Tag: vida saudável

Exercício versus Remédios para tratar a hipertensão e reduzir a gordura

Exercício versus Remédios para tratar a hipertensão e reduzir a gordura

O exercício pode reduzir a pressão sanguínea e reduzir a gordura corporal visceral, pelo menos tão eficazmente quanto muitos medicamentos comuns, de acordo com duas importantes novas revisões de pesquisas relevantes sobre os efeitos do exercício em doenças.

Juntos, os novos estudos apoiam a ideia de que o exercício pode ser considerado um remédio e poderoso. Mas eles também levantam questões sobre se sabemos o suficiente sobre os tipos e quantidade de exercícios que podem melhor tratar diferentes problemas de saúde e se realmente queremos começar a pensar em nossos exercícios como remédios.

A possibilidade de prescrever formalmente o exercício como um tratamento para várias condições de saúde, incluindo pressão alta, resistência à insulina, obesidade, osteoartrite e outras, vem ganhando força entre cientistas e médicos. O Colégio Americano de Medicina Esportiva já lidera uma iniciativa global chamada ‘Exercise Is Medicine’ (Exercício é remédio), que visa incentivar os médicos a incluírem prescrições de exercícios como parte dos tratamentos de doenças.

Mas, enquanto os medicamentos enfrentam testes extensivos antes de poderem ser aprovadas e prescritos, os estudos de exercícios, mesmo aqueles que os examinam como tratamento para doenças, tendem a ser relativamente pequenos e de curto prazo. Eles também raramente comparam exercícios, frente a frente, com medicamentos para tratar a mesma condição.

Assim, os autores das duas novas resenhas decidiram, de forma independente, encenar seus próprios ruídos científicos de exercício versus medicamentos e, para cada um deles, usar a mesma abordagem levemente indireta. Os pesquisadores decidiram reunir os melhores estudos recentes sobre a eficácia dos medicamentos para uma condição e os melhores estudos comparáveis ​​usando o exercício para tratar a mesma doença e coletar, analisar e comparar os vários resultados.

Para a primeira das novas revisões, que foi publicada em dezembro no ‘British Journal of Sports Medicine’, pesquisadores da London School of Economics, da Stanford University e de outras instituições, decidiram se concentrar na pressão arterial sistólica (o número mais alto), em grande parte porque a pressão alta tende a ser fortemente devastadora fisicamente, aumentando os riscos de doença cardíaca, doença de Alzheimer e morte prematura. A hipertensão também é tratável com medicamentos que incluem betabloqueadores, diuréticos e outros remédios ou exercícios. Os experimentos incluíram quase 50.000 voluntários, com mais de 10.000 deles nos estudos de exercício.

Os pesquisadores então descobriram que, em conjunto, todas as medicações e qualquer tipo de exercício reduziam a pressão arterial, embora as drogas geralmente alcançassem reduções ligeiramente maiores.

Já na outra nova revisão, que foi publicada em fevereiro na ‘Mayo Clinic Proceedings’, os pesquisadores concentraram-se na gordura e, em particular, na gordura visceral, um tipo particularmente perigoso de gordura que se acumula em torno de nosso organismo e profundamente abaixo da pele, sufocando órgãos internos e aumentando o risco de problemas metabólicos.

Várias medicações atualmente são aprovadas para cortar gordura visceral e outros tipos de gordura. O exercício também demonstrou reduzir a gordura visceral. Mas tem havido pouca ciência comparando essas abordagens.

Assim, os pesquisadores, a maioria deles do Centro Médico Southwestern, da Universidade do Texas (UT), em Dallas, reuniram experimentos recentes de remédios relevantes e ensaios similares usando exercícios para combater a gordura visceral. Todos os experimentos tiveram que durar pelo menos seis meses.

Novamente, como na outra revisão, drogas e exercícios foram bem-sucedidos para a maioria dos participantes; Usando qualquer abordagem, a maioria das pessoas perdeu alguma gordura visceral. Mas nesta revisão, o exercício foi ligeiramente superior, pois: para cada quilo que alguém perdia tinha mais redução de gordura visceral quando se exercitavam do que quando usavam remédio.

O resultado da revisão foi que “mudanças no estilo de vida, como exercícios, devem ser o primeiro passo” quando as pessoas começam a reduzir a gordura visceral, diz o Dr. Ian Neeland, professor assistente de medicina interna no Centro Médico Southwestern da UT, que supervisionou a revisão de pesquisa.

Ele e seus colegas também descobriram que o exercício aeróbico eliminava a gordura visceral com mais eficácia do que o treinamento de força, embora a maioria dos testes de exercício fosse de pequena escala e não tivesse controle do efeito placebo.

Em conjunto, as novas revisões indicam que o exercício pode igualar ou exceder os efeitos dos medicamentos sobre a hipertensão arterial e a gordura visceral. Estudos duradouros que comparam diretamente diferentes drogas e vários tipos de exercícios são necessários, diz Neeland, embora sejam logisticamente difíceis e caros.

Artigo traduzido do The New York Times

O que é ácido lático e qual a relação com a atividade física

O que é ácido lático e qual a relação com a atividade física

Você já sentiu aquela dorzinha ardida algumas horas após um bom treino muscular?! É uma sensação de queimação local que deixa a gente cauteloso nos movimentos e só passa após os próximos treinos. Sabe porquê isso acontece?! Vem do acúmulo de lactato nos músculos.

Também conhecido como ácido lático, o lactato pode ser produzido por todo o corpo naturalmente. Ele é um resultado da rápida queima de carboidratos quando a demanda por energia é alta e a disponibilidade de oxigênio é baixa, como durante os treinos de alta intensidade.

A glicose é o combustível mais prontamente disponível do corpo, facilmente transportado e quebrado para suportar explosões curtas de exercício intenso. A glicose é metabolizada por um processo chamado glicólise, resultando em piruvato. Existem dois usos possíveis para o piruvato: produção de energia anaeróbica ou aeróbica.

Quando há bastante oxigênio, o piruvato é transformado em energia na forma de ATP através da via aeróbica. Sem oxigênio suficiente presente, o piruvato tem outro destino: a conversão anaeróbica para lactato. Então, todo aquele bufar e ofegar durante o exercício intenso é usado (entre outras coisas) para alimentar as reações metabólicas que fazem nossos músculos funcionarem.

A maioria do lactato liberado no sangue é levado ao fígado, onde pode ser convertido novamente em glicose através de um processo chamado gliconeogênese, e então liberado de volta à circulação. Os níveis de lactato no sangue aumentam gradualmente à medida que nos exercitamos. Quanto mais difícil o exercício, mais alto ele sobe; Este é um indicador de uma mudança na nossa produção de energia de aeróbica (muito oxigênio) para anaeróbica (menos oxigênio). O acúmulo de lactato é resultado da rápida quebra anaeróbica do carboidrato.

O ácido láctico é o culpado pela dor muscular, mas a produção de lactato é um processo metabólico importante. Diferentes estratégias podem ajudar a minimizar o acúmulo de lactato durante o exercício.

O aquecimento é importante para reduzir o risco de lesões e minimizar o acúmulo potencial de lactato. Durante um aquecimento, a frequência cardíaca aumenta e os vasos sanguíneos se dilatam, o que significa que há mais fluxo de sangue e mais oxigênio chegando aos músculos.

Da mesma forma, desaquecer e alongar imediatamente após um treino é especialmente relevante. O exercício suave (corrida lenta ou bicicleta leve) ou o uso de um rolo de espuma podem ajudar a eliminar o acúmulo de ácido lático do músculo, estimulando o fluxo sanguíneo e a drenagem linfática.

Este artigo foi originalmente publicado pela HVMN.
Fotos Unsplash

Sábado é dia de yoga em Santos

Sábado é dia de yoga em Santos

Se você é de Santos e região, ou estiver de passagem pelas redondezas, fique esperta(o) e acorde um pouquinho mais cedo, pois no sábado agora, dia 08, acontecerá o Yoga Day, uma programação totalmente gratuita e destinada à prática, palestra ou vivência aberta a todos os interessados.

No período da manhã serão compartilhadas duas diferentes técnicas:

  • a Hatha Vinyasa, ministrada pela Camila Kaziyama, das 9h30 às 10h30 e
  • a Heart Chakra Meditation, com Prem Giridhari (Marcelo) das 11h às 12h.

Para que você compreenda a diferença entre elas, vale explicar que “a prática de Hatha Vinyasa é para quem aprecia mais os movimentos do que a permanência, uma vez que ela não tem tanto alinhamento. É um método mais dinâmico, que tem como base as técnicas do Hatha Yoga e a fluidez do Vinyasa.”

Enquanto a meditação do Chakra do Coração, ou Heart Chakra Meditation, “é uma meditação ativa e um exercício baseado numa tradição Sufi com centenas de anos, uma filosofia que parte do princípio de que somos todos partes do Divino, e que encarnamos para trabalhar a nossa evolução e consciência cósmica para re-conexão com Ele. Quando o Chacra cardíaco está aberto, todas as energias fluem livremente, por isso, nesta prática, levamos todo nosso foco para a respiração, mais especificamente na expiração. É uma prática muito potente e um exercício muito simples de respiração e movimento, que pode ajudar a aliviar a pressão interna ao permitir que a energia do coração flua livremente.”

Ambas as atividades têm limitação de vagas e exigem a inscrição antecipada via Whatsapp (13) 99660-6980 ou pelo direct no Instagram d’O Santo Yoga, que é a instituição promotora do evento.

O Santo Yoga fica na Rua Clay Presgrave do Amaral, 14, no bairro do Gonzaga em Santos/SP (ao lado da Droga Raia e Lojas Americanas do Canal 3). Relembrando que o Yoga Day é gratuito, aberto a todos(as), e oferece estacionamento no local para carros, motos, bicicletas, patinetes e cães. 🚗🛵🚲🛴🐕

MeditAR: projeto que inspira o autoconhecimento e a leveza

Se você tem interesse por medição ou vem sentindo a necessidade de desacelerar e trilhar um caminho com mais tranquilidade e consciência e não sabe por onde começar, esse texto é para você. A Andreza Frasseto, do Inspire Leveza, está orientando um percurso chamado MeditAR, de reflexão, rituais e, claro, meditação guiada.

Os encontros ocorrem online, pelo canal da Andreza no Youtube, todas as terças-feiras, por volta das 20/21 horas. A duração é de cerca de uma hora e é possível interagir, tirar dúvidas, solicitar orientação sobre rituais, mantras e práticas para o despertar da consciência, saúde e equilíbrio, por exemplo. Além de poder trocar ideias com a Andreza sobre as experiências e aprendizados adquiridos durante a jornada dela nessa vida de descobertas e autoaceitação.

A Andreza é instrutora de meditação e mora na Itália, com rotina e trabalho (em restaurante), como a maior parte das pessoas. Então, não pense que viver de forma mais leve e equilibrada é impossível para você. Se realmente quiser e tiver vontade, separe uma horinha da sua noite (hoje mesmo!) e embarque nesse percurso você também! Pode ser uma boa forma de relaxar depois do trabalho e dormir mais tranquilamente. Experimente!

Anote aí:

Percurso MeditAr
Todas as terças-feiras à noite, ao vivo, pelo Youtube.

Para saber o horário exato da transmissão, acompanhe a Andreza nas redes sociais: ela faz posts e vídeos relembrando e confirmando o horário do encontro. Tornar-se seguidor é também uma excelente oportunidade para conhecer melhor o trabalho dela.

Vale a pena! Quem começar, volta aqui para contar a experiência! 😉

Novidades no blog

Estamos de volta aos trabalhos, de cara nova e formato repaginado!

Observando as reações de vocês, nosso querido público, em relação à frequência e quantidade de conteúdo, optamos por desenvolver postagens mais curtas e dinâmicas, para que todos consigam acompanhar e aproveitar ao máximo todas as informações aqui compartilhadas.

Esperamos que este ano seja de colheita positiva na sua vida e que você possa dividir, junto conosco no Equilibre-se, experiências maravilhosas de sucesso e evolução!

Aproveitem! 😉

Atividade física regular pode reduzir sintomas de dor crônica

Caminhadas e corridas nunca estiveram tão presentes na vida do brasileiro. Na última década, movimentar-se é considerado um dos pilares determinantes para a manutenção de uma vida saudável. Mas não só isso, ao contrário do senso comum, que acredita no repouso como combate a algumas doenças, o exercício é indicado pelos médicos como tratamento para dores crônicas.

A dor crônica é definida quando acontece de forma contínua ou intermitente, por um período igual ou superior a três meses. “Este é o tempo mínimo para que o sistema nervoso crie uma memória associada à dor intensa e de longa duração, o que a caracteriza como dor crônica”, explica Dr. Thiago Bernardo de Carvalho Almeida, médico do esporte do Hospital IFOR, da Rede D’Or São Luiz.

Ela pode ser combatida com atividade física em diversas ocasiões, como nas dores da região lombar – chamada de lombalgia – que acomete até 85% da população mundial uma vez na vida, segundo dados da literatura médica.

As doenças como a lombalgia, cefaleia, artropatias e osteomusculares relacionadas ao trabalho também podem ser atacadas com a atividade física regular. “São raros os casos de pacientes com artrose em que a atividade física está contraindicada, por exemplo”, explica.

Thiago orienta que no caso da osteoporose, é importante se exercitar tanto na prevenção quanto no tratamento. No caso da fibromialgia, na maioria dos casos, o tratamento medicamentoso não surte efeito se não estiver associado à atividade física. “O uso terapêutico do exercício vem se provando cada vez mais eficiente”, sugere.

Além da atividade física, os especialistas recomendam que os pacientes mantenham também hábitos alimentares saudáveis e uma boa rotina de descanso, pois são fundamentais para a manutenção da qualidade de vida.

O tratamento da dor crônica pode variar de acordo com cada pessoa. Ele cita o exemplo da musculação, que pode ter cargas e repetições diferentes para cada etapa. “Nem sempre o tratamento da dor deve ser individualizado, mas orientado de acordo com as necessidades de cada pessoa. Isso inclui uso de medicamentos, mudança do estilo de vida, prática esportiva, entre outras coisas”.

O Dr. Thiago recomenda ainda que os pacientes procurem uma atividade física ao seu agrado, mas sempre acompanhado de um profissional. “É a manutenção do exercício que trará o bem-estar e uma melhor qualidade de vida”.

Conteúdo Revista Suplementação