguladoras intestinais.

Alimentos ricos em fibras

  • Cereais: farelo de trigo, farelo de aveia, farelo de arroz, aveia, germe de trigo, arroz integral, psillium

  • Leguminosas: feijão, grão de bico, lentilha, ervilha, amendoim

  • Sementes oleaginosas: linhaça, chia, farinha de coco, castanha-do-pará, amêndoa, semente de girassol, gergelim, macadâmia

  • Verduras e legumes: abóbora, alho-poró, alcachofra, pimentão, batata-doce, broto de soja, brócolis, couve-de-bruxelas, couve-flor, vagem, aspargos, palmito, cenoura, beterraba, milho, ervilha verde, folhas verdes (couve, espinafre, agrião, bertalha)

  • Frutas secas: figo, pêssego, ameixa, uva passa, tâmara, damasco

  • Frutas: goiaba, jaboticaba, amora, abacate, ameixa, maçã, pera, pitanga, acerola, manga, papaia, kiwi, maracujá, uva, laranja, tangerina, banana, coco

Benefícios das fibras

A maior parte dos alimentos fornece fibra solúvel e insolúvel. Por exemplo, a maçã é excelente fonte de pectina (solúvel) na polpa, porém a casca é rica em celulose (insolúvel), proporcionando assim uma ação conjunta na fisiologia humana. Fibras regulam o trânsito intestinal funcionando como uma esponja, que absorve água e gordura, aumentando o tamanho do bolo fecal, deixando-o mais macio e solto. Elas estimulam os movimentos peristálticos do intestino, ajudando no processo de evacuação.

As fibras também diminuem a velocidade de absorção dos carboidratos, o que reduz os níveis glicêmicos no sangue, atuando na prevenção do diabetes. Além disso, a alimentação rica em fibras contribui para a perda de peso, pois elas ajudam a promover a sensação de saciedade.

Quanta fibra?

É essencial caprichar num cardápio com muita fibra, e isto deve ser feito todos os dias, ou seja, ter uma rotina alimentar que ajude o intestino a funcionar como um relógio. A quantidade diária de fibra recomendada pelos órgãos de saúde varia entre 20 a 30 gramas, porém a maioria dos adultos não come nem metade disso. Para crianças entre 5 e 10 anos a recomendação varia de 5 a 10 gramas diárias de fibra alimentar.

Consumir mais de 35 gramas de fibras por dia pode gerar problemas. Fibra demais faz com que os alimentos permaneçam no intestino durante um tempo muito reduzido, dificultando o aproveitamento dos nutrientes – isto pode prejudicar a absorção ou acelerar a excreção de determinados minerais, como zinco, cálcio, magnésio, fósforo e ferro. Muita fibra também pode causar irritação local e intolerância intestinal, levando à formação de gases, diarreia e dores abdominais.

Sem fibra suficiente os alimentos ficam retidos no intestino por muito tempo, e pode ocorrer a reabsorção de toxinas, estrogênio e colesterol, que deveriam ser prontamente eliminados nas fezes. Além disso, outros sintomas de deficiência de fibra são a formação de gases, inchaço, dores abdominais, dor de cabeça, mal-estar e alteração do humor. Se os detritos alimentares ficarem muito tempo parados e em contato com a parede do intestino pode haver inflamação, diminuição da imunidade, infecções e até câncer.

Para chegar ao aporte adequado de fibras é necessária uma alimentação saudável e variada, que inclua diariamente frutas consumidas com casca e bagaço, verduras e legumes diversos, nozes e sementes, grãos e cereais. Acrescentar farelo de cereais, 1 a 2 colheres de sopa por dia, ajuda a aumentar o teor total de fibras, lembrando sempre de variar o tipo usado. E não se esqueça de tomar água.

Referências

  • American Journal of Epidemiology 2015. Association between dietary fiber and lower risk of all-cause mortality: a meta-analysis of cohort studies

  • Nutrients 2013. Fiber and Prebiotics: mechanisms and health benefits

  • Gastroenterology 2010. Dietary fiber supplements: effects in obesity and metabolic syndrome and relationship to gastrointestinal functions

  • European Journal of Nutrition 2015. Dietary fiber intake and its association with indicators of adiposity and serum biomarkers in European adolescents

  • Advances in Nutrition 2012. What do we know about dietary fiber intake in children and health? The effects of fiber intake on constipation, obesity, and diabetes in children.

Saiba quais alimentos devem ser consumidos crus

Conteúdo original Minha Vida

Incluir verduras e legumes nas refeições é um dos pilares para ter uma alimentação saudável. No entanto, você já prestou atenção na forma como consome esses alimentos? O que acontece é que existem alguns alimentos que quando cozidos, fritos ou refogados perdem consideravelmente suas propriedades nutricionais.

De acordo com a nutricionista Flávia Vicentini, ao colocar legumes para cozinhar em água fria, 35% dos carboidratos, vitaminas e minerais se transferem para ela. “Até mesmo o aquecimento de verduras e legumes em fornos de microondas acarreta em alguma perda de nutrientes”, diz.

Para tirar melhor proveito das suas refeições saiba quais itens é melhor consumir in natura.:

Couve-flor

Fonte de vitaminas A e C, rica em clorofila e glicosinolatos. Se a couve-flor for cozida em grande quantidade de água ela pode perder até 40% de seus nutrientes. Ao levá-la ao forno, perde-se zinco, ferro, cálcio e glicosinolatos.

Cenoura

Rica em sódio, potássio, carboidratos, vitaminas A e C, a cenoura sofre uma perda de 10% a 50% da vitamina C se levada ao fogo com água. Na versão assada, minerais como sódio e potássio são reduzidos.

Beterraba

Ao ser levada ao fogo com água ele perde potássio e pode elevar o índice glicêmico ao ser consumida. Já assada, há perda de minerais como ferro, vitaminas C e B e ácido fólico. No entanto, nesta versão, há uma melhora na absorção da vitamina A.

Brócolis

Fonte de vitaminas A e C e antioxidantes. Possui uma grande quantidade de vitaminas do complexo B, enxofre, cálcio, ferro, zinco, ácido fólico e potássio. Mesmo sendo rico em nutrientes há uma elevada perda das vitaminas se ele for cozido. Preparado no vapor as propriedades nutritivas e antioxidantes são mantidas. Assado, o brócolis perde minerais como ferro, cálcio e enxofre

Alho

O alho cozido perde suas propriedades, por isso, sempre consuma o alho in natura. Escolha cabeças de alho redondas e cheias – evite aquelas com dentes soltos, moles ou murchos. A parte exterior deve estar intacta e sem manchas. Procure comprar a quantia suficiente para uma semana, e não mais do que isso.

Agrião

Segundo um estudo publicado no British Journal of Clinical Pharmacology, o agrião tem múltiplos benefícios vasculares, como a redução da pressão arterial, pois ajuda a mantê-la saudável, sendo vantajoso para pessoas que costumam ter uma dieta pobre em cálcio, magnésio e potássio. É importante destacar que isso só é possível se for ingerido in natura, e não através de suplementos.

Aspargos

Uma dica importante de preparo é não cozinhar o vegetal em panela de ferro, uma vez que os taninos presentes reagem com o ferro e os talos perdem a cor e as propriedades nutritivas

Receita: Crepioca de brócolis

Chegou em casa com fome de comida gostosa, não deixou nada preparado e a geladeira tá na vibe fim de mês, recheada de espaço?! Essa crepioca turbinada de brócolis vai tornar sua noite mais tranquila e gostosa! Junta os ingredientes e vamos preparar o jantar rapidinho:

Crepioca de brócolis

Original de Receitas Fit e Low Carb

  • 2 ovos – ou 3 claras
  • 2 colheres de tapioca – ou polvilho doce ou azedo
  • 3 colheres de brócolis cru picado
  • 1 colher de requeijão cremoso ou iogurte natural ou creme de ricota (opcional)
  • Queijo ralado (opcional)
  • Sal a gosto

Bata todos os ingredientes num recipiente, misturando bem e depois frite em frigideira untada em fogo baixo. Sirva com um acompanhamento bem gostoso, saladinha ou arroz/purê 😉

Receita: sucos para revitalizar o corpo e animar o seu dia

Nem todo mundo consegue começar a semana já engrenado na energia, animado e vendendo sorrisos. Mas não vai ser por isso que você vai sair por aí com cara de segunda-feira, benhê! Deixe que o tempo cumpra seu papel e mostre ao mundo a sua melhor versão! Quer um empurrãozinho?! Corre pra cozinha, checa a geladeira e venha se alimentar de ânimo, coragem e alegria para esbanjar uma semana maravilhosa!

Para ganhar Ânimo

suco-beterraba

  • 125g de beterraba
  • 1 maçã
  • 5g de gengibre
  • 460g de cenoura

Corte a beterraba, a cenoura e a maçã (com casca e sem sementes) em pedaços e bata com gengibre na centrífuga. Rende 1 copo, é indicado para anemia e problemas digestivos, além de aumentar a disposição.

Para ganhar Coragem

suco-vermelho

  • ½ pimentão vermelho
  • 1 maçã
  • 155g de beterraba
  • 350g de cenoura

Corte as cenouras em pedaços de 5 cm, pique também as beterrabas, as maçãs e o pimentão (sem sementes) e bata tudo na centrífuga. Rende 1 copo, é rico em ferro, bioflavonóides e vitamina C. Indicado para anemia e pessoas que não se alimentam bem.

Para a Alegria

fruits-465832_960_720

  • 1 abacaxi bem maduro
  • 5g de hortelã
  • 5g de gengibre

Descasque o abacaxi e corte em pedaços, retirando o miolo. Bata com os outros ingredientes. Rende 1 copo. Suco enzimático rico em potássio, é indicado para hipertensão, resfriados e problemas respiratórios. Dá bastante energia.

Táticas (simples) para quem quer fazer uma reeducação alimentar

Conteúdo original M de Mulher

carrot-1085063_960_720

Se o seu objetivo é começar uma reeducação alimentar, fuja dos erros de principiante. A nutricionista Sheila Mustafá, de São Paulo, ensina em que você deve apostar:

1. BEBA MAIS ÁGUA 
Ajuda a eliminar toxinas, equilibra a produção de enzimas digestivas e acelera o metabolismo. Chá também vale, mas sem açúcar.

2. REDUZA OS INTERVALOS ENTRE AS REFEIÇÕES 
Coma lanches em porções menores a cada três horas para controlar a glicemia (açúcar no sangue), o que segura a fome e a compulsão.

vegetables-1042659_960_720
3. VARIE AS CORES NO PRATO 
Assim, você garante vitaminas, minerais, antioxidantes e fitoquímicos presentes em cada grupo de alimentos. Para manter a saúde e o peso, cuidar da pele e do cabelo e reduzir a celulite, aposte nos roxos, vermelhos, verde-escuros, amarelos e laranjados.

4. EXPERIMENTE MAIS 
Coloque um item inédito no menu a cada três dias. No fim do mês, você vai se surpreender!

Como escolher legumes, verduras e frutas

Conteúdo original Mais Equilíbrio

strawberry-260687_960_720

Ricos em nutrientes e com poucas calorias, legumes, frutas e verduras são alimentos essenciais no cardápio diário, pois contribuem para uma alimentação balanceada e saudável. Assim como consumi-los é muito importante, é primordial também saber escolher sua qualidade. Dessa forma, você evita também o desperdício de alimentos.

De modo geral, recomenda-se evitar qualquer alimento com pontos pretos (sinal de podridão), machucados ou rachados (indica que, além de não serem frescos, podem estar com algum tipo de contaminação). Preste atenção também em alimentos com brotos, como batata e cebola, por exemplo, pois é sinal de que são alimentos mais velhos.

Sendo assim, o Mais Equilíbrio separou algumas dicas para você de como escolher legumes, verduras e frutas, no mercado ou na feira:

Legumes e verduras

food-743793_960_720

Escolher bem os legumes pode ser uma tarefa fácil, por isso é preciso prestar atenção aos detalhes.  Eles devem ter uma textura mais lisa, sem partes moles e sem machucados. Já as verduras precisam apresentam uma cor bem viva, sem folhas queimadas nas bordas ou amareladas.

Como escolher pimentão

Os pimentões de cores mais vivas e aroma perfumado são os mais indicados para consumo. Escolha os pimentões pesados e firmes.

Como escolher alho e cebola

Confira o aspecto dos dois itens usados como tempero. Eles devem ter a casca lisa, sem machucados e sem estarem murchos. Avaliar a textura e a aparência dos alimentos é importante na hora da compra.

Como escolher mandioca

cassava-285033_960_720

O interior da mandioca deve ser de coloração branca e sem manchas pretas, e a casca deve se soltar com facilidade.

Como escolher alcachofra

Segure-a pela base e sacuda suavemente. Se o talo for flexível, sinal que está no ponto para ser consumida. Manchas pretas nas pontas das folhas ou na base indicam que já está mais velha. As folhas devem estar bem fechadas também, pois se abertas, o gosto pode ser amargo e a consistência, muito dura.

Como escolher berinjela

Prefira as de casca fina, lisa e brilhante, com formato comprido, mas não muito grande, uma vez que as maiores contêm mais sementes e fibras. As folhas na ponta da berinjela devem estar bem verdes e grudadas à casca.

Como escolher brócolis e couve flor

 

Ambos devem ser firmes e sem manchas amareladas, que indicam que o vegetal está velho. As flores devem estar bem fechadas, os talos firmes e as folhas frescas.

Como escolher milho verde

As melhores espigas são aquelas com a palha verde e macia, grãos grandes e brilhantes. Não compre se o legume estiver murcho e/ou com manchas.

Como escolher quiabo e cenoura

Cenouras muito grandes geralmente estão endurecidas. Os alimentos mais novos são mais crocantes. Pra saber isso, quebre a pontinha de ambos.

Frutas

red-currant-174282_960_720

As frutas devem ser selecionadas de modo que estejam no “ponto”, ou seja, sem verdes e nem maduras demais. Verifique itens como cor, textura e cheiro. O aroma da fruta é um indicativo de que ela está com boa qualidade. Preste atenção também na cor da casca e se ele possui machucados, o que mostra que a fruta não está boa para consumo.

Como escolher laranja e limão

As laranjas e limões de casca lisa e brilhante são os que possuem mais suco. Dê preferência aos mais pesadas e firmes, pois são mais suculentos.

Como escolher maçã

Verifique se a casca está com cor viva (quanto mais vermelha a casca, mais doce ela é) e sem machucados. Prefira as maçãs mais pesadas e que não tenham partes machucadas ou moles demais.

Como escolher mamão

papaya-966322_960_720

Três aspectos importantes indicam a boa condição de consumo do mamão: casca da fruta bem firme, ausência de machucados ou rachaduras e ausência de manchas brancas de fungo. Prefira comprar mamões de casca amarelada.

Como escolher abacaxi

A fruta está no ponto quando, ao se retirar uma das folhas da coroa, ela sai facilmente. A casca não pode estar muito dura.

Como escolher abacate

Prefira as frutas mais pesadas e ligeiramente firmes. Quando maduro, ao pressionar a casca, essa deve estar firme, porém macia. Quanto menos manchas na casca do abacate melhor.

Como escolher maracujá

passion-fruit-711267_960_720

Escolha os mais pesados, pois os leves têm pouca polpa. No caso do maracujá azedo, a casca enrugada indica que já está maduro. Já no do maracujá doce, a casca deve ser lisa e brilhante.

Como escolher melancia e melão

A casca dessas frutas deve ser firme, brilhosa e sem manchas escuras. Elas devem ter peso proporcional ao seu volume e para saber se estão maduras, bata com o nó do dedo na casca. Se sair um som abafado, estão maduras.

Como escolher banana

Prefira as menores e mais gordinhas, pois têm mais sabor e nutrientes. Você pode comprá-las ainda verdes, basta deixar fora da geladeira que elas amadurecem mais facilmente.

Alergia alimentar tardia

Nosso corpo é bem peculiar, não é?! É até engraçado pensar que de uma hora para outra nosso organismo pode rejeitar um alimento ou substância. E acontece! É o que se chama de alergia ou intolerância tardia.

woman-699004_640

Hoje, inclusive, aproveitei para selecionar esse texto, original da Mãe Terra, porque aconteceu esse episódio aconteceu comigo. Depois de quase 30 anos consumindo leite praticamente todos os dias, desenvolvi alergia. Comecei a ter crises fortes de rinite, sem motivo aparente. Até que parei para observar o comportamento da rinite relacionado à alimentação. E, pronto! Era só tomar leite e, depois de 20, 30 minutos, vinha uma crise terrível.

Atualmente, aprendi a compensar e não tive mais nenhum episódio alérgico. Não faço consumo diário de leite e mantenho meu cardápio bem variado em verduras, frutas e legumes. Vamos saber um pouquinho mais sobre isso:

breakfast-924167_640

“Quando falamos de alergias alimentares, geralmente o que vem primeiro à mente são aquelas reações mais clássicas como prurido e vermelhidão da pele, edemas pelo corpo etc. Esses são sinais clássicos do que chamamos de alergia imediata, mas queremos lembrar que além deste, existe um outro tipo de alergia muito mais comum, que corresponde a  cerca de 98% das alergias alimentares: são as alergias tardias, que recebem esse nome porque seus sinais se manifestam  entre 2 e 72 horas depois do contato com o alimento.

Diferente das alergias imediatas (que se manifestam imediatamente ou até 8 horas depois do contato com o alimento, com grande atuação das imunoglobulinas do tipo E), as tardias nem sempre têm diagnóstico fácil, exatamente pela dificuldade de se saber exatamente qual alimento a causou. Com prevalência das imunoglobulinas do tipo G, os seus sinais podem aparecer de diversas formas, seja por problemas respiratórios (rinite, bronquite, sinusite), otite, enxaqueca, insônia, hiperatividade, ansiedade, depressão, dermatites, micoses, obesidade etc.

stitches-186427_640

Seja qual for o tipo de alergia diagnosticada, a primeira conduta do tratamento é a exclusão total do alimento alergênico por período que varia conforme a gravidade do caso. Há casos em que a exclusão total precisa ser permanente, principalmente quando o alimento coloca em risco a vida do paciente.

Confira os principais alimentos alergênicos e as sugestões de substitutos no tratamento:

Tabela Intolerancia

Outro ponto importante, que costuma causar confusão mesmo entre os profissionais é a diferença entre alergia e intolerância alimentar. A alergia é uma reação imunitária que acontece a partir do contato com as proteínas do alimento, já a intolerância refere-se a qualquer resposta anormal do organismo a um alimento ou aditivo, mas que não ativa o sistema imunitário.

Um exemplo clássico dessa diferença é a alergia ao leite (citada na tabela acima) e a intolerância à lactose, que acontece no trato digestório, quando há falta da enzima lactase (que digere a lactose). Os sinais mais comuns da intolerância à lactose são diarreia, flatulência e sensação de estufamento abdominal.

chocolate-cupcake-1014635_640

Tanto o diagnóstico das alergias quanto das intolerâncias não costuma ser simples, até porque, principalmente no caso das alergias tardias, deve-se considerar outros fatores como predisposição genética, exposição ambiental, fatores emocionais etc. A tarefa do nutricionista clínico e do médico é fazer uma avaliação bem detalhada para trazer melhores resultados no tratamento.”

Referências Bibliográficas:
1- CARREIRO, D.M. Terapia Nutricional na Alergia Alimentar. VP Consultoria, 2006.
2- PEREIRA, ACS e col. Alergia alimentar: sistema imunológico e principais alimentos envolvidos. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 29(2): 189-200, 2008.
3- CORDAIN, L e col. Modulation of immune function by dietary lectins in rheumatoid arthritis. Br J Nutr. 83(3): 207-17, 2000.
4. VIRTANEN, SM e KNIP, M. Nutritional risk predictors of beta cell autoimmunity and type 1 diabetes at a young age. Am J Clin Nutr. 78(6): 1053-67.
5- THUNE, P e GRANHOLT, A. Provocation tests with antiphlogistica and food additives in recurrent urticaria. Dermatologica. 151(6):360-7, 1975.
6- BITTENCOURT, AL e col. Immunogenicity and allergenicity of 2S, 7S and 11S protein fractions. Rev Bras Cien Farm. 43(40: 597-606,2007.